Calendário Nacional de Vacinação terá nova programação este ano

Pais devem ficar atentos às alterações. Para as crianças até 5 anos incompletos, as mudanças ocorrem no tipo de produto e intervalos de aplicação das doses de três vacinas: a de poliomielite, a vacina pneumocócica 10 valente, e a vacina meningocócica C

06/01/2016 12:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

BSIP-UIG/Getty Image
A mudança segue recomendação da Organização Mundial de Saúde (foto: BSIP-UIG/Getty Image)
 

Brasília – O Calendário Nacional de Vacinação, adotado na rede pública de saúde, terá mudanças neste ano. As alterações abrangem quatro vacinas já ofertadas no SUS, mas que passam a ter novas recomendações de intervalo entre a aplicação das doses. As mudanças constam de informativo da Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, enviado para secretarias de saúde de estados e municípios, e divulgadas ontem.

Para as crianças até 5 anos incompletos, as mudanças ocorrem no tipo de produto e intervalos de aplicação das doses de três vacinas: a de poliomielite, a vacina pneumocócica 10 valente, e a vacina meningocócica C. A partir deste mês, a terceira dose da vacina contra a pólio passa a utilizar a vacina inativada, feita com vírus mortos, em vez da vacina oral, que é feita com vírus atenuados.

Já a pneumocócica 10 valente, que protege contra pneumonia e outras doenças, passará a ser aplicada em duas doses e um reforço: uma aos 2 meses do bebê e outra aos 4 meses, seguida de um reforço a partir dos 12 meses. Antes, o esquema previa três doses, sendo três delas no primeiro ano do bebê e um reforço no segundo ano. Crianças de 1 a 4 anos que não tiverem sido vacinadas devem receber uma dose única.

A mudança segue recomendação da Organização Mundial de Saúde. A presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBim), Isabela Ballalai, diz que a alteração não deve trazer prejuízos, uma vez que a forte adesão à vacinação no país colabora para uma proteção conjunta da população.

NOVOS INTERVALOS Outra mudança ocorre em relação à vacina meningocócica C, que tem a recomendação para a aplicação da primeira dose de reforço antecipada dos 15 meses para os 12 meses, podendo ocorrer até os 4 anos. A medida é uma forma de assegurar uma maior proteção contra a bactéria que causa a meningite já no início do segundo ano do bebê. As duas primeiras doses da mesma vacina permanecem indicadas aos 3 e 5 meses. Assim como em outros casos, crianças de 1 a 4 anos que não tenham sido vacinas também podem receber a proteção, por meio de uma dose única.

“O mais importante é essa expansão até os 4 anos. Na prática, temos muitas crianças que não estão indo tomar a dose. A ideia é resgatar essas crianças que não tenham sido vacinadas”, afirma Isabela.

HPV O novo calendário também muda o esquema de vacinação contra o HPV, que antes previa três doses. Com a mudança, a vacina passa a ser aplicada em duas doses para meninas de 9 a 13 meses. A segunda dose ocorre seis meses após a primeira. A alteração ocorre após a baixa adesão de adolescentes à segunda dose da vacina, o que fez com que o governo e associações de saúde tivessem que intensificar a campanha para atingir a meta de vacinar até 80% do público-alvo.

Para Isabela Ballalai, a redução de uma dose deve abrir o debate sobre a possibilidade de ofertar a vacina também para um grupo maior de pessoas que ainda não recebem a imunização, como meninos ou outras faixas etárias, o que aumentaria a proteção.

HEPATITE B Além das mudanças, o Ministério da Saúde estuda ampliar a oferta da vacina de hepatite B para toda a população, incluindo idosos – antes, esse grupo não recebia a imunização. A mudança chegou a ser informada às secretarias de Saúde. O ministério, no entanto, diz que a oferta não tem prazo. A possível ampliação ocorreria devido ao aumento na expectativa de vida da população brasileira e das relações sexuais entre idosos, somada à resistência de parte desse grupo ao uso de preservativos, que poderiam evitar a doença.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA