Mulheres jogam videogames tanto quanto homens nos Estados Unidos

60 % dos entrevistados pelo Instituto Pew, com sede em Washington, acreditam que os videogames são "uma coisa de homens"

por AFP - Agence France-Presse 16/12/2015 13:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Joe Raedle/Getty Images/AFP
48% das mulheres entrevistadas pela pesquisa afirmaram jogar videogame (foto: Joe Raedle/Getty Images/AFP )
Ao contrário do que se costuma pensar, nos Estados Unidos as mulheres jogam videogames tanto quanto os homens, segundo um estudo do Instituto Pew publicado nesta terça-feira (15/12). De acordo com o instituto com sede em Washington, 60 % dos entrevistados acreditam que os videogames são, acima de tudo, uma coisa de homens.

Mas "os números mostram que quase uma idêntica proporção de homens e mulheres os jogam". Exatamente um em cada dois homens e 48% das mulheres dizem usá-los.

A disponibilidade de jogos de vídeo para smartphones e tablets fez com que o público - em geral caracterizadas como jovens homens especializados no tema - aumente e se diversifique notoriamente.

Cerca de 49% dos adultos, independentemente do sexo, dizem ter jogado por meio de um computador, um console, uma televisão ou um telefone celular, de acordo com o levantamento realizado com 2.001 americanos entre meados de junho e julho.

No entanto, apenas 10% dos entrevistados se descreveram como "jogadores" ('gamers', em inglês), um termo que geralmente identifica os usuários mais apaixonados. Destes, cerca de dois terços são homens.

Menos da metade dos entrevistados acreditam que os videogames podem estimular a violência. A opinião é mais dividida sobre se os jogos são úteis.

Cerca de 26% acreditam que os videogames são um desperdício de tempo, mas 24% pensam o contrário.

"A percepção dos jogos pelo público em geral é complexa", diz Maeve Duggan, um pesquisadores do Pew. "No debate sobre videogames, o público fica dividido sobre o conteúdo e seu impacto sobre os jogadores".

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA