Mortalidade materna registra redução de 44% no mundo em 25 anos

Estudo publicado pela OMS mostra queda expressiva, mas progressos são desiguais, já que 99% das mortes acontecem nos países em desenvolvimento

por Agência Estado 12/11/2015 10:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

 AFP PHOTO / GENT SHKULLAKU
As complicações durante a gravidez ou o parto representam a principal causa de óbito ( AFP PHOTO / GENT SHKULLAKU ) (foto: AFP PHOTO / GENT SHKULLAKU)
A mortalidade materna registrou uma queda expressiva no mundo nos últimos 25 anos, mas apenas nove países alcançaram as metas da ONU nesta área, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira pela Organização Mundial da Saúde (OMS). "O relatório mostra que no fim de 2015 a mortalidade materna global terá registrado uma redução de 44% na comparação com o nível de 1990", afirmou Lale Say, coordenadora do departamento de saúde genética da OMS.


Leia também: Excesso de cesariana está entre os motivos que impedem Brasil de atingir meta de redução da mortalidade materna


"É um progresso enorme, mas os progressos são desiguais no mundo porque 99% das mortes acontecem nos países em desenvolvimento", completou durante uma entrevista coletiva. Melhorar a saúde das mães era um dos oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) aprovados no ano 2000. O quinto era reduzir em 75% a mortalidade materna entre 1990 e 2015.

A mortalidade materna registrou uma queda expressiva no mundo nos últimos 25 anos, mas apenas nove países alcançaram as metas da ONU nesta área, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira (12/11) pela Organização Mundial da Saúde (OMS). "O relatório mostra que no fim de 2015 a mortalidade materna global terá registrado uma redução de 44% na comparação com o nível de 1990", afirmou Lale Say, coordenadora do departamento de saúde genética da OMS.

"É um progresso enorme, mas os progressos são desiguais no mundo porque 99% das mortes acontecem nos países em desenvolvimento", completou durante uma entrevista coletiva. Melhorar a saúde das mães era um dos oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) aprovados no ano 2000. O quinto era reduzir em 75% a mortalidade materna entre 1990 e 2015.

Segundo o estudo, publicado simultaneamente na revista médica britânica The Lancet, 303.000 mulheres morreram em 2015 em consequência de complicações durante ou depois da gravidez, durante o parto ou nas semanas posteriores. Atualmente a taxa de mortalidade materna é de 216 mortes para cada 100.000 nascimentos, contra o índice 385 mortes para cada 100.000 partos em 1990.

As complicações durante a gravidez ou o parto representam a principal causa de óbito entre as adolescentes na maioria dos países em desenvolvimento. Apenas nove países (Butão, Cabo Verde, Camboja, Irã, Laos, Maldivas, Mongólia, Ruanda e Timor Leste) conseguiram alcançar a meta da ONU. Outras 39 nações registraram "progressos significativos", afirmou Lale Say.

Os maiores avanços aconteceram no leste da Ásia, com uma redução de 72% da mortalidade materna entre 1990 e 2015. A África Subsaariana continua sendo a região mais afetada, com 66% dos casos (duas mortes em cada três), segundo a OMS. Apesar do número, a situação na região melhorou e a taxa de mortalidade caiu 45% em 25 anos (de 987 mortes para cada 100.000 nascimentos a 546).

Nos países desenvolvidos, a mortalidade materna caiu 48%. Apesar dos avanços, a ONU estabeleceu uma nova meta: menos de 70 mortes para cada 100.000 nascimentos até 2030.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA