Conheça tipos de lipo disponíveis e vantagens e desvantagens de cada técnica

Associação do laser à lipoaspiração pode facilitar o procedimento e diminuir a flacidez, mas resultado,a longo prazo, é similar ao de outras técnicas

por Carolina Cotta 06/11/2015 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução Internet - http://realtalkplasticsurgery.com
(foto: Reprodução Internet - http://realtalkplasticsurgery.com)
A opção por uma lipoaspiração não deve ser uma escolha simples. O procedimento precisa ser feito em ambiente hospitalar e com médico especializado, com treinamento e experiência. Além disso, é preciso saber as vantagens e desvantagens das três técnicas disponíveis: a lipoaspiração convencional, a vibrolipo e a lipolaser ou laserlipólise.

Clique na imagem para ampliá-la


Segundo o cirurgião plástico Rogério Matoso, os resultados das três técnicas, quando comparados a longo prazo, são basicamente os mesmos, porém, em sua opinião, quando se une a tecnologia do laser à lipoaspiração, é possível oferecer ao paciente resultados eficientes associados a uma recuperação mais rápida e menos traumática, permitindo que ele retorne às suas atividades laborais o mais breve possível.

Associar o laser à lipoaspiração convencional, para Gabriel Gontijo, presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia, é uma forma de otimizar e facilitar o procedimento. “Mas tem médico que não precisa, por fazer muito bem-feito mesmo sem o recurso, por não gostar ou mesmo por não ver vantagens em recorrer ao laser para ajudar na lipoaspiração”, pondera.

O laser, por ser uma luz, promove um calor dentro da célula de gordura, fazendo com que ela fique mais liquefeita. Dissolvida, a aspiração da gordura é facilitada. “Primeiro o médico usa o laser, derretendo a gordura. Depois entra com uma cânula e aspira com mais facilidade. Isso é menos cansativo e também diminui os efeitos pós-operatórios de sangramento”, explica Gontijo.

JAIR AMARAL/EM/D.A PRESS
O cirurgião plástico Rogério Matoso mostra a cânula usada na cirurgia e diz que o uso do laser no procedimento faz com que recuperação seja mais rápida (foto: JAIR AMARAL/EM/D.A PRESS)
Após a aspiração, o laser pode ser usado novamente, promovendo a retração da pele para cima. “Isso porque ocorre uma contração do colágeno, também aquecido pelo laser. Quando se tira a gordura, o local fica um pouco flácido, e essa segunda aplicação diminui esse efeito. O laser, portanto, é bem indicado para áreas onde, além do excesso de gordura, há também excesso de pele e flacidez, como a papada e o braço”, explica.

COMO FUNCIONA
No lipolaser é usada uma cânula especial acoplada a um aparelho de laser. A área de gordura localizada a ser tratada é preparada com a infiltração subcutânea de solução fisiológica resfriada associada a adrenalina. Segundo Rogério Matoso, depois disso, é introduzida a cânula de laser por uma pequena incisão de pele.

O acionamento do laser é feito de forma segura, sob o controle do médico, por meio de um pedal. “Nessa região em que o laser trabalhou, a gordura fica dissolvida e acomodada abaixo da pele. Retiramos a cânula de laser e introduzimos uma fina cânula de lipoaspiração a vácuo para a retirada da gordura liquefeita, observando a imediata remodelação da região”, explica o especialista.

A lipolaser é mais uma das técnicas disponíveis dentro de um leque de opções para tratamento das gorduras localizadas. Para Matoso, como em qualquer técnica, o médico deve sempre fornecer aos pacientes esclarecimentos sobre quando deve ser indicada, suas vantagens, desvantagens, riscos e complicações, além dos resultados esperados.

CUIDADOS

“Como toda técnica de lipoaspiração, o lipolaser também pode ter suas complicações, sendo a mais temida a queimadura de pele e tecidos. Existem parâmetros de calibragem e de segurança durante a realização do procedimento que devem ser respeitados. Portanto, a lipoaspiração deve ser feita em ambiente hospitalar, por ser um procedimento invasivo”, alerta.

Um paciente que opta pela lipolaser deve se informar se o médico tem o devido conhecimento e domínio da técnica. “A grande maioria dos cirurgiões plásticos que fazem a lipolaser já utilizaram, no passado, outras técnicas mais antigas. Nesse ponto, a experiência e a curva de aprendizado são fundamentais para o sucesso da cirurgia”, explica Matoso.

Segundo Gabriel Gontijo, embora todo médico possa realizar o procedimento, os especialistas mais habilitados são o cirurgião plástico e o dermatologista. “Mas é importante que seja um especialista bem formado, com treinamento e experiência em aspiração”, pondera. O dermatologista chama atenção para a questão da anestesia. Na lipoaspiração convencional e na lipolaser, a anestesia tumescente é a mais usada, em combinação com a sedação. Nesse método, a anestesia é aplicada diluída em uma grande quantidade de soro. “Isso tem mais vantagem em relação à anestesia geral ou à sedação. Como é injetada com soro, cria-se um meio líquido que facilita a aspiração”, diz.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA