Vidro é capaz de regenerar a pele e restaurar cicatrizes formadas por queimaduras ou acne

Um tipo especial do material, que reage ao contato com tecidos do corpo, é estudado na Universidade Federal de São Carlos para ser usado em diversas aplicações médicas

por Iracema Amaral 03/11/2015 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Ufscar/Divulgação
O vidro bioativo em diferentes apresentações: o material é estudado para auxiliar diversas áreas da medicina, que vão dos implantes dentários à fabricação de ossos artificiais (foto: Ufscar/Divulgação)
Um produto criado por pesquisadores do Departamento de Engenharia de Materiais da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) promete acabar, ou, ao menos, minimizar, com as cicatrizes provocadas por queimaduras ou acnes severas. Trata-se do F18, nome da fórmula obtida a partir do biovidro, material capaz de se ligar quimicamente aos tecidos e, assim, desencadear a regeneração da parte danificada da pele. Outra grande vantagem da invenção, dizem os autores do trabalho, é que ele apresenta chances pequenas de rejeição, como indicaram testes de laboratório.

De maneira geral, os vidros bioativos são usados para diversos fins, como procedimentos cirúrgicos e odontológicos, por atuarem na regeneração óssea. Entretanto, esses materiais cristalizam durante o processamento, o que impede a obtenção de peças 3D e fibras, restringindo o uso clínico às formas de partículas e granulados. Daí a importância do desenvolvimento do F18, uma composição vítrea que resultou em material com baixa tendência à cristalização e alta bioatividade, possibilitando a obtenção de fibras e tecidos para serem aplicados em úlceras na pele, queimaduras, lesões cutâneas, regeneração de ossos e fraturas.

A patente do novo produto foi registrada este ano e deverá passar por uma série de etapas até chegar aos pacientes, incluindo testes clínicos em humanos e a liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que uma empresa comercialize o produto.

O pesquisador Murilo Camuri Crovace, pós-doutorando do Laboratório de Materiais Vítreos (LaMav) do Departamento de Engenharia de Materiais da UFSCar, conta que a instituição já concedeu o licenciamento para três pesquisadores, incluindo ele. A invenção pode render à empresa desses pesquisadores, de acordo com avaliação de Crovace, royalties pagos pela indústria de cosméticos que variam entre 2% e 10%.

Ufscar/Divulgação
Cientistas conseguiram frear a tendência à cristalização do material (foto: Ufscar/Divulgação)
O cientista estima que o produto chegue ao mercado em dois anos, mas esse prazo pode ser maior. A professora Ana Cândida Martins Rodrigues, do Departamento de Engenharia de Materiais da Ufscar, calejada com esses trâmites burocráticos, alerta que, apesar da eficácia dos materiais, o tempo entre a patente e a comercialização de um produto costuma ser imprevisível. O certo é que, até hoje, nenhum produto desse renomado centro de pesquisa está disponível no mercado. Há patentes de 2003 que não resultaram em comercialização.

“É muito variável, depende do produto e da fase em que se encontra a pesquisa. Importa, por exemplo, se já foram realizados testes clínicos e negociação com empresas interessadas. Mas, certamente, a ordem de grandeza é de poucos a muitos anos”, ressalva Rodrigues, que comenta o fato de nos Estados Unidos, esse tempo, em média, não ultrapassar 10 anos. A professora admite também que apenas empresas grandes têm condições de bancar o trâmite necessário para emplacar um produto biomédico no mercado.

Dentes

Na UFSCar, diferentes aplicações já foram pensadas para os vidros bioativos. Há 12 anos, por exemplo, os pesquisadores registraram uma técnica que pode ajudar pacientes com hipersensibilidade dentária crônica, dor aguda desencadeada pela ingestão de alimentos e bebidas quentes ou geladas, provocada pela retração das gengivas. Chamado vitrocerâmico, o material é um biossilicato obtido pela cristalização controlada de um vidro especial, que recebe tratamento térmico.

Como é bioativo, o vidro (em pó), ao entrar em contato com fluidos corporais, como a saliva e o plasma sanguíneo, forma partículas que se unem a ossos, dentes e cartilagens. Nesse caso, ao aderir aos dentes, a substância impede a exposição da dentina depois da retração das gengivas, e o paciente deixa de sentir dor. Segundo os pesquisadores, o produto tem capacidade de curar 90% dos pacientes acometidos pelo incômodo, como mostraram testes feitos da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto.

Outra aplicação possível do vitrocerâmico está na área de implantes dentários. O biossilicato diminui o tempo de espera entre a fixação do parafuso de titânio e a fixação da prótese que substitui o dente original. De acordo com Murilo Crovace, esse tempo, hoje, em média de seis meses, cai pela metade. Ou seja, o paciente ficaria menos tempo em uma situação que causa desconforto e constrangimento. Esse produto, como os demais citados, ainda não está disponível para comercialização. Um longo processo também o espera até que possa ser usado pelos dentistas especializados.

Ossos e olhos
Os biovidros foram usados ainda no desenvolvimento de ossos artificiais para microimplantes no ouvido médio humano. Feitas à base de silicato, as peças podem substituir o estribo, a bigorna e o martelo, entre outras estruturas ósseas. São próteses de 1mm a 2mm de espessura, implantadas em pacientes com deficiência auditiva causada por infecções ou doenças. Um dos diferenciais desses produtos, em comparação com os feitos a partir de outros materiais, é que o tamanho da peça pode ser ajustado à cavidade intra-auricular do paciente no momento da cirurgia. As próteses foram avaliadas com bons resultados em um estudo clínico realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto com 29 pacientes.

O mesmo material também pode ser usado para implantes oculares, substituindo os chamados olhos de vidro. A bioatividade possibilita a aderência aos tecidos circundantes ao olho, fazendo com que a prótese acompanhe os movimentos do olho preservado — os produtos convencionais são fixos. “Com a prótese que criamos, o paciente recupera o movimento do olho, porque o biossilicato se liga aos tecidos ao redor da cavidade ocular”, explica Murilo Crovace.

A proposta dos pesquisadores ao desenvolver a aplicação desse material vitrocerâmico é não só proporcionar uma melhor resposta biológica, com maior conforto e melhor padrão estético, como também garantir menor custo. O implante orbital está sendo avaliado em um estudo clínico, realizado por pesquisadores do Departamento de Oftalmologia da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp), câmpus Botucatu, com cerca de 30 pacientes que passaram por procedimentos de remoção de um dos olhos em função de traumas graves. De acordo com um relatório preliminar, feito pela equipe cirúrgica responsável pelo teste, até o momento nenhum dos pacientes apresentou complicações pós-operatórias ou sinais de inflamação, abertura de sutura e extrusão do implante mais de seis meses depois da cirurgia.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA