Tensegridade muscular: conheça o conceito que vai te ajudar a prevenir lesões

A interação entre músculos e ossos deve estar em harmonia para evitar lesões, o que pode ser conseguido com exercícios físicos adequados

por Ludymilla Sá 19/10/2015 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Cristina Horta/EM/D.A. Press
Albert Nunes educador físico, com a aluna Rinara Moura Franca (foto: Cristina Horta/EM/D.A. Press)
Quando ouvimos falar sobre tensegridade nos remetemos logo à física. O termo é uma propriedade daquela ciência que se aplica em materiais cujos componentes usam da tração e da compressão de forma a lhes proporcionar estabilidade e resistência. Em linhas gerais, o conceito é descrito por uma relação entre forças contrárias, em que a tração é contínua e a compressão descontínua, como um balão cheio de ar – as paredes do balão agem em tensão, enquanto as moléculas de ar agem comprimindo-as. Mesmo sendo o balão feito de material fino, fraco e instável, é isso que dá a ele estabilidade. Nos seres humanos é mais ou menos da mesma forma.


O conceito da tensegridade também pode ser aplicado quando nos referimos à interação entre músculos e ossos. Se essa interação não for harmoniosa, algum tipo de lesão pode ser desenvolvido a curto ou longo prazo, causando alterações posturais. Por isso, é tão importante a prática de exercícios físicos adequados e de forma consciente, segundo o educador físico Albert Nunes, especializado em musculação e condicionamento físico.

 

Ele explica que os músculos atuam em uma tração contínua e os ossos, em uma compressão descontínua, dando estabilidade estática e dinâmica às partes do corpo e ao movimento. Se ocorrer algum desequilíbrio entre essas duas estruturas, é provável que não ocorra uma congruência articular adequada. A ausência dessa harmonia pode comprometer a locomoção, a partir do momento em que há uma sobrecarga em estruturas importantes do corpo como tendões e ligamentos. “Na realidade, em aspectos gerais, o ser humano em si tem alterações na sua forma, que é algo próprio do dia a dia. A rotina faz isso, criando um padrão que causa um desalinhamento postural. E toda vez que tiver esse desarranjo, aparecem dores e, consequentemente, lesões.”

 

De acordo com Nunes, o exercício adequado deve melhorar o padrão postural alterado por meio do trabalho de força, flexibilidade e melhora da consciência corporal. “Muitas pessoas não sabem de suas alterações posturais e as que as conhecem não sabem corrigir ou lidar com elas. Minha função é harmonizar tudo isso.”

 

Qualquer modalidade de exercício que proporciona um correto posicionamento das estruturas ósseas durante a execução, como musculação, aulas de ginástica em grupo, atividades na água e esportes de uma forma geral destacam-se como sendo fundamentais para manter a tensegridade muscular. O educador físico acrescenta que essas atividades garantem segurança durante a realização e um desempenho muscular adequado, preservando as articulações.

 

Todos, entretanto, devem ser feitos sob orientação de um profissional que tenha conceitos básicos de cinesiologia, biomecânica e postura. Só assim, é possível fazer um trabalho adequado, que inclui intervenções diretas e indiretas. “O objetivo é fazer uma harmonização e, pelo menos, minimizar as dores. Fazemos uma intervenção direta no foco do problema durante os treinos e reorganizamos a semana da pessoa, porque ela terá tarefas que não serão presenciais. Treinos presenciais uma ou duas vezes na semana não são suficientes para conseguir esse equilíbrio”, afirma o especialista.

 

MOVIMENTO REPETITIVO

 

Essas alterações são mais comuns em idosos,em razão do processo natural do envelhecimento, mas há muitos jovens que têm apresentado problemas de tensegridade muscular, segundo Nunes. “Normalmente, é consequência de padrão de movimento repetitivo, relacionado com alguma atividade ou função que ele exerce. E como essa gente mais nova não se importa muito com essa parte postural, o que é algo natural da idade, tem sido acometido por esse tipo de problema.”

 

E para se chegar ao exercício ideal é necessária uma análise de padrão de movimento. Essa análise, segundo o especialista, deve ser feita na primeira avaliação. “Só assim, o profissional capacitado vai verificar se o padrão de movimento da pessoa está alterado. Depois, ele definirá quais os exercícios serão necessários para harmonizar a interação entre músculos e ossos.”



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA