Estudo mostra que ouvir heavy metal combate depressão; preparamos uma lista para te inspirar

Além de inspirar bons pensamentos e acalmar, musicoterapia é útil também para tratar bipolaridade, esquizofrenia e estresse pós-trauma

por Marcelo Ernesto 21/09/2015 10:29

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paulinho Miranda / EM / D.A Press
Guitarras pesadas inspiram pensamentos positivos e reduzem sensação de tristeza (foto: Paulinho Miranda / EM / D.A Press)
Que a música é capaz de ajudar a mudar nossos sentimentos não chega a ser novidade, mas o poder de cada ritmo, isso sim, pode surpreender algumas pessoas. Geralmente associado a um clima mais sombrio – principalmente por ter repertório com letras mais intensas e pelo visual de bandas e dos fãs do gênero, que curtem, em sua maioria, roupas pretas –, o heavy metal foi apontado em estudo como sendo importante aliado no combate à depressão. E mais: ainda foi caracterizado como inspirador de pensamentos positivos e redutor da sensação de tristeza. O poder dos acordes pesados da guitarra foi verificado pelas psicólogas Genevieve Dingle e Leah Sharman, da Universidade de Queensland, na Austrália, e veiculado na publicação acadêmica Frontiers in Human Neuroscience.

O experimento contou com 39 pessoas, com idades entre 18 e 34 anos, que relataram, durante 16 minutos, situações que as deixavam irritadas. Logo na sequência, os participantes tinham a opção de escutar uma música, escolhida por cada um, ou ficar em silêncio. O heavy metal foi a escolha da maioria, que relatou ter ficado mais calma e até inspirada, contrariando a ideia de que, por ser uma música mais “intensa”, poderia provocar a sensação de irritabilidade ou agressividade.

“Descobrimos que a música regulou a tristeza e aumentou as emoções positivas. As canções os ajudaram a explorar a gama de emoções que sentiam, e também os fez mais ativos e inspirados”, afirmou Leah ao jornal The Independent. E completou: “Os resultados mostram que os níveis de hostilidade, irritabilidade e estresse diminuíram quando a música foi introduzida”.

No entanto, esse resultado positivo alcançado no tratamento de pacientes com depressão não é exclusividade do heavy metal. Segundo a coordenadora do curso de musicoterapia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Cybelle Loureiro, o mais importante para o sucesso é que a escolha e as preferências do paciente sejam respeitadas. “A bagagem musical do paciente é que determina o que vai ser usado. É o paciente que escolhe o som a ser tocado, quais as composições que mexem com ele, tudo isso é considerado”, diz. Durante as sessões, segundo ela, são apresentados ao paciente outros estilos musicais, sempre a partir do que ele aprove. “Ele vai trazer o que ele gosta, as preferências, aí vou analisar se o estado é agitado, se é negativo”, comenta.

A terapia e o tratamento feitos com música são usados para que o indivíduo perceba não só sua condição psicológica, mas também física. “Os acordes são usados para que a pessoa perceba também seu ritmo. A depressão acaba influenciando a forma de andar e até sua consciência corporal. Cada um tem seu ritmo e com a musicoterapia a gente ajuda o paciente a retomar essa consciência temporal do corpo, ritmicidade”, conta.

Cybelle conta que uma das formas de trabalho com a terapia é usar a música em grupo. Os efeitos e as patologias que podem ser tratadas vão além da depressão. Casos de bipolaridade, esquizofrenia e estresse pós-trauma são alguns dos casos que podem ter a terapia a ser favor. Ela alerta, porém, que o tratamento com medicamentos não é descartado e que as duas formas caminham juntas. O encaminhamento para a musicoterapia é feito pelo responsável que está acompanhando o paciente. “É uma forma de complementar o tratamento que é feito com o médico.”, ressaltou.

O uso da musicoterapia no tratamento da depressão e outras patologias já ocorre há algum tempo e apresenta bons resultados. A eficácia da música na vida dos indivíduos há tempos é alvo da atenção de cientistas. A música acalma, anima, facilita o aprendizado e a concentração, além de desenvolver os sentidos e promover interações. Estudos já comprovaram a capacidade que uma boa harmonia tem de provocar uma condição biológica, imunológica e cerebral mais equilibrada. A música pode controlar reações emocionais, facilitar o entendimento de informações cognitivas e induzir a produção de dopamina e serotonina, substâncias relacionadas ao prazer e ao bem-estar. As notas musicais seriam capazes de aumentar a plasticidade cerebral.

“Para nós, a coisa mais importante para a musicoterapia é, a partir de uma avaliação das habilidades do indivíduo que o identifiquem, trabalhar com essas habilidades. É importante deixar claro o que está ocorrendo, que ele tem poder, tem julgamento. Nunca colocar e nem fazer nada que você não tenha certeza de o paciente ser capaz de fazer com sucesso”, diz Cybelle Loureiro sobre a participação de pacientes com depressão nas sessões de musicoterapia.

(Colaborou Daniel Seabra)

Preparamos uma lista de músicas do estilo para inspirar:





Terapia com música

A terapia nasceu no pós-guerra a partir da necessidade de melhorar os aspectos emocionais dos combatentes. Muitos apresentavam distúrbios mentais provocados pelas batalhas. No Brasil e na América Latina, a prática chegou nos anos 1960, mas só mais recentemente tem conquistado o reconhecimento da área médica, apesar de muitos dos seus benefícios já terem sido comprovados cientificamente.


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA