Conheça a antiginástica que promete alinhar mente e corpo

Método é uma pedagogia física que trabalha bloqueios de vários tipos. Na prática, lembra uma aula de alongamento, com um efeito muito transformador para os praticantes

por Revista do CB 14/09/2015 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
 Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
Claudia Chabalgoity aderiu à abordagem há 2 anos e percebe diversos benefícios (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Com foco em autoconhecimento e equilíbrio, a antiginástica traz um conceito diferente de atividade física. Sobretudo, a atividade não é apenas um exercício — é um trabalho pedagógico. As sessões de antiginástica trazem uma variedade de movimentos suaves, que proporcionam consciência corporal e despertam questões psicológicas.

A ideia é que a pessoa relaxe totalmente a musculatura superficial e profunda para corrigir defeitos posturais. “Os músculos são as paredes do nosso corpo. Veem tudo e não esquecem nada”, define Isabel Nabuco, profissional de antiginástica e terapia alternativa. Aprofunda-se a percepção de cada membro e trabalham-se os músculos das costas. “Lá encontramos as tensões e as fibras. É preciso liberar o estresse para colocar o corpo em ordem e desenvolver a musculatura”, analisa a especialista.

Conhecida desde a década de 1970, a técnica foi divulgada primeiramente pela autora francesa Thérèse Bertherat. Ela escreveu o best-seller O corpo tem suas razões e mais cinco obras sobre o tema. Hoje, a técnica é aplicada em mais de 20 países. Qualquer pessoa pode aderir, a não ser que tenha alguma limitação séria para exercícios em geral.

Claudia Chabalgoity, 44 anos, é ex-atleta e viu sua vida mudar após a antiginástica. Ela conta que conheceu a abordagem por meio de uma amiga, há 2 anos. “Eu era atleta e, claro, sofria muita pressão. Tem a questão dos traumas corporais também”, conta. A maior dificuldade era a ansiedade. “Eu vim de um ritmo muito acelerado. Sofri muito com essa cobrança que todo atleta tem. Além (do alívio) das tensões musculares, eu mudei muito quanto à ansiedade”, afirma Claudia.

Sobre o autoconhecimento, Chabal garante: “Eu já tinha a questão de me conhecer porque o esporte trabalha isso em você. Mas, com essa pedagogia, eu encontrei uma nova forma de me enxergar. Eu conheci meus limites”. A atividade também ajudou a diminuir as dores no corpo e ela diz que, em termos de relaxamento, foi a melhor atividade que já experimentou. “Eu me sinto mais leve, mais equilibrada, até mesmo para outras atividades. Faço caminhadas e exercícios de baixo impacto. Inclusive, sono mudou. Hoje, durmo muito melhor.”

Principais benefícios

  • confiança
  • consciência corporal
  • autoestima
  • autoconhecimento
  • melhor qualidade do sono
  • melhor respiração
  • melhor circulação
  • postura
  • preparação para outras atividades físicas
  • redução da ansiedade


Indicação para

  • hérnia de disco
  • dores musculares
  • problemas posturais
  • artrite
  • enxaqueca

Origem contestadora
O nome “antiginástica” gera muita confusão. Pois saiba que a antiginástica não é contra a ginástica. Muito pelo contrário. O termo foi criado na época da antipsiquiatria, quando os herdeiros do maio de 1968 francês questionavam padrões sociais. É importante entender a história para aprender a essência da pedagogia.

Thérèse Bertherat era contra a abordagem corrente dos exercícios físicos e resolveu desenvolver um novo modo de alongamento. Para a criadora, o importante não era adestrar o corpo nem esculpir uma forma. Em vez disso, queria resgatar a forma natural do corpo. “Thérèse criou o termo pois não aceitava o corpo sendo tratado como uma máquina. Muitas vezes, impomos um ritmo que nossa cabeça suporta, mas o físico não acompanha. É uma ligação direta com o psiquismo”, detalha Isabel Nabuco.

A frequência é uma diferença notável. A antiginástica é praticada apenas uma vez por semana. “É um trabalho de consciência corporal, com o objetivo de colocar o corpo no eixo”, explica. “Além das cadeias musculares, olhos, boca e língua são trabalhados. Durante as sessões, conversamos bastante. Isso faz muita diferença no resultado final”, afirma Nabuco.

Outra ideia central na pedagogia é que existe uma memória corporal, ainda que as células se renovem constantemente e as lesões seja efetivamente curadas. Trata-se de um mecanismo regido pela mente. “Algumas pessoas não conseguem fazer alguns exercícios por fatores emocionais. A antiginástica trabalha nesses pontos de bloqueio”, explica o ortopedista Julian Machado. “Existem doenças que comprovam como o corpo comanda a mente. A síndrome do pânico é um exemplo claro disso”, complementa o médico.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA