Contato com a natureza melhora o sono de idosos

Pesquisa analisou dados referentes a dificuldades para dormir de 255.171 participantes de um grande levantamento feito pelo Centro de Controle de Doenças (CDC) norte-americano

por Correio Braziliense 01/09/2015 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
TORU YAMANAKA / AFP / 10/07/2015
Frequentar áreas verdes favorece a prática de exercícios, que ajudam na hora dormir (foto: TORU YAMANAKA / AFP / 10/07/2015 )
O contato frequente com áreas verdes — parques, praias e até mesmo um bom quintal — ajuda os idosos a dormirem melhor. A relação foi constatada por cientistas da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, e detalhada na edição mais recentes da revista Preventive Medicine. “Estudos mostram que o sono inadequado está associado a declínios na saúde mental e física, à função cognitiva reduzida e ao aumento da obesidade. Este de agora prova que a exposição a um ambiente natural pode ajudar as pessoas a terem a noite de que precisam para se proteger”, disse, em comunicado, Diana Grigsby-Toussaint, líder do estudo.

Os cientistas chegaram à conclusão após analisar dados referentes a dificuldades para dormir de 255.171 participantes de um grande levantamento feito pelo Centro de Controle de Doenças (CDC) norte-americano. Também consideraram um índice que classifica as áreas geográficas do país conforme as características naturais e a incidência de raios solares. Segundo Grigsby-Toussaint, a luminosidade interfere no funcionamento do ciclo circadiano, que ajusta o relógio biológico do corpo, controlando, por exemplo, o apetite e o sono.

A tese dos pesquisadores é a de que, além do efeito sobre esse mecanismo natural, ter mais contato com áreas verdes está associado a maior disponibilidade para as atividades físicas, e a prática de exercícios prevê padrões de sono benéficos. A resposta mais comum dos entrevistados foi a de que tinham dormido mal menos de sete dias por mês. “Curiosamente, os indivíduos que relataram ter entre 21 a 29 dias de sono insuficiente foram aqueles que tiveram menor acesso a áreas verdes e amenidades naturais em comparação aos que relataram menos de uma semana de sono ruim”, conta Grigsby-Toussaint.

Para os homens, a relação entre o contato com os espaços naturais e menor problemas para dormir foi ainda mais forte. A líder do estudo acredita que as mulheres sejam menos beneficiadas porque, por motivos de segurança, têm receio de frequentar esses ambientes. Grigsby-Toussaint propõe alternativas: “Nossos resultados fornecem um incentivo para que lares e comunidades com muitos aposentados projetem edifícios com mais iluminação, criem trilhas e espaços de jardim e forneçam áreas ao ar livre seguras que estimulem a atividade física entre os idosos”.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA