Ortopedistas mineiros adaptam técnica cirúrgica para tratar artrose do dedão do pé de forma menos invasiva

Pacientes ganham com tempo de recuperação e menos complicações

por Carolina Cotta 24/08/2015 10:38

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Jair Amaral/EM/D.A Press
Especialista em cirurgia do pé, o ortopedista Wagner Vieira da Fonseca desenvolveu a artrodese interfalangeana do halux por artroscopia (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Pacientes com artrose ou deformidades grosseiras do Halux, como é chamado o dedão do pé, podem se beneficiar de uma técnica inédita desenvolvida pelo ortopedista Wagner Vieira da Fonseca junto com a equipe do Departamento de Cirurgia do Pé e Tornozelo do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o qual coordena. A artrodese interfalangeana por artroscopia é uma cirurgia para a fusão, por meio de parafusos, das duas falanges do Halux. É indicada para pacientes que tiveram um desgaste da cartilagem e, por isso, sofrem com dores.

A técnica foi apresentada no último Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia do Pé e Tornozelo, realizado na capital mineira no primeiro semestre. Segundo Wagner, antes do desenvolvimento da nova técnica, a única opção era tratar com a artrodese interfalangeana tradicional, uma cirurgia aberta. Mas, o procedimento por artroscopia traz uma série de benefícios para o paciente. Como é possível evitar cortes maiores para o acesso cirúrgico, diminuem-se os riscos de problemas de pele, necrose, infecção e trombose entre outros. Além de menos agressiva, a recuperação é mais rápida, já que agride menos os vasos sanguíneos da região do dedo.

A nova técnica também dispensa o uso de próteses articulares, sendo opção para casos antes sem solução. Para Wagner, os custos também são bem mais atraentes do que recorrer a próteses. “Basicamente, paga-se pela cirurgia e pelas lâminas de ressecção da cartilagem, que custam em torno de R$ 1 mil. Mas os convênios cobrem esses custos”, garante o especialista em cirurgia do pé e tornozelo. O procedimento, contudo, não é coberto pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas tem sido adotado no Hospital das Clínicas, beneficiando pacientes que não teriam condições de pagar. O procedimento dura apenas uma hora.

INOVAÇÃO
A artrodese não é uma técnica nova. Segundo Rafael Vilela, ortopedista especializado em cirurgia do pé, ela consiste na fusão cirúrgica de uma articulação, seja do joelho, tornozelo, cotovelo ou punho. “Qualquer região articular pode se beneficiar do procedimento. Recente é a realização da técnica por meio de artroscopia, quando microcâmeras auxiliam na limpeza da articulação. Só depois de retirada toda a cartilagem é possível fazer a fusão do osso com o parafuso. A equipe do HC é uma das pioneiras na artrodese metatarso-falangiano do halux, para tratar o halux valgus (joanete) com artrite reumatóide associada e artroses pós traumáticas.

Para a artrodese interfalangeana por artroscopia, entretanto, não há registros na literatura médica. Segundo Wagner, a lógica é a mesma, a inovação foi recorrer a um aparelho, o fixador externo, que funciona como um mini-distrator da articulação. “O local tratado é muito fechado, a articulação entre as duas falanges do halux. Não era possível entrar com material de vídeo nesse segmento. O que fiz foi recorrer a esse fixador externo, que já era usado nas artrodeses do tornozelo. Ele permitiu abrir a articulação e colocar dois pinos em cada falange. Com ele, consigo abrir o espaço articular sem precisar abrir a articulação, como na cirurgia convencional.”

Além do fixador externo, a técnica exige equipamentos específicos. A ótica usada, por exemplo, é de 2,7mm, enquanto a usada nas outras articulações chega a 4mm. Mas há no mercado óticas de até 1,9mm. A lâmina também é especial, chamada lâmina de shaver, bem menor. Para o procedimento são feitos dois pequenos cortes, entre 1,2mm e 2mm, um para a entrada da ótica e outro para a entrada da lâmina que vai retirar a cartilagem. Apesar de a articulação tornar-se fixa com a fusão das duas falanges, a pessoa não perde a função, conseguindo mexer o dedo e andar sem problemas.

FUTURO
Os equipamentos necessários para a artrodese interfalangeana por artroscopia são os mesmos utilizados nos Estados Unidos e Europa para cirurgias similares. O acesso à tecnologia, portanto, não seria o dificultador da disseminação da técnica no Brasil. Nossa dificuldade, segundo Wagner, é a prática. “Nos Estados Unidos, a legislação permite uso de cadáveres para treinamento com mais facilidade. Muitas vezes, a solução para desenvolver uma nova técnica é sair e treinar em centros americanos, com grandes despesas. Se o Brasil oferecesse mais incentivo para treinamento, poderíamos ter mais técnicas surgindo aqui”, lamenta.

Fotos: Wagner Fonseca/Divulgação
Radiografia de pé com deformidade grave do Halux (foto: Fotos: Wagner Fonseca/Divulgação )


Fotos: Wagner Fonseca/Divulgação
Artrodese interfalangeana por artroscopia, facilitada pelo fixador externo (foto: Fotos: Wagner Fonseca/Divulgação)


Fotos: Wagner Fonseca/Divulgação
Raio x da fusão das falanges com parafuso mostra o sucesso do resultado (foto: Fotos: Wagner Fonseca/Divulgação)


Fotos: Wagner Fonseca/Divulgação
Aspecto depois da intervenção com a nova técnica (foto: Fotos: Wagner Fonseca/Divulgação )


Fotos: Wagner Fonseca/Divulgação
Artrodese interfalangeana tradicional, uma cirurgia aberta (foto: Fotos: Wagner Fonseca/Divulgação)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA