Mineiras se previnem menos contra câncer de colo de útero do que média nacional

Entre as mulheres de 25 a 64 anos, 77,1% declararam ter feito o exame preventivo nos três anos anteriores à pesquisa. Média nacional é de 79,4%

por Luiz Fernando Motta 21/08/2015 11:09

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcos Michelin/EM/D.A Press
(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)

Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em convênio com o Ministério da Saúde revelou que o percentual de mulheres que se previnem contra o câncer de colo de útero é menor do que a média nacional. De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde divulgada nesta sexta-feira, 77,1% das mulheres que têm entre 25 e 64 anos revelaram ter feito o exame preventivo, enquanto o índice que leva em conta toda a população feminina do país chega 79,4%.

O estudo também revelou outros dados sobre a saúde da mulher. O IBGE mostra que 73,7% das mineiras que têm 45 ou mais já entraram na menopausa. No Brasil, o percentual é menor, chegando a 69,8%. Nesse quesito, a pesquisa leva em conta somente as mulheres que não fizeram cirurgia de retirada do útero.

Quanto ao exame de mamografia, as mineiras se mostraram mais atentas. Em Minas, entre as entrevistadas de 50 a 69 anos, 13,3% relataram nunca ter feito o exame, enquanto a média nacional atinge 18,4%. No mesmo grupo, 62,4% das mineiras e 60,0% no Brasil relataram que fizeram a mamografia nos últimos dois anos.

O índice de mulheres que usaram algum método para evitar a gravidez também é superior em Minas. Entre as mulheres de 18 a 49 anos, 66,9% usaram algum contraceptivo, enquanto a média nacional é de 61,1%. Do total de mulheres de 18 a 49 anos, 66,2% em Minas Gerais e 69,2% no Brasil já ficaram grávidas e 13,4% em Minas Gerais e 15,2% no Brasil relataram ter tido algum aborto espontâneo. A idade média da primeira gravidez foi de 22 anos em Minas Gerais e 21 anos no Brasil.

Saúde dos idosos

O estudo traz ainda dados sobre a população idosa. Entre as pessoas com 60 anos ou mais em Minas, 8,1% relataram algum tipo de limitação funcional para realizar as Atividades de Vida Diária (AVD), como comer, tomar banho, ir ao banheiro, vestir-se, andar em casa de um cômodo para outro no mesmo andar, e deitar-se. No Brasil, esse
percentual é de 6,8%.

Excesso de peso


Em Minas Gerais, entre as pessoas de 18 anos ou mais de idade, 53,9% tinham excesso de peso e 17,2% foram classificados como obesos. No Brasil esses indicadores foram de 56,9% com excesso de peso e 20,8% de classificados como obesos.

Considerando a medida da cintura nessa mesma população, 33,8% em Minas Gerais e 37,7% no Brasil apresentaram a circunferência aumentada, sendo maior entre as mulheres tanto no estado, 48,9% (17,2% para os homens), quanto no total do país, 52,1% (21,8% para os homens). A circunferência da cintura é considerada aumentada, segundo a OMS, quando a medida for maior ou igual a 88 cm para as mulheres e maior ou igual a 102 cm para os homens.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA