Fundação coloca em contato famílias de crianças com deficiência física e pessoas que têm impressora 3D

O francês Maxence, 6 anos, que nasceu sem a mão, ganhará um prótese impressa em 3D

por AFP - Agence France-Presse 17/08/2015 17:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
AFP PHOTO / JEFF PACHOUD
Garoto que nasceu sem a mão ganha uma impressa em 3D (foto: AFP PHOTO / JEFF PACHOUD )
Maxence, de seis anos e que nasceu sem a mão direita, se converterá nesta segunda-feira (17/08) na primeira criança francesa com uma prótese impressa em 3D, uma tecnologia barata e lúdica que não conta com nenhum aval médico.

Desde 2013, uma fundação americana, a e-NABLE, lançou uma rede filantrópica que coloca em contato pessoas que têm impressoras 3D com famílias com filhos que não possuem algum dedo ou mão. Até hoje, foram produzidas mais de 1.500 próteses através desta plataforma. "Foi assim que entramos em contato com Thierry Oquidam. Ele já havia produzido gentilmente este tipo de prótese para crianças no exterior e queria beneficiar uma criança na França", conta o pai de Maxence, Eric Contegal.

Maxence forma parte das centenas de crianças que nascem todos os anos na França com uma malformação em um ou vários membros. Em seu caso se trata de agenesia, ausência de formação de um membro durante o desenvolvimento embrionário.

Desde que nasceu, este menino da localidade de Cessieu, entre Lyon e Grenoble (leste), conseguiu encontrar soluções sozinho para viver sem a mão direita. Seus pais decidiram, quando nasceu, não colocar nenhuma prótese médica.

Agora, esta prótese 3D lhe permitirá experimentar novas atividades, sobretudo porque é muito fácil de usar. Não é necessária nenhuma operação. A prótese se acopla com um velcro e é utilizada tão facilmente quanto uma luva. "Agora terá uma mão da cor que gostar, de super-herói (com um grande "M" de "superMax"), que poderá tirar ou colocar quando quiser. Vai ser divertido durante as brincadeiras com os colegas", afirma sua mãe, Virginie.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA