Conheça as modalidades e os benefícios do slackline

Mais força muscular, flexibilidade, consciência corporal e coordenação motora. Esses são alguns dos benefícios do slackline, modalidade que começa a ganhar as academias

por Renata Rusky 24/07/2015 14:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Bruno Peres/CB/D.A Press
(foto: Bruno Peres/CB/D.A Press)

Nada como um esporte ser encarado também como prática de lazer. Em Brasília, não é raro se deparar com pessoas se equilibrando sobre uma fita. O Parque da Cidade virou um dos pontos favoritos de quem pratica slackline. De acordo com o professor de educação física e praticante do esporte há seis anos Guilherme Caetano, a modalidade pode ser encarada como meio ou como fim: “Quem faz como fim está interessado no desafio, quer andar sobre fitas cada vez mais longas, fazer manobras etc; quem faz como meio aproveita a fita como ferramenta para trabalhar todo tipo de capacidade física, força, resistência, flexibilidade equilíbrio e outros”.

Segundo Guilherme, por um lado, a prática do slackline como atividade física tem diversos benefícios: melhora da coordenação motora, mais consciência corporal e propriocepção (capacidade em reconhecer sem utilizar a localização espacial do corpo, sua posição e orientação, a força exercida pelos músculos e a posição de cada parte do corpo em relação às demais) e, claro, equilíbrio. “Todas essas capacidades são intimamente ligadas, mas considero importante ressaltar cada uma delas”, explica.

Por outro lado, o slackline se encaixa no modelo fitness das academias quando usado para melhorar capacidades físicas e é cada vez mais comum encontrar adeptos da fita para esse fim. “Por ser um esporte divertido e totalmente funcional se encaixou bem nas necessidades atuais desse mercado. Por esse motivo, é uma ótima opção pra quem quer fazer uma atividade física divertida e com resultados positivos no dia a dia”, explica Guilherme. Para isso, ele deixa claro que é necessário um profissional criativo, com conhecimento na área. O professor exemplifica que é possível fazer flexões de braço e agachamentos sobre a fita.

Fique por dentro
Highline

O Highline é praticado em alturas superiores a 5 metros. Essa modalidade requer muita experiência e conhecimento de alpinismo, pois é necessário utilização de equipamentos de segurança e conhecimento técnico de sistema de redução. Além de preparo físico e concentração, o controle mental é fundamental para manter em equilíbrio sentimentos como medo, ansiedade e adrenalina em grandes alturas.

Trickline
É a modalidade mais praticada do slackline. Geralmente, é executado a partir de 60cm do chão, o trickline permite a realização de manobras de saltos e equilíbrio extremo, exigindo do praticante bastante preparo físico e treino.

Longline
O longline é a prática em fitas com comprimento a partir de 20 metros. Exige do praticante bastante condicionamento físico, pois quanto maior a distância percorrida, mais força muscular e equilíbrio são necessários. Além disso, requer bastante concentração para se manter na fita.

Waterline
O waterline é a prática do slackline sobre a água. Pode ser feita em piscinas, rios ou praias. É a modalidade mais refrescante e descontraída, na qual podem ser realizadas diversas manobras do trickline. As quedas são sempre divertidas.

Viola Júnior/Esp. CB/D.A Press
O waterline é uma das modalidades do slackline (foto: Viola Júnior/Esp. CB/D.A Press)


Pelo Brasil
Guilherme é dos que fazem o esporte por ele mesmo. Antes, praticava mais o chamado trickline, modalidade em que são feitas manobras sobre a fita. Mas as frequentes lesões o impediram ele de continuar. Ele se interessou pelo highline, em que a fita é colocada nas alturas, sem forçar tanto os ligamentos lesionados. Ele e a namorada, Débora Salles, se conheceram justamente por causa do interesse dela pelo slackline. “Eu aprendi tudo com ele”, comenta. Ela conta que não há como não sentir medo: “A questão é exatamente se controlar e lidar com as próprias emoções”.

A aventura se tornou um projeto profissional. O casal resolveu ajudar os atletas do país. “Não havia um registro das vias no Brasil. Quem quisesse ir atrás, como nós, enfrentaria a dificuldade de conseguir informações a respeito. Decidimos ir atrás e catalogar cada uma delas”, conta Guilherme. A princípio, viajariam sozinhos para Minas Gerais a fim de conhecer alguns pontos de lá. Quando a viagem virou um projeto, resolveram convidar dois amigos, um atleta e um atleta fotógrafo profissional. O quarteto intitulado High na Estrada (www.highnaestrada.com) passou 27 dias viajando em busca de picos — em muitos deles, dormiram em barracas no meio do mato. A próxima viagem, segundo Débora, será, provavelmente, pelo Rio de Janeiro.

O terceiro atleta veio com experiência australiana. Ele estava prestes a viajar para o país quando conseguiu dar os primeiros passos no slackline. Resolveu continuar com o esporte por lá. Tentou fazer nas alturas em Sidney, mas não teve coragem. Quando voltou, estava instigado: “Procurei o Guilherme, que era quem sabia tudo de slackline aqui e ele me ensinou muito”. Fábio coleciona inúmeras medalhas importantes como lutador de kung-fu, o que, garante, lhe deu mais consciência corporal para andar sobre a fita e fazer manobras. Quando foi convidado para o High na estrada, ficou honrado pela confiança depositada nele.

Como pretendiam registrar cada lugar, fazer croquis, especificar as coordenadas geográficas, a forma de chegar, a altura etc., acharam interessante também produzir fotos de qualidade. Haviam conhecido o fotógrafo Henrique Domingos por acaso. Ele andava de longboard pelo Eixão e se deparou com o casal e outras pessoas fazendo slackline. “Tirei umas fotos da galera e acabei me enturmando, mas não cheguei a andar na fita”, conta.Henrique juntou-se ao grupo para registrar em imagens as vias e a experiência deles. Há cerca de três semanas, experimentou pelo highline pela primeira vez e está tentando treinar com certa frequência.

Para Fleury, o lugar mais marcante foi a Cachoeira do Tabuleiro, situada na serra do Espinhaço, no município de Conceição do Mato Dentro. É mais alta de Minas Gerais e a terceira maior do Brasil. São 273 metros de queda-livre e na parte alta da cachoeira existem outras quedas e lagos e, na parte de baixo, existe um grande poço ladeado por imensos blocos de pedra com 18 metros de profundidade.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA