A cachorra que ri

13/07/2015 18:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Son Salvador
(foto: Son Salvador)


Hoje a chamam de Pérola, mas seu nome já foi Sophia. Nasceu não se sabe onde, não tem pedigree, embora as pessoas a considerem sofisticada, educada e inteligente.

Sem julgamentos, Sophia, Pérola ou Pérola Sophia é o que é: uma cachorra.

Uma jovem cachorra de rua, que escolheu, sabe-se lá o motivo, morar num canteiro de jardim numa pequena rua de um bairro chamado Palmares.

Foi chegar e ser imediatamente acolhida.

É incrível como tem um pessoal que, apesar de levar um tempão pra chegar no serviço (ou de estar triste por não ter serviço), de ralar durante o dia e estudar à noite, de ter de fazer comida, manter a casa limpa, cuidar dos filhos e ajudar nas despesas da casa, ainda encontra tempo para o amor, para os amigos e para as Pérolas Sophia que vão surgindo pelo caminho.

A cadelinha não se fez de rogada.

Todo dia, fazia companhia para os moradores, acompanhando-os ao trabalho ou até o ponto do ônibus, para depois voltar ao pequeno paraíso de grama repisada e continuar curtindo a vizinhança.

Moral da história: virou a mascote do trecho.

Até que uma gravidez precoce mudou o rumo das coisas. A culpa foi de um vira-lata magrelo e sedutor que apareceu por ali e a convidou para uns restos de pizza nos fundos de uma cantina italiana.

Depois daquela farra, Pérola Sophia sentiu as tetas crescerem, a barriga inchar, o corpo pesar. Certa madrugada de frio, estava encolhida num canto quando alguém passou por ela e sentiu pena. Esse alguém, nessa mesma noite, abriu um grupo no Facebook com o nome de Sophia (ela ainda se chamava assim), arrecadando um dinheirinho para levar a cadela a um lar transitório.

O pessoal da rua entrou na dança e passou a fazer uma contribuição mensal para pagar a hospedagem de Sophia (existem mais ligações entre o homem e os animais do que imagina a nossa vã filosofia).

No dia seguinte, lá estava ela na casa nova, onde ficaria até nascerem os sêxtuplos. Ao chegar, tomou aquele banho de princesa (eufemismo para eliminar parasitas), recebeu comida, foi vacinada e ganhou uma cama só dela.

Uau, aquilo era um verdadeiro resort!

Foram mais ou menos quatro meses até os filhotes virem ao mundo. No lar transitório, Sophia conquistou quem chegava perto, mostrando ser uma cachorra que tem estrela – ou que entende da alma humana mais do que muita gente por aí.

Quando a barriga começou a se contrair em espasmos, ficou tão nervosa que cavou um buraco do seu tamanho no terreiro, o que lhe rendeu o singelo apelido de “cachorra-tatu”.

Como nem tudo são flores, Sophia (que ainda não era Pérola) deu à luz, mas achou os bichinhos que nasceram meio gosmentos e não ligou muito pra eles, mostrando que esse negócio de instinto maternal inato é pura balela.

A verdade nua e crua é que ela, rasgando todas as convenções do romantismo maternal, deu algumas surras nos pequenos. Por sorte, eles foram rapidamente adotados. No fim das contas, a própria Sophia foi recebida por uma família bacana. Ali ganhou o nome de Pérola e encontrou Navessinha, uma dona pra chamar de sua.

Se essa história feliz terminasse aí já seria ótimo, mas Pérola Sophia, dia desses, foi convocada para uma sessão de fotos. Como não entendeu nada e teve um pouco de preguiça da movimentação, a dona tentou animá-la com uma barrinha de cereal.

Com seu focinho inteligente, porém, a dama cheirou o petisco – e, sem mais, simplesmente o desprezou. Sua dona, então, teve outra ideia. Foi ao bar da esquina e comprou um pedaço de linguiça, raciocinando que as origens sempre falam mais alto.

A partir daí, a cada clique, Pérola Sophia era apresentada a um pedaço do petisco. E, como num passe de mágica, empinava as orelhas e ajeitava a postura, fazendo elegantíssimas poses que deixariam Gisele Bündchen morrendo de inveja.

De repente, em meio aos cliques na escadaria, Pérola Sophia compreendeu o jogo, e, mais que humana, farejando o irresistível cheiro da recompensa, aprendeu a sorrir.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA