Morte de jovem em escola de BH alerta para necessidade de acompanhamento médico

Doenças que causam morte súbita na população jovem, considerada até 35 anos, ocorrem em 0,3% da população. Antes de começar uma atividade física ou esporte, não abra mão de uma consulta com um especialista

por Valéria Mendes 09/07/2015 14:32

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paulo Filgueiras/EM/D.A Press
Adolescente de 16 anos, aluno do Colégio Padre Eustáquio, em Belo Horizonte, morreu durante a aula de Educação Física (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
A morte do adolescente Caio Henrique Souza, de 16 anos, durante uma aula de educação física em Belo Horizonte, serve de alerta para a importância de se prevenir casos como esse. Estudos científicos mostram a baixa incidência de mortalidade de jovens durante a prática de atividades físicas: uma pesquisa italiana aponta a incidência de 2,1 mortes para cada 100 mil pessoas por ano e um estudo norte-americano a relação de 0,4 óbito entre atletas jovens de competição, também em 100 mil pessoas anualmente. As informações são de Haroldo Christo Aleixo, cardiologista, médico do esporte do Clube Atlético Mineiro e chefe do Departamento de Medicina do Esporte do Minas Tênis Clube. “A atividade física continua sendo uma alternativa muito saudável e deve ser buscada pela população toda”, afirma.

Saiba mais: Adolescente de 16 anos morre em colégio particular de BH

Ainda não se sabe o motivo da morte do estudante do 1º ano do ensino médio do Colégio Padre Eustáquio, mas, segundo o especialista, estudos epidemiológicos mostram que 90% das mortes súbitas têm origem cardíaca. Também ainda é desconhecido se o adolescente tinha diagnóstico de alguma enfermidade ou se fazia acompanhamento periódico com um especialista. “Podemos supor que a morte foi determinada por uma doença congênita ainda sem sintoma e que a primeira manifestação foi a morte súbita”, sugere Haroldo Christo Aleixo.

A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que a população entre 6 e 18 anos faça pelo menos uma visita por ano ao médico. Já a Sociedade Brasileira de Cardiologia e a Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte aconselham que, antes de ingressar em um esporte ou atividade física, o indivíduo passe por uma avaliação que contemple a consulta e um eletrocardiograma. Sabemos, entretanto, que essa não é a realidade no Brasil, seja pelo acesso à saúde, seja pela cultura ainda predominantemente de que o médico deve ser procurado apenas quando uma doença se manifesta.

A noção de medicina preventiva ainda está sendo construída e, para Haroldo Christo Aleixo, o susto com a morte provavelmente evitável do jovem é uma boa oportunidade para levantar não apenas essa discussão, mas para refletir sobre a melhoria da condição do atendimento, passando pela formação nas escolas de medicina do país e chegando ao acesso à saúde. Mesmo na rede privada, de acordo com ele, o tempo para agendar um eletrocardiograma pode levar até três meses.

O cardiologista afirma que brasileiros tratam a necessidade do atestado de aptidão para a atividade física como uma mera formalidade de inscrição em uma academia, por exemplo. Ele diz que não é raro pacientes que solicitam o documento para um médico conhecido, de outra especialidade, que, por gentileza, assina um papel liberando a pessoa para o exercício. “São poucos que dão valor à dimensão de um atestado médico para a atividade física”, diz.

Outra informação importante é que as doenças que causam morte súbita na população jovem, considerada até 35 anos, ocorrem em 0,3% da população. Ou seja, são raras. Por outro lado, é importante lembrar que o sedentarismo provoca a morte de 5,3 milhões de pessoas no mundo anualmente. Os dados são de uma pesquisa publicada em julho de 2012, na revista britânica Lancet.

O cardiologista e médico do esporte pondera se a solução passaria, então, pela obrigatoriedade do atestado médico para as aulas de educação física nas escolas. “É altamente desejável uma avaliação médica, mas corremos o risco de tirar todos os meninos e meninas da atividade física se o atestado for uma exigência”. Diagnóstico do Ministério do Esporte divulgado em junho deste ano sobre a prática de esportes e atividades físicas mostra que 41,2% dos brasileiros e 50,4% das brasileiras são sedentários.

O recado de Haroldo Christo Aleixo é simples: o sedentarismo mata muito mais que a atividade física. “Não deixe de se exercitar, mas faça de uma forma segura. Para isso, procure seu médico."

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA