Quatro motivos para não amamentar em público: vídeo ironiza argumentos mais utilizados

Autora do vídeo, a croata Kristina Kuzmic provoca: 'Afastem seus peitos, mulheres! A menos que eles não tenham leite. Aí, você pode mostrá-los'

por Valéria Mendes 08/07/2015 12:46

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Mais da metade das mulheres brasileiras (55%) considera 'perfeitamente natural' a amamentação em público e apenas 2% considera errado. Para 22%, é inevitável e 21% delas acham constrangedor. Os dados são de uma pesquisa realizada pela Lansinoh que ouviu 13.169 mães e gestantes em nove países. No entanto, ainda segundo o estudo, à medida que o bebê cresce, o preconceito em relação à amamentação aumenta. Mesmo assim, no Brasil, 44% das mulheres entrevistadas disseram achar ‘fantástico’ uma mãe que amamenta seu filho de 2 anos em público.





O leite materno é recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como alimento exclusivo dos bebês até 6 meses de vida, mas a média brasileira é de apenas 54 dias. A agência de saúde afirma ainda que o aleitamento é benéfico para a saúde da criança até dois anos ou mais. Mesmo diante da comprovação científica, o tema é polêmico e não é raro uma mulher se sentir ou ser constrangida por alimentar seu filho ou sua filha em ambientes públicos.

A croata Kristina Kuzmic conseguiu resumir em um vídeo com mais de 1 milhão e 500 mil visualizações no Youtube o que pauta a polêmica em torno do assunto. A chef de cozinha lançou mão da ironia para mostrar a fragilidade dos argumentos de quem não aceita que o ato é algo natural em si: se o corpo da mulher produz leite após o parto, se o alimento é o melhor para a saúde do bebê, por que não dar o leite se a criança sente fome?

No vídeo de pouco mais de dois minutos, ela enumera as quatro principais razões e encerra com a seguinte provocação: ‘Afastem seus peitos, mulheres! A menos que eles não tenham leite. Aí, você pode mostrá-los’.

Motivo 1: É ofensivo e inapropriado

Reprodução Youtube
"Não vivemos em uma sociedade que permite que as mulheres mostrem parte dos seios em público. Se estou amamentando em público e algumas pessoas passam e me veem, eu posso ofendê-las com meus seios. Você não quer ofender alguém por amamentar na frente dela, certo? Ao amamentar em público nós estamos espalhando a mentira de que os seios não tem apenas o propósito de deixar alguém excitado. Isso vai mexer com a cabeça das crianças". (foto: Reprodução Youtube)


Motivo 2: Mesmo que você use um pano ou uma manta para cobrir o seio, não há garantia de que o bebê não vá afastar o tecido

Reprodução Youtube
"E aí, o que acontece? Seu seio pode ficar exposto por um segundo ou DOIS segundos. Sério, bebês que afastam a manta são crianças mimadas. Além disso, por que é tão desconfortável comer com a cabeça coberta? Não vai deixar ninguém suado, nem com calor e também não é escuro ou claustrofóbico". (foto: Reprodução Youtube)


Motivo 3: Mães que amamentam em público não estão fazendo isso porque o bebê está com fome, elas estão tentando seduzir os maridos de outras mulheres com seus seios cheios de leite.

Reprodução Youtube
"E se os homens estão encarando uma mãe que está amamentando isso é totalmente normal. O que eles poderiam fazer? Notar que alguém está amamentando e olhar para o outro lado?". (foto: Reprodução Youtube)


Motivo 4: Nós somos mães e não precisamos sair em público.

Reprodução Youtube
"Nós desistimos desse direito quando decidimos nos tornar mães A gente não precisa ir ao shopping, comer fora ou ter uma vida social. Nos dias de hoje, todos os lugares fazem entrega em casa. Se por qualquer razão ou uma emergência, você tenha que sair de casa, há vários lugares para se esconder enquanto amamenta [como o banheiro]. Não há razão para traumatizar as pessoas por amamentar na frente delas. Às vezes eu me pergunto seriamente: essas mães que amamentam realmente queriam ter filhos? Ou elas têm filhos para estragar o dia das pessoas com o seu exibicionismo?" (foto: Reprodução Youtube)


Assista ao vídeo:

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA