Estados Unidos registram primeira morte por sarampo em 12 anos

Surto de sarampo coincide com um movimento cada vez mais forte no país contra a tríplice viral

por AFP - Agence France-Presse 03/07/2015 10:25

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Autoridades de saúde dos Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (01/07) a primeira morte por sarampo no país em 12 anos, depois que a necropsia mostrou que a pneumonia fatal de uma mulher foi causada pela doença contagiosa. "A causa da morte foi pneumonia devido ao sarampo", afirmou em comunicado o departamento de Saúde do condado de Clallam, no estado de Washington. O nome e a idade da vítima não foram revelados.

"A mulher foi provavelmente exposta ao sarampo em uma clínica local durante o recente surto (da doença) em Clallam County", informou o texto, indicando que sua passagem pela clínica provavelmente coincidiu com a de uma pessoa que desenvolveu sarampo.

Este ano houve 176 casos de sarampo nos Estados Unidos, 117 dos quais estão ligados a um surto no parque temático da Disney na California (oeste), de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Um porta-voz do Departamento de Saúde disse que a morte da mulher não estava ligada ao surto na Disney, mas a um outro surto que se desenvolveu no condado de Clallam.

A última morte nos Estados Unidos por esta doença altamente contagiosa foi registrada em 2003. "Esta situação trágica ilustra a importância de vacinar o maior número de pessoas possível para proporcionar um nível de proteção da comunidade contra o sarampo", disse o departamento de Saúde.

"As pessoas com sistemas imunológicos frágeis não podem receber essa vacina", explicou.

O surto de sarampo coincide com um movimento cada vez mais forte nos Estados Unidos contra a vacina MMR (ndlr: tríplice viral, sarampo, caxumba e rubéola).

Seus detratores acreditam que esta vacina está associada a um aumento da incidência de autismo - tese para a qual, segundo médicos especialistas, não existe evidência científica.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA