"Vida normal ao paciente", um dos maiores especialistas do mundo em HIV fala sobre os avanços do tratamento

Jürgen Rockstroh afirma que, apesar de a doença ainda não ter cura, os tratamentos disponíveis atualmente garantem qualidade de vida aos pacientes

por Carolina Samorano 26/06/2015 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Desde que o mundo conheceu a aids, nos anos 1980, e perdeu inúmeros gênios para a doença, a cura para esse mal é discutida. Quase 40 anos depois, ainda não a vimos noticiada em capas de revista. No entanto, segundo o especialista alemão Jürgen Rockstroh, é possível que, em um futuro, ela chegue. É o que buscam todos os grupos de pesquisa atualmente.

Rockstroh é um dos maiores especialistas no assunto do mundo. É professor da Escola de Medicina na Universidade de Bonn e chefe de uma clínica especializada em tratamento de pacientes hemofílicos portadores de HIV desde os anos 1990. Além disso, integra o Grupo Alemão de Trabalhos Clínicos de Aids (KAAD, na sigla em alemão), foi presidente da Sociedade Alemã de Aids entre 2007 e 2011 e ainda é membro do Comitê Executivo da Sociedade Europeia de Aids desde 2009. No mês passado, ele esteve no Brasil para participar de um encontro internacional de infectologistas e outros especialistas no tratamento da doença, promovido por um laboratório farmacêutico.

Uma cura para a enfermidade não é exatamente o melhor dos cenários, mas outros avanços da medicina confortam quem convive com o vírus atualmente. Nos últimos 25 anos, o tratamento contra o HIV evoluiu a ponto de garantir vida quase normal aos pacientes, especialmente quando o diagnóstico é feito precocemente. “O problema não é o tratamento. O que temos hoje é bom. Honestamente, o que precisamos, agora, é lutar para que ele esteja disponível em todos os lugares, para mais pessoas”, defende o especialista.

O lado B da boa notícia é que, diante de tantos avanços, a doença aparentemente deixou de ser uma ameaça aos jovens que não viveram o medo da aids dos anos 1980 e 1990. Em dezembro passado, a Secretaria de Saúde do DF e o Ministério de Saúde divulgaram que a taxa de contaminação nesse faixa etária por 100 mil habitantes no Distrito Federal cresceu 86% desde 2004. Número que indica, segundo o especialista, que talvez seja hora de rever as campanhas de prevenção. À Revista, ele falou, por telefone, sobre tratamentos, o cenário atual e as perspectivas para o futuro.

FOTO: Liz Highleyman, hivandhepatitis.com
"Com a evolução das coisas, hoje, eu posso oferecer aos meus pacientes ótimos tratamentos e uma boa expectativa de vida. O próximo passo seria trazer uma vacina ou a cura. Todos os grupos de pesquisa que eu conheço estão atualmente trabalhando com a busca da cura, mas, por enquanto, não a temos" Jürgen Rockstroh (foto: FOTO: Liz Highleyman, hivandhepatitis.com)


O que podemos esperar do tratamento para a aids no futuro? Veremos mudanças importantes?
É importante dizer que, com os tratamentos atuais, conseguimos alcançar uma coisa que pensávamos ser impossível. Se nós começarmos a cuidar cedo, podemos garantir vida normal ao paciente. Medicamentos como o dolutegravir, por exemplo — antirretroviral liberado pela Anvisa no Brasil no ano passado que deve ser tomado apenas uma vez ao dia, ao contrário da rotina antiga de tratamento, com mais remédios e horários rígidos —, tornaram o tratamento muito fácil. Ele é mais flexível hoje, mais seguro. Honestamente, o que precisamos agora é lutar para que ele esteja disponível em todos os lugares, para mais pacientes.

Mas não estamos falando de cura ainda?
Com a evolução das coisas, hoje, eu posso oferecer aos meus pacientes ótimos tratamentos e uma boa expectativa de vida. O próximo passo seria trazer uma vacina ou a cura. Todos os grupos de pesquisa que eu conheço estão atualmente trabalhando com a busca da cura, mas, por enquanto, não a temos. Os esforços ainda estão sendo feitos. Não poderia dizer que contamos com uma agenda, uma data para isso acontecer.

Alguns especialistas dizem que uma vacina contra o HIV estaria disponível a médio prazo, em 10 ou 15 anos. Acha que isso é realmente possível?
É possível que tenhamos uma vacina nos próximos anos, mas precisamos ter cuidado com essa informação. Já chegaram a dizer que ela seria lançada em 2000 e isso não aconteceu. Os resultados ainda estão longe do ideal. Precisamos entender melhor, aprender melhor. Ainda estamos bem longe de uma vacina.

Por que o senhor acha que vemos agora uma geração de jovens pouco preocupada com a aids?
São muitas razões diferentes. Com o tratamento oferecido atualmente, obviamente, eles pensam: ‘Se eu pegar, posso me tratar, então não é tão ruim assim’. Mais recentemente, não vemos tantas mensagens alertando sobre o HIV. Essas pessoas talvez não morram da doença, mas vão viver com algumas barreiras e limitações. Temos que retrabalhar as nossas mensagens de prevenção, pensar como podemos alcançar os jovens, envolvê-los na prevenção, falar a língua deles. Mesmo em países como a Alemanha, há grande aumento no número de contaminações. É preocupante.

Deveríamos ter medo de ver muitos casos da doença, como nos anos 1980?
Não. Havia esse medo de que, caso o vírus se tornasse resistente, veríamos um supervírus que não pudesse ser tratável. Isso não é verdade. O tratamento hoje é muito eficiente e os testes para resistência do vírus têm ótimos resultados. O que precisamos é conscientizar as pessoas que não nasceram nos anos 1980. Hoje, o mundo é diferente, falar de sexo é diferente, precisamos de uma nova abordagem. Precisamos revisitar tudo isso e fazer as pessoas voltarem a entrar na linha de novo.

A aids ainda deve ser considerada perigosa?
Sim, ela ainda é perigosa. Principalmente por causa do diagnóstico tardio. Muitos pacientes descobrem  tarde demais, quando já apresentam a doença, e não podem nem mesmo se beneficiar completamente do tratamento disponível hoje. Por isso é importante o esforço para que se diagnostique o HIV o mais cedo possível. Muitos pacientes morrem antes mesmo de saber. Fora que ainda há o estigma. Estimamos que metade dos pacientes não sabem que têm o HIV, nunca fizeram um teste. Eles não fazem porque têm medo, porque ainda existe esse preconceito sobre a doença. Eles nem mesmo querem saber se estão contaminados. Nos últimos 25 anos, fizemos avanços incríveis nos tratamentos, principalmente para as mulheres. Atualmente, elas podem ter uma vida normal, dar à luz uma criança saudável e ter uma família sem que ninguém mais esteja contaminado, porque as mães estão todas com a carga viral zerada. É muito importante ver os filhos crescendo saudáveis e ter também uma vida sexual normal.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA