Legalização não aumentou consumo de maconha no Uruguai

Consumo de droga em domicílios sugere que 9,3% da população usou maconha nos últimos 12 meses, em comparação a 8,3% em 2011

por AFP - Agence France-Presse 12/06/2015 10:49

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
AFP PHOTO / MIGUEL SCHINCARIOL
6,3% dos uruguaios se declararam usuários regulares de maconha (foto: AFP PHOTO / MIGUEL SCHINCARIOL )
A regulamentação da produção e da venda de maconha em 2013 não aumentou o uso da droga no Uruguai - é o que mostra um estudo realizado pelo Conselho Nacional de Drogas (JND), ligado à presidência da república uruguaia. O sexto levantamento nacional sobre o consumo de droga em domicílios sugere que 9,3% da população usou maconha nos últimos 12 meses, em comparação a 8,3% em 2011, o menor aumento contabilizado em 14 anos. Enquanto isso, 6,3% dos uruguaios se declararam usuários regulares de maconha.

De acordo com as conclusões do JND, "o crescimento do consumo responde à tendência que começou em 2001, indicando que a discussão sobre a regulamentação não afetou os padrões de consumo históricos". O estudo observa que os maiores saltos no consumo ocorreram em 2001-2006, quando a percentagem aumentou de 1,4% para 5,5%, e, em seguida, a 2011, quando subiu para 8,3%.

A pesquisa foi realizada entre agosto e dezembro de 2014, com pessoas entre 15 e 65 anos. A amostra representa quase 60% da população uruguaia.

É a primeira vez que o levantamento considerou as orientações relativas à produção e venda da droga. Assim, 66% dos consumidores disseram ter estado direta ou indiretamente ligados ao tráfico de drogas, enquanto 26% obteve o produto graças ao auto-cultivo.

A lei inédita aprovada no Uruguai em 2013 estabelece que os consumidores podem cultivar suas próprias plantas, com limites estabelecidos, participar de clubes de membros para obter uma quantidade específica por mês ou comprar a maconha fornecida pelas farmácias pertencentes ao Estado - embora essa iniciativa ainda não tenha sido implementada, nem exista prazo para sua execução.

Cerca de 13% dos entrevistados disseram que não usaram qualquer um desses três esquemas para obter o produto legalmente.

Outros resultados revelam que 52,1% dos uruguaios consomem habitualmente álcool, a quem o governo uruguaio declarou guerra, após ter iniciado uma campanha agressiva contra o tabaco.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA