Tratamento sem alopatia já é opção de muitos donos de pets

A ideia é poupar a mascote de efeitos colaterais e proporcionar cuidados preventivos

por Gláucia Chaves 06/06/2015 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
	Zuleika de Souza/CB/D.A Press
A gatinha Pipoca segue o exemplo da dona, Ingla Cunha, adepta da homeopatia (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Quiropraxia, acupuntura e fitoterapia já não são tratamentos exclusivos para humanos há algum tempo. Atualmente, a chamada medicina complementar tem proporcionado qualidade de vida a pacientes de quatro patas. Ana Catarina Viana Valle, médica veterinária especializada em acupuntura, fitoterapia e homeopatia veterinária, explica que uma das grandes vantagens dessa abordagem é a ausência de efeitos colaterais, tão comuns no uso de medicamentos convencionais. “Hoje, mais de 90% dos animais encaminhados a mim têm alteração hepática causada pelo uso de remédios e pela química presente nas rações”, afirma. “Optar pela medicina complementar é saber que o fígado vai ser preservado a longo prazo.”

Segundo a especialista, animais tratados à base de alopatia enfrentam um envelhecimento problemático, repleto de males crônicos. “Geralmente, o uso de medicamentos melhora a situação momentânea, mas piora a longo prazo. Por exemplo, a fluoxetina (tipo de antidepressivo) pode causar problema cardíaco. E o remédio para o coração é diurético, ou seja, tende a acarretar problemas renais”, argumenta. “Isso não acontece com a homeopatia”, garante a veterinária, adepta da medicina complementar desde 2005.

Cecília Maria Rodrigues Tavares é veterinária especialista em diversas modalidades de medicina complementar chinesa (acupuntura, fitoterapia chinesa, guasha e moxabustão), e faz uso das técnicas há 25 anos. “Muitas pessoas só recorrem quando já não há mais o que ser feito pela medicina convencional”, reconhece. A profissional, porém, garante que qualquer patologia pode ser tratada a partir dos princípios chineses. E, quando não há cura, ao menos consegue-se dar mais qualidade de vida ao bichinho.

“Nas patologias em que o animal não responde bem aos medicamentos, a acupuntura faz com que o organismo ‘respire’ e tenha condições de responder”, detalha Cecília Maria. Animais que passam por procedimentos delicados, como quimioterapia, podem ter na medicina complementar um alívio dos fortes efeitos colaterais. Para organismos saudáveis, também há vantagens. Segundo a médica, a medicina complementar chinesa combate a fadiga, o estresse e o envelhecimento.

Simone Bandeira, presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Distrito Federal (CRMV-DF), explica que a maioria das modalidades da medicina complementar são terapias reconhecidas e, acima de tudo, validadas pela prática. “Os donos se preocupam mais com a saúde do animal do que com que tipo de terapia foi usada para obtê-la”, completa. “Não faz sentido um cachorro com problema de pele usar corticoide e ter um problema hepático por conta disso”, exemplifica.

Desde que nasceu, há um ano, a gata Pipoca é tratada a partir dos preceitos da medicina complementar. A dona da felina, a psicóloga e terapeuta bodytalk Ingla Cunha Faulstich, 32 anos, diz que a homeopatia e os florais de Bach são sempre a primeira opção. Foi uma escolha natural, já que ela própria evita medicamentos. “Eu e meu marido vimos que não faria sentido a gente se tratar de forma natural e levar a gata direto para a alopatia.”

Ingla já teve vários animais, mas Pipoca é a primeira a se tratar fora dos consultórios convencionais. “A maioria dos veterinários queria logo entrar com medicamentos pesados ou mesmo com cirurgia”, lembra. “Sempre procurei profissionais adeptos de outro tipo de medicina, mas existe uma carência de profissionais.” Para Ingla, a melhor recompensa é perceber que, mesmo quando adoece, o organismo de Pipoca consegue se recuperar com rapidez. “Os animais são muito sensíveis e não têm a crença de que aquilo pode não funcionar. Por isso, quando as terapias atuam, o fazem de forma muito rápida e harmônica”, analisa.

Glossário de terapias
  • Auriculoterapia
    Derivada da acupuntura, a técnica consiste em inserir agulhas em pontos da orelha que correspondem a órgãos.
  • Eletroacupuntura
    As agulhas da acupuntura recebem pequenos estímulos elétricos, cujos efeitos são terapêuticos.
  • Moxabustão
    Na técnica, é feito o aquecimento dos pontos da acupuntura a partir da queima da planta Artemisia vulgaris.
  • Acuinjeção e hemopuntura
    Injeção de diferentes medicamentos e/ou sangue nos acupontos.
  • Guasha
    Raspagem superficial da pele com auxílio de uma espátula e o guashayou (óleo de guasha).
  • Implantes de ouro
    Glóbulos de ouro são pressionados nos pontos de acupuntura a fim de produzir estímulos de longa duração.
  • Fitoterapia tradicional chinesa
    Uso de composto à base de folhas, flores, minerais, frutos, raízes, insetos e cascas de plantas.
  • Dietoterapia
    Prevenção e tratamento por meio da ingestão de alimentos naturais.

Cuide do seu bichinho

Veja alguns males que podem ser tratados a partir da medicina complementar e da medicina chinesa:
  • diabetes;
  • epilepsia;
  • giardíase;
  • insuficiência renal aguda e crônica;
  • aids felina;
  • gastrite;
  • herlichiose (doença do carrapato);
  • fraturas;
  • distúrbio cognitivo do cão idoso;
  • câncer;
  • dermatites;
  • ansiedade;
  • hiperatividade;
  • obesidade;
  • anemia;
  • pseudociese;
  • hepatite;
  • cálculo na bexiga;
  • hipotireoidismo;
  • doenças oftalmológicas, cardiacas, articulares e degenerativas;
  • síndrome de cushing;
  • diarreia;
  • gravidez psicológica

Fonte: Cecília Maria Rodrigues Tavares, veterinária especialista em medicina complementar chinesa.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA