Publicidade com casais gays gera polêmica na internet e chega ao Conar

Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária vai investigar denúncias de consumidores. A empresa 'O Boticário' afirma que "acredita na beleza das relações, presente em toda sua comunicação"

por Agência Brasil 04/06/2015 14:08

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução Youtube
Internautas expressaram opiniões tanto em defesa quanto contra a propaganda (foto: Reprodução Youtube)
A campanha publicitária Casais veiculada pela empresa O Boticário para o Dia dos Namorados, gerou debate nas redes sociais e na internet. A propaganda, que está no ar desde o dia 24 de maio, mostra casais homossexuais e heterossexuais trocando presentes. Para o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), que é a favor da campanha, a peça reflete a pluralidade da sociedade. “Reflete a vida, reflete a existência, a pluralidade, a diversidade das expressões amorosas e afetivas”, disse.



O partalementar destacou que a campanha mostra também o reconhecimento da comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) que, segundo ele, é estigmatizada. “É uma empresa que está não só reconhecendo socialmente esse grupo, mas o reconhece como consumidor, e esse é, também, um aspecto importantíssimo a ser ressaltado”, destacou o deputado.

Internautas expressaram opiniões, tanto em defesa quanto contra a propaganda, em várias redes sociais e páginas da intenet. Na última terça-feira (2/06), o pastor Silas Malafaia, presidente da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo publicou um vídeo em que critica a publicidade. “Existe uma gama de empresas agora fazendo propaganda da relação gay. Eu sou contra. É um direito meu”, ele afirmou. No vídeo publicado em seu canal oficial no Youtube, o pastor convoca um boicote à marca.

“Eu quero conclamar as pessoas de bem, que não concordam com essa promoção do homossexualismo através de propaganda, de televisão e de revista, para boicotarem os produtos dessas empresas, como agora faz o O Boticário”, disse Malafaia.

O pastor afirmou que não pretende impedir que uma pessoa seja homossexual, o que para ele é um comportamento. Mais de 5 mil comentários foram publicados na página, repercutindo o vídeo. As declarações geraram reações de quem defende a campanha. Para Wyllys, as publicações contra o vídeo do pastor foram importantes para contestar os argumentos usados. “Isso é muito importante, que as pessoas se posicionem.”

Para o deputado, a empresa deve servir de exemplo para outras. “Eu acho que, no Brasil, as empresas têm que respeitar a diversidade humana, considerar que os seres humanos são plurais e que têm poder de consumo. Pagamos impostos para o Estado, queremos políticas públicas, queremos leis e compramos no mercado. [Por isso] queremos do mercado respeito e reconhecimento.”

Na terça-feira, o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) abriu processo para avaliar tanto as denúncias feitas por consumidores – que alegam que a campanha desrespeita a família – quanto a defesa da empresa. “Eu espero que o Conar tenha bom senso e diga que essa campanha não faz o que vocês estão dizendo’’, disse o deputado.

Em nota à imprensa, O Boticário diz que “acredita na beleza das relações, presente em toda sua comunicação".

Segundo a empresa, a proposta da campanha Casais, que estreou na TV aberta no dia 24 de maio, é abordar, com respeito e sensibilidade, "a ressonância atual sobre as mais diferentes formas de amor – independentemente de idade, raça, gênero ou orientação sexual – representadas pelo prazer em presentear a pessoa amada no Dia dos Namorados”. A empresa diz ainda que “valoriza a tolerância e respeita a diversidade de escolhas e pontos de vista”.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA