Para evitar dor nas costas, é necessário proteger a coluna vertebral no dia a dia

É preciso proteger a coluna vertebral no dia a dia, antes que a corda arrebente. Isso significa adotar a postura correta, entre outros cuidados

por Zulmira Furbino 24/04/2015 14:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
A postura correta durante o dia é essencial para prevenir a dor (foto: Divulgação )
Se você sente dor nas costas e se incomoda com isso, saiba que não está sozinho. Dores nessa parte do corpo são a terceira causa de atendimentos de urgência no país e a segunda maior razão para que as pessoas procurem um consultório médico. Além disso, nada menos que 6 milhões de brasileiros sofrem de hérnia de disco e, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 80% da população mundial terá pelo menos um episódio de dor na coluna durante a vida. A boa notícia é que, apesar dessa verdadeira epidemia, há meios para prevenir, tratar e conviver com o problema. É o que mostra o livro Hérnia de disco e dor ciática, de Helder Montenegro, que será lançado quarta-feira, em Belo Horizonte.

A ideia principal é que é preciso proteger a coluna vertebral no dia a dia, antes que a corda arrebente. Isso significa adotar a postura correta na hora de arrumar gavetas, varrer embaixo dos móveis, estender roupas no varal, deitar e se levantar, dormir, calçar sapatos, amamentar, dar banho no bebê, usar o celular e até retirar a bagagem da esteira no aeroporto, além de descarregar o bagageiro e dirigir. E também comprar sapatos confortáveis, evitar salto alto, comprar a mochila certa para o tamanho do seu filho, optar por bolsas menores etc. Também é importante evitar o sedentarismo e fortalecer os músculos profundos que sustentam a coluna.

O problema é que só o movimento não basta. Além de se exercitar, é preciso fazê-lo da maneira correta. “Os exercícios que protegem e fortalecem a coluna são específicos. Isso significa que o profisisonal que vai aplicá-los deve ter domínio sobre o tema”, orienta Montenegro, que é presidente da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna e do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral. Ele ensina que a forma correta de se fazer um exercício físico é manter uma boa postura, já que o simples fato de obedecer à curvatura natural do corpo provavelmente elimina inúmeras agressões à coluna vertebral. O segredo, segundo o fisioterapeuta, é trabalhar os músculos multífidos.

FOGO E PÓLVORA Nesses momentos, o que não se deve fazer é praticar um exercício com a coluna em forma de “c”. “Isso seria como juntar fogo e pólvora. A dica vale também para atividades do dia a dia, como pegar um sapato no chão. É preciso evitar equipamentos e posturas de 'desmonte', ou seja, movimentos que tirem a coluna vertebral do seu desenho natural”, explica.

Isso significa que não se deve esticar a coluna, como se a pessoa estivesse olhando o mundo com muito orgulho ou, ao contrário, como se estivesse sempre cabisbaixa. Quando a postura sai dos padrões, a coluna vertebral é comprimida, por isso é necessério manter a linha gravitacional. Dessa maneira, é possível estar em equilíbrio sem sentir dores ou aquela sensação de costas queimando, situações que ocorrem quando os músculos externos passam a trabalhar no lugar dos internos. No caso de sentir dor nas costas, Montenegro recomenda procurar um médico imediatamente. “Depois do primeiro episódio de dor na coluna, a musculatura profunda tende a se atrofiar. Se, por exemplo, o motivo da dor for intervertebral, as complicações funcionam como uma dor de dentes, onde tudo começa com uma cárie, mas, sem o cuidado adequado, corre-se o risco de uma intervenção maior. “Se a dor na coluna for mais leve, muitas vezes, somente o fato de começar a fazer exercício físico poderá acabar com ela”, observa.

Congresso em BH
Começa hoje, no Expominas, em Belo Horizonte, a 15ª edição do Congresso Brasileiro de Coluna. Até terça-feira, 26 palestrantes internacionais participarão de debates, mesas-redondas e simpósios. Quatro temáticas especiais nortearão os debates: deformidades em adultos, coluna cervical degenerativa, traumas da coluna toracolombar e avanços da cirurgia minimamente invasiva. Segundo o presidente do congresso, o ortopedista mineiro Cristiano Menezes, o conhecimento e a evolução tecnológica garantiram novos e melhores tratamentos. “A capital mineira estará no foco dos especialistas em coluna em decorrência dessa completa grade científica com especialistas conceituados mundialmente, destacando-se como uma oportunidade ímpar para uma qualificação de alto nível”, avalia o presidente.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA