Nariz eletrônico detecta câncer de estômago em estágio inicial

Técnica oferece aos pacientes uma análise não invasiva, indolor e sem efeitos colaterais indesejados

por AFP - Agence France-Presse 15/04/2015 12:17

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Um nariz eletrônico de baixo custo, desenvolvido por uma equipe israelense, é capaz de detectar o câncer de estômago mesmo em estágios iniciais - abrindo uma nova perspectiva para o diagnóstico da doença.

De acordo com um artigo publicado segunda-feira pela revista Gut, do grupo britânico BMJ, uma equipe de pesquisadores israelenses foi capaz de usar uma tecnologia que mede compostos orgânicos voláteis da respiração dos pacientes para detectar a presença de câncer.

Embora esta forma de detecção de câncer por análise química já seja utilizada, os métodos até hoje consistiam em análise de cromatografia e espectrometria de massa, que são mais complexos e caros.

Esta técnica oferece aos pacientes uma análise não "invasiva, indolor e sem efeitos colaterais indesejados", ressaltaram seus criadores.

Ao todo, 488 pacientes foram examinados - uma amostra que incluía pessoas já diagnosticadas, bem como indivíduos que tiveram lesões gástricas com diferentes perfis de risco.

O princípio de detecção de alterações químicas causadas pelo câncer com narizes eletrônicos, já foi utilizado para detectar a presença de câncer de cólon e de pulmão. Investigadores austríacos foram além e criaram um método que utiliza o faro de cães treinados.

Nanopartículas de ouro
Os cientistas testaram de maneira paralela dois métodos de análise: o primeiro, muito caro mas já comprovado e segundo, muito mais simples e mais barato com base em nanopartículas de ouro, conhecido como "nanoarranjo".

Este novo sistema foi desenvolvido pelo Instituto Tecnológico de Haifa, em Israel, e demonstrou sua eficácia quando efetivamente distinguiu quais pacientes sofrem de câncer de estômago, quais são portadores de lesões de alto ou baixo risco e que pessoas estão livres da doença.

Poder distinguir lesões de baixo risco das mais perigosas, com um simples teste de respiração, "evitaria endoscopias desnecessárias e reduziria o número de exames".

O gastroenterologista francês Jean-Christophe Saurin, do centro hospitalar de Lyon, que não faz parte da equipe de pesquisa israelense, argumentou que estes testes ainda são "muito preliminares" e que a sensibilidade para diferenciar os pacientes com câncer dos outros grupos não é "excepcional", com uma taxa de fiabilidade de 73%.

O médico Robert Benamouzig, do Hospital de Avicenne, considerou o teste interessante, mas ponderou que os resultados devem ser verificados por meio de testes que incluam um grupo controle de pessoas que não estão doentes - para determinar a sensibilidade do método.

Neste sentido, o artigo aponta que a tecnologia ainda será testada em "milhares de pacientes" na Europa, a fim de validá-la.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA