Técnica que aperfeiçoa balão intragástrico é uma nova chance para emagrecer

Aprovada recentemente no Brasil, a diferença é que o balão pode ser insuflado outras vezes

por Gláucia Chaves 23/03/2015 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Rafael Motta/Tv Alterosa.
A cantora Noli relatou em blog a experiência do balão intragástrico convencional (foto: Rafael Motta/Tv Alterosa.)
Emagrecer está no topo da lista de desejos de muita gente. A medicina acompanha essa necessidade e, volta e meia, surgem novas técnicas para esse fim. Embora não seja um procedimento necessariamente novo, o balão intragástrico ajustável de longa permanência é uma das alternativas mais recentes do mercado. A técnica é semelhante à do balão intragástrico convencional: por meio de uma endoscopia, os médicos introduzem o dispositivo no estômago do paciente. “A diferença é que podemos insuflá-lo outras vezes, o que faz com que ele dure mais tempo”, detalha Fernão Cury, gastroenterologista e especialista em cirurgia bariátrica. Assim, o efeito de saciedade causado pelo balão (já que o objeto ocupa parte do estômago) é prolongado por até um ano, contra seis meses da técnica convencional.

Leia também: Balão intragástrico é o 'queridinho da vez' para quem quer emagrecer

Cury explica ainda que, uma vez implantado, o balão tende a se “acomodar” no organismo. Quando o corpo finalmente se acostuma com o obstáculo, aprende a burlá-lo. Como consequência, o procedimento perde o efeito e o objeto precisa ser retirado. O novo modelo permite que os médicos “preencham” novamente o balão, renovando o tratamento. A reinsuflação pode ser feita de duas a três vezes. Apesar do termo “insuflação”, Fernão Cury explica que o balão não é preenchido com ar, mas com soro fisiológico e corante azul de metileno.

Eduardo Usuy Jr, gastroenterologista e diretor eleito da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva, explica que o procedimento não é novo, mas só agora é feito no Brasil. “O balão foi desenvolvido na Europa e já usado clinicamente há mais de 6 anos em milhares de pacientes europeus”, comenta. Aqui, foi autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no fim do ano passado. Ainda de acordo com o médico, embora relativamente simples, o procedimento demanda atenção de várias especialidades médicas. “O paciente deve ser acompanhado com uma equipe multiprofissional, com nutricionista, psicólogo e educador esportivo, para mudar hábitos de vida”, frisa. Entenda a técnica:

Valdo Virgo/CB/D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: Valdo Virgo/CB/D.A Press)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA