Entenda os efeitos do álcool no organismo

Cada vez mais adolescentes e jovens fazem uso exagerado de bebida, desafiando a capacidade de tolerância do nível ingerido, o que pode levar ao coma alcoólico e à morte

por Sandra Kiefer 09/03/2015 10:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais
Se Vladimir Maiakovski cravou ser melhor morrer de vodca do que de tédio, a medicina mostra que jovens têm mais probabilidade de levar o verso do poeta ao pé da letra. Com o próprio corpo e também personalidade em formação, portanto, mais influenciáveis pelas propagandas de bebidas e comportamento da turma de amigos, estudantes como Humberto Moura Fonseca, de 23 anos, têm mais chance de não escapar à morte já na primeira bebedeira. Embora a maioria dos adolescentes seja de abstêmios, aqueles que bebem tendem a um consumo pesado, muitas vezes bebendo em “binge”. Para caracterizar um “porre” no termo em inglês, que poderia levar ao coma alcoólico, um homem precisaria tomar 21 doses do destilado, o correspondente a um consumo tido como alto, mesmo distribuído ao longo da semana. Segundo depoimentos, o universitário mineiro teria ingerido de 25 a 30 doses, o equivalente a 1,5 litro de vodca pura.

No caso do estudante mineiro e de outros três colegas dele da Universidade Estadual Paulista (Unesp), que receberam alta depois de ser socorridos a tempo em hospitais de Bauru (SP), tornou-se evidente que o organismo dos jovens é menos tolerante à bebida em relação ao dos adultos. “A capacidade de suportar os efeitos do álcool é menor nos jovens, que podem ficar bêbados com mais facilidade do que um adulto. Depois dos 30 anos, o adulto tem o fígado mais formado e maior maturidade no cérebro para ter maior controle sobre a bebida. Ele já desenvolveu uma certa malícia para perceber o momento em que está ficando intoxicado e beliscar um tira-gosto ou fazer uma pausa na ingestão do álcool. Já o jovem perde a capacidade de controlar a impulsividade característica da idade, que está aumentada pelos efeitos do álcool. Sua primeira queda pode ser fatal”, alerta o médico Valdir Ribeiro Campos, membro da Comissão de Controle do Tabagismo, Alcoolismo e Uso de Outras Drogas da Associação Médica de Minas Gerais.

Beber em binge na juventude, sem lenço nem documento, multiplica os riscos de consequências adversas, incluindo dependência de álcool, acidentes de trânsito, sexo sem proteção, problemas nos estudos e envolvimento em brigas. “O álcool é rapidamente absorvido, cai na corrente sanguínea e atinge o cérebro. Dessa forma, as substâncias tóxicas liberadas por meio da sintetização do álcool deprimem o sistema nervoso central e podem levar ao coma, parada cardiorrespiratória e à morte ”, afirma o especialista. Ele lembra que o efeito é semelhante ao dos interruptores, capazes de regular a entrada de luz no ambiente: “O coma está relacionado ao nível de consciência. Dependendo da quantidade de álcool ingerida, o cérebro vai diminuindo a intensidade. A pessoa fica confusa e entra em torpor até apagar”.

Para o bioquímico, o termo tolerância significa a capacidade individual de aguentar o consumo de álcool. Por definição, é menor para mulheres, orientais e em decorrência de variantes genéticas. Em outras palavras, há pessoas mais fortes para a bebida e outras mais fracas, que, em função disso, têm um freio natural para a ingestão abusiva de álcool. Rapidamente, o organismo avisa que estão ficando intoxicadas e que é hora de parar. Segundo o clínico-geral Oswaldo Fortini, a empolgação pode ter levado o universitário a continuar tomando vodca, mesmo que já estivesse alterado. “O álcool age no sistema nervoso e leva à euforia. O bebedor começa a se achar poderoso e essa sensação, muitas vezes, o leva a ingerir ainda mais”, explica.
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais

PROIBIÇÃO
Poucos sabem disso, mas, no Brasil, a idade mínima legal para começar a beber é 18 anos, segundo os artigos 81 e 243 do Estatuto da Criança e do Adolescente e Artigo 63 da Lei das Contravenções Penais. Nos EUA e em alguns países da Europa, a regra é mais rígida: só é permitida a ingestão de bebidas alcoólicas a partir dos 21 anos. No Brasil, entretanto, é aceita socialmente a experimentação de bebidas por crianças e adolescentes e, com frequência, os pais são os primeiros a oferecer “um gole”. Faz parte da cultura brasileira as festas e comemorações serem regadas a bebidas alcoólicas, mesmo aquelas destinadas a crianças e adolescentes.

Estudo inédito da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (Uniad) da Unifesp, realizado em 100 estabelecimentos comerciais de BH, em 2012, mostrou que os adolescentes foram bem-sucedidos ao comprar bebidas alcoólicas em 73% das vezes. As lojas de conveniência foram as que ofereceram maior resistência à venda de bebidas aos jovens, com 50% de recusa, seguidas de bares, restaurantes e supermercados, com índice de recusa na casa de 33%. As que menos recusaram foram padarias e lanchonetes, com 11% a 12%. Os grupos de pesquisadores eram formados por jovens entre 14 e 17 anos.

Na contramão da venda facilitada de álcool para adolescentes na capital dos botecos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) propõe duas políticas básicas para acabar com os problemas relacionados ao consumo do álcool por esse público: o aumento do preço da bebida e a implementação, com fiscalização, da idade mínima para beber.

Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA