Acredite: existem mais 'Johns' que mulheres em diretorias de grandes empresas nos EUA

O relatório pesquisou cerca de 1,5 mil companhias e mostra que eles estão em 68,6% das chefias, enquanto elas estão em 15,5%

05/03/2015 10:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
SCOTT OLSON
Um exemplo famoso de 'Jonh' em cargos de chefia nos EUA é o de Sculley que foi presidente da PepsiCo e CEO da Apple (foto: SCOTT OLSON )
Existem menos mulheres no comando de empresas nos Estados Unidos que homens chamados John ou David. A informação é do relatório da consultoria Ernst & Young, divulgado no último mês – o estudo analisou a diversidade de gênero nas maiores empresas norte-americanas. O relatório pesquisou cerca de 1,5 mil companhias e mostra que eles estão em 68,6% das chefias, enquanto elas estão em 15,5%. E os 15,9% restantes? Esse cargos são ocupados somente por homens chamados John, Robert, William e David.

O estudo aponta que em 2006, as mulheres ocupavam 11% das cadeiras de comando, e em 2014, esse número foi para 15%. Chamado de Índice do Teto de Vidro, esse indicador aponta aumento, ainda que tímido da igualdade de gênero no mercado de trabalho. Por outro lado, mostra que muitas empresas sabem que "pega mal" não ter nenhuma mulher na chefia, e portanto, chamam pelo menos uma, como espécie de "cota". Uma a cada 25 dessas empresas tem uma mulher no mais alto cargo de chefia.

Desigualdade
A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2013 mostrou que, no Brasil, mulheres recebem cerca de 26,5% a menos que homens na mesma posição. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), enquanto o salário médio da brasileira é de R$ 1.075,52, o do brasileiro é de 1.247,98.

Debate
No último mês, o deputado Jair Bolsonaro (PP/RJ) se pronunciou contra salários iguais para homens e mulheres na mesma função. Enquanto a atriz Patricia Arquette foi aplaudida por clamar por igualdade em discurso na cerimônia do Oscar, o deputado afirmou que o empresariado se prejudica ao contratar mulheres (devido à licença-maternidade), e por isso, elas merecem receber menos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA