Vídeos que retratam excessos de álcool são motivo de zombaria nas redes sociais e de preocupação para cientistas

Especialistas temem os efeitos da abordagem equivocada

por Paloma Oliveto 01/03/2015 08:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
O rapaz segura uma espingarda em frente a uma fogueira. De repente, se desequilibra, cai e rola por um barranco, sob o risco de a arma disparar acidentalmente. Não se sabe o fim da história porque outra ação aparece na sequência: um homem com rosto desesperado abre a porta do carro, começa a vomitar e tomba para fora, batendo a cabeça com força no asfalto. São cenas degradantes, deploráveis, que expõem seres humanos em situações perigosas. Ainda assim, o nome da gravação exibida na internet explora o suposto lado cômico das situações: “Os mais engraçados vídeos de bêbados de todos os tempos”. Foram vistos mais de 3,1 milhões de vezes. Enquanto 2,1 mil pessoas se deram ao trabalho de curtir as imagens, apenas 401 sinalizaram não ter gostado.
Mensagem passada pelos vídeos é de que beber até cair é normal, divertido, engraçado

No YouTube, o maior canal de compartilhamento de vídeos da rede mundial de computadores, a bebedeira é sinônimo de diversão. Foi o que constatou uma análise do Centro de Pesquisa de Mídia, Tecnologia e Saúde da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos. Depois de analisar os 70 vídeos mais populares do site que mostram pessoas intoxicadas por álcool, os investigadores concluíram que são poucos os que associam esse comportamento a algo negativo. “As imagens retratam a situação como se fosse divertida e socialmente recompensadora”, observa Brian A. Primack, médico e diretor do centro e vice-chanceler de saúde e sociedade da Faculdade de Saúde Pública da universidade.

A popularidade dos vídeos foi medida pelo número de vezes que foram vistos. No total, as 70 filmagens — todas dos EUA — alcançaram mais de 330 milhões de exibições. Em 79% dos clipes, o humor foi justaposto ao álcool. Em 24%, havia veículos motorizados envolvidos; em 89%, os protagonistas eram do sexo masculino; e, embora 86% dos vídeos tenham mostrado pessoas claramente intoxicadas pelo álcool, somente 7% faziam alguma referência à dependência química. Em média, receberam 23,2 “likes” para cada “dislike”.

Para chegar a essas gravações, que têm, em média, quatro minutos de duração, os pesquisadores selecionaram cinco termos populares que, em inglês, são sinônimo de bebedeira. Essas palavras foram jogadas no YouTube, que já mostra, nas duas primeiras páginas, os 20 mais populares em termos de exibição. Ao mesmo tempo, os investigadores separaram os 20 com mais “likes”. No total, foram 200 clipes. Aqueles duplicados ou irrelevantes (que, apesar de surgirem na busca, não tinham nada a ver com álcool) foram excluídos da análise, assim como os que não eram falados em inglês. Assim, sobraram 70. O estudo qualitativo das imagens levou em consideração as características sociodemográficas, a forma como o álcool era retratado, o grau de consumo dele, as consequências da ingestão das bebidas e as características associadas a ela.

A principal mensagem passada pelos vídeos foi a de que beber até cair é normal, divertido, engraçado, torna as pessoas mais aceitas socialmente e, eventualmente, até mais atraentes. “Justamente o oposto da realidade. Diversas pesquisas indicam que, na verdade, a bebida excessiva está associada ao aumento de riscos comportamentais e a consequências negativas, como se envolver em brigas, exibir comportamento sexual arriscado, abusar de tabaco e outras drogas, se envolver em acidentes automobilísticos, cometer suicídio e desenvolver dependência química”, observa Brooke Molina, professora de psiquiatria e psicologia e diretora do Programa de Pesquisa Familiar e da Juventude da Universidade de Pittsburgh. “De fato, o álcool continua sendo a raiz principal das morbidades e mortalidade entre adolescentes e adultos”, complementa.

Perigoso potencial
De acordo com Brian A. Primack, ao se pensar em campanhas públicas de combate ao álcool, poucos procuram, na rede mundial de computadores, pistas sobre como as pessoas enxergam o comportamento abusivo. “Dessa forma, são raras as pesquisas que examinam as mensagens veiculadas na internet relativas à bebida”, afirma, lembrando que essa é justamente um dos mais acessíveis e atrativos tipos de mídia.

O especialista em meios de comunicação de massa afirma que diversos componentes sociodemográficos, pessoais e ambientais têm sido associados às consequências negativas da ingestão de álcool na adolescência e na juventude, e a exposição à mídia está entre eles. “No geral, crianças e jovens de 8 a 18 anos estão expostos a mensagens midiáticas entre oito e 10 horas por dia, e muitas dessas glamourizam o uso do álcool. Nessa faixa etária, descobrimos, em um estudo anterior, que as pessoas são expostas, por dia, a 35 referências explícitas ao álcool vindas somente das músicas que escutam. A maior parte dessas mensagens associa o álcool ao sucesso social, sexual e financeiro”, conta.

Por outro lado, a mídia narrativa, como filmes e séries de televisão, e a persuasiva (anúncios e comerciais) relacionam a bebida à iniciação do adolescente no mundo adulto. “Algumas pesquisas constataram que assistir a videoclipes com conteúdo relacionado ao álcool está associado ao consumo precoce da bebida, ao aumento dessa ingestão e à diminuição da percepção dos riscos de se dirigir bêbado”, observa. “Imagine, então, o potencial dos vídeos postados no YouTube que retratam a intoxicação alcoólica como algo hilário e socialmente aceitável.”

Para Primack, o resultado da pesquisa pode servir para formuladores de políticas públicas direcionarem melhor suas campanhas, principalmente as elaboradas para a internet. Além disso, ele alerta aos usuários da rede para ficarem mais críticos com o que veem, especialmente em relação às mensagens sobre bebidas alcoólicas. “Os mais jovens podem ser muito sugestionáveis. Quando eles veem o álcool ser ligado a humor, atratividade e consequências positivas, tendem simplesmente a atribuir valor a essas associações. Os pais e os professores devem ficar de olho nisso e orientar os jovens para que sejam mais críticos a respeito das mensagens que recebem”, alerta.

Ligação com distúrbios alimentares
Beber em binge na adolescência já foi associado a uma variedade de problemas, incluindo piora na performance escolar e comportamento sexual de risco. Agora, um estudo publicado na revista Alcoholism: Clinical & Experimental Research mostrou que ingerir quantidades exageradas de álcool em uma única ocasião também está ligado a distúrbios alimentares, especialmente em garotas.

“Há pouca pesquisa que investigue essa associação. Os trabalhos com esse foco na América do Norte sugerem que adolescentes que bebem em binge também podem ter problemas distúrbios, como comer demais, usar remédios emagrecedores e purgantes”, observou Andrew Stickley, pesquisador da Universidade de Södertörn, na Suécia, e coautor do artigo Stickley usou informações da Avaliação Social e de Saúde, uma pesquisa epidemiológica feita com estudantes de Arkhangelsk, na Rússia. Foram analisados dados de 2.488 alunos de 13 a 17 anos, sendo 1.485 meninas e 1.003 meninos. A equipe debruçou-se sobre os dados referentes a distúrbios alimentares — preocupação com peso, sentir-se gordo, jejuar, fazer exercícios demasiados e comportamentos purgativos — assim como o hábito de beber em binge, que se define como tomar cinco ou mais drinques em uma só ocasião.

“Há duas descobertas principais. Primeiro, é que comportamentos alimentares problemáticos são algo muito comum entre adolescentes russos, especialmente as meninas. Segundo, que beber em binge está associado a distúrbios alimentares em ambos os sexos, embora essa relação seja mais frequente entre garotas”, disse o especialista.

Bebidas e laxantes
No universo pesquisado, quase 50% das meninas se preocupavam em saber como parar de ganhar peso, jejuavam ou exageravam nas atividades físicas para não engordar. Entre os meninos, esses comportamentos eram menos prevalentes, embora 35% deles tenham reportado comer em excesso. Comportamentos purgativos, como vomitar, eram comuns entre ambos os sexos.

Depois de ajustar as comorbidades em potencial, para garotas, o hábito de beber em binge estava associado aos cinco problemas alimentares. Já entre os rapazes, a dois: sentir-se gordo e vomitar ou usar laxantes. Para Stickley, isso significa que a associação entre beber em binge e ter distúrbios alimentares é uma realidade não apenas americana.

Ele sugere que outras nações devem realizar mais estudos para verificar a existência dessa associação em adolescentes e adultos, e aconselha os médicos e os especialistas em prevenção a investigarem a comorbidade de comportamentos em pacientes que ou bebem em binge ou têm distúrbios alimevntares. “Quando um é detectado, pode ser que o outro também esteja presente”, diz.


Mais vulneráveis
“O álcool é um dos três principais fatores de risco para o desencadeamento de doenças e, em adolescentes, a bebida aumenta a probabilidade de se envolver em acidentes e em comportamentos de risco, como sexo desprotegido. A exposição ao marketing já foi identificada como um fator que pode levar ao consumo. A internet é uma área em que a exposição de jovens ao marketing da bebida é potencialmente alta: somente na Europa, até 30% dos usuários têm menos de 25 anos e passam, em média, 30 horas por mês na rede. Um fenômeno mais recente é a emergência do marketing do álcool nas mídias sociais, incluindo o Facebook e o YouTube. O impacto que essas mensagens têm sobre os jovens dependem do conteúdo e da quantidade da exposição. Um conteúdo apelativo e que associa a ingestão da bebida ao bom humor terá um potencial grande de convencimento para essa faixa etária.”

Eleanor M. Winpenny, especialista em análise sobre marketing do álcool

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA