Queda na produção de testosterona acomete homens a partir dos 40

Conhecida popularmente e de forma equivocada como andropausa, deficiência androgênica de envelhecimento masculino que assombra homens tem tratamento

por Márcia Maria Cruz 15/02/2015 12:27

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

VALF
Termo 'andropausa' faz referência à menopausa, mas fenômenos não são equivalentes (foto: VALF)
Disfunção sexual, perda da libido e de massa muscular assombram alguns homens. O motivo por trás desses sintomas pode ser a deficiência androgênica de envelhecimento masculino (DAEM), enfermidade caracterizada pela redução na produção da testosterona, que pode acometê-los a partir dos 40 anos.

 

O problema é identificado por muitas pessoas como andropausa e, segundo os médicos, equivocadamente. De acordo com Antonio Peixoto de Lucena Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Urologia, Regional Minas (SBU-MG), andropausa faz referência à menopausa, mas trata-se de processos distintos e que não se equivalem.


Diferentemente da mulher, o homem mantém a fertilidade por toda a vida. Todas elas passam pela menopausa, mas apenas 4% deles enfrentarão a DAEM. As mulheres passam pela puberdade, quando são desenvolvidas as características femininas e todas as condições para a produção de óvulos ao longo da vida, mas, por volta dos 50 anos, há uma interrupção total na produção de hormônios.


Já os homens, ao passar pela puberdade podem, eventualmente, ter uma redução hormonal, mas continuam produzindo as células sexuais por toda a vida. “Andropausa está incorreto, porque, diferentemente da mulher, a função testicular não cessa. Os testículos têm função de produção de espermatozoides e hormonal. O que ocorre na DAEM é a diminuição da produção hormonal, mas continua a produzir os gametas. No caso do homem, portanto, não existe um momento específico comparável à menopausa, na qual a mulher deixa de menstruar e perde sua capacidade de reprodução. DAEM não determina o fim da fertilidade”, afirma o médico Francisco de Assis Teixeira Guerra.

EM/D.A Press
(foto: EM/D.A Press)
Devido a essa queda hormonal, os homens poderão sofrer com disfunção sexual, perda de pelo, diminuição da libido, aumento da circunferência abdominal, alterações do humor, com maior irritabilidade e déficit de atenção. O coordenador do Departamento de Andrologia da SBU, Eduardo Bertero, diz que, muitas vezes, a DAEM não é diagnosticada, porque os sintomas se confundem com outras doenças. Podem ser resultados de uma crise de estresse e até mesmo de uma depressão. “É preciso que o homem fique atento, pois pode ser uma redução na produção de hormônios”, alerta Bertero.

O DIAGNÓSTICO E A ORQUESTRA O diagnóstico pode começar a ser feito em uma consulta clínica, mas é preciso fazer um exame laboratorial para confirmar a redução hormonal. Francisco de Assis ressalta que a testosterona é o principal e mais importante dos hormônios sexuais masculinos. É produzida nos testículos (95%) e glândulas adrenais (5%). A produção varia no decorrer do dia e pode ser até 30% maior nas primeiras horas da manhã e menor entre as 18h e as 20h.


A testosterona é o hormônio masculino responsável pelas características sexuais masculinas, fertilidade e desempenho sexual. Também atua no metabolismo, sendo fundamental para a formação da massa muscular. Como age nas emoções, o excesso está associado à maior agressividade.

 

“A testosterona atua como um maestro que rege uma orquestra que, sob a sua batuta, se harmonizam as funções cardiovascular, cerebral, muscular, sexual, óssea, entre outras”, diz o urologista Antônio de Moraes Jr.


A partir dos 40 anos, é indicado que o homem procure se consultar com um urologista para um check-up. A consulta ao especialista poderá ajudar tanto a identificar a deficiência hormonal como apontar outros problemas que os acometem a partir dessa faixa etária, a exemplo do câncer de próstata. A DAEM deve ser lembrada na anamnese. É importante que os médicos fiquem atentos aos sintomas, sob o risco de passarem despercebidos ou ser interpretados como de outra origem.

 

Tratamento via reposição hormonal

O tratamento da deficiência androgênica de envelhecimento masculino (DAEM) se dá por meio da reposição hormonal, que pode ser de longa duração, administrada por via intramuscular, e a testosterona, de aplicação diária, por via transdérmica (gel ou solução).

São vários os medicamentos disponíveis no mercado para tratar a doença. Há injeções que têm que ser aplicadas por toda a vida no intervalo de 21 dias entre as doses. Outras podem ocorrer de três em três meses. “É um tratamento de sucesso no mundo todo”, diz o coordenador do Departamento de Andrologia da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), Eduardo Bertero.

 

Também há tratamento de uso tópico. O androgel é aplicado no abdômen e pode ser absorvido pela pele. Ainda há um medicamento de solução alcoólica, aplicado embaixo do braço como um desodorante.

Há uma preocupação de quem faz a reposição hormonal se o tratamento pode resultar em câncer de próstata. Segundo médicos, a reposição hormonal não aumenta a incidência de câncer de próstata, mas só deve ser iniciada depois de avaliação urológica. “Os estudos demonstram que não favorece o crescimento de câncer de próstata no homem de forma em geral”, afirma Bertero.

De acordo com o médico Francisco de Assis Teixeira Guerra, os homens tratados com sucesso para câncer de próstata e com indicação de reposição de testosterona podem se submeter ao tratamento após um prudente intervalo de observação e se não houver evidência clínica e laboratorial de recidiva do câncer.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA