Você sabia que secadores de mãos ajudam a espalhar bactérias? Entenda o motivo

O biomédico Roberto Martins Figueiredo, conhecido como Dr. Bactéria, listou oito mitos sobre higiene e limpeza, entre eles, o que secadores de mãos são mais eficientes que as toalhas de papel. Veja por quê:

por Alessandra Alves 09/02/2015 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
SXC.Hu/Banco de Imagens
(foto: SXC.Hu/Banco de Imagens)
Sabe aquela regra de que se o alimento cair no chão e você retirá-lo em menos de cinco segundos, ele não foi contaminado? Ela não existe. Funcionaria, talvez, se as bactérias pudessem contar. Ou tivessem um cronômetro. Segundo o biomédico Roberto Martins Figueiredo, o Dr. Bactéria, se algum alimento cair no chão, ele precisa ser eliminado. Não importa se o chão foi limpo naquele instante, porque o próprio desinfetante contém bactérias. Este mito foi criado e espalhado com o tempo, junto a uma série de equívocos que, se não forem desmentidos, podem contribuir com a proliferação de doenças. Confira na lista abaixo, 8 mitos sobre higiene e limpeza:

1) A regra dos cinco segundos
Dr. Bactéria: Como já foi dito, não é verdade. Se um alimento cair no chão, mesmo que a superfície tenha sido limpa naquele momento, a comida precisa ser eliminada.

2) Secadores de mãos são mais eficientes que toalhas de papel
DB: Mentira. Pelo contrário, eles espalham germes no ambiente. Se você secar as mãos com uma toalha de papel, os riscos de contaminação diminuem 40%. Se secar com o ar quente, aumentam em 250% porque os secadores fazem uma captação do ar do banheiro.

SXC.Hu/Banco de Imagens
10% de todas as pessoas do mundo não lavam as mãos depois de usarem um banheiro público (foto: SXC.Hu/Banco de Imagens)

3) Sabonete mata os germes
DB: Na verdade, os sabonetes em barra que não são bactericidas concentram germes. Por isso, o sabonete líquido é o mais indicado.

4) Vírus se mantêm vivos em superfícies rugosas por mais tempo
DB: O que os germes realmente necessitam é umidade. Quanto mais umidade, mais tempo eles podem sobreviver. Um pano de cozinha úmido tem um milhão de bactérias a mais que a tampa de um vaso sanitário, por exemplo.

5) Urina desinfecta queimaduras e picadas
DB
: Não indicaria isso de modo algum porque a urina é feita de material orgânico, passível de contaminação. Se você coloca a urina em uma ferida, possibilita uma contaminação ainda maior. Nestas situações, recomendo utilizar vinagre branco.

SXC.Hu/Banco de Imagens
Carrinhos de supermercado possuem mais germes que um vaso sanitário (foto: SXC.Hu/Banco de Imagens)

6) O vaso sanitário é extremamente contaminado
DB
: Há lugares mais contaminados que um vaso sanitário, como o mouse e o teclado de um computador, seu celular, o estribo dos ônibus coletivos, carrinhos de supermercado...

7) Todo mundo lava as mãos
DB
: 10% de todas as pessoas do mundo não lavam as mãos depois de usarem um banheiro público, segundo um estudo divulgado pela Universidade de Michigan. Mas a neurose pode ser ruim. Se você lava as mãos mais de 8 vezes por dia, a quantidade de bactérias começa a diminuir, é um hábito excelente. Se você lava mais de 25 vezes, a quantidade volta a aumentar, porque diminui a resistência natural da pele às contaminações. Mais do que isso, já vira Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC).

8) Todo mundo lava as mãos corretamente
DB
: 95% das pessoas não faz isso da forma correta. Nos cursos que eu dou, coloco um pouco de tinta guache nas mãos das pessoas e peço que elas lavem. Elas abrem as mãos e vêem que deixaram tinta. É preciso lavar a palma das mãos, entre os dedos, as ponta dos dedos, o pulso, a superfície. E uma lavagem correta não signigica que você precisa desperdiçar água. Você molha as mãos, coloca o sabonete e para ensaboar deixa a torneira fechada. Veja qual a forma correta de higienizar as mãos:


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA