Pesquisa mostra que usuários de emojis em chats fazem mais sexo

Estudo com mais de 5,6 mil americanos revelou que quem usa as famosas carinhas tende a sair com mais pessoas e ter mais chances de relações sexuais

por Correio Braziliense 05/02/2015 14:28

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Eis uma pesquisa, ao menos, inusitada. Segundo o site de encontros Match.com, 54% dos solteiros que usam emojis - aquelas carinhas dos apps de mensagem - fizeram sexo em 2014, enquanto apenas 31% dos solteiros que não usam as figuras tiveram relações sexuais no mesmo ano. Além disso, 64% dos homens e 46% das mulheres que usam os emojis regularmente fazem sexo pelo menos mensalmente.

A pesquisa foi feita com mais de 5,6 mil solteiros, entre homens e mulheres, espalhados pelos Estados Unidos e trouxe outras curiosidades em relação a linguagem utilizada pelos entrevistados. Os emojis mais usados, por exemplo, são respectivamente wink, smiley and kiss, ou em uma tradução livre: piscadinha, sorriso e beijinho (com coração), como mostrado abaixo. Segundo os pesquisadores, o motivo dessas figuras serem mais populares é que as imagens representando expressões corporais são melhores para passar sentimentos (fica a dica).



Em compensação, algumas figuras podem ser mal interpretadas ou causarem pouco efeito, como os lábios com batom, os macaquinhos ou a "information girl", representadas abaixo também.



Outro fator observado pela Dra. Helen Fisher, que liderou a pesquisa, é que os usuários de emojis buscam mais que relações sexuais. "Eles têm mais encontros e costumam ser duas vezes mais propensos a quererem se casar", afirmou a pesquisadora em entrevista para a publicação Time. Como prova, o estudo mostrou que 62% dos usuários de emoji querem se casar, enquanto apenas 30% dos que não usam as carinhas tem o mesmo interesse.

Por fim, uma dica aos homens. Enquanto os emojis costumam ajudar nos relacionamentos via chats digitais, 70% das mulheres entrevistadas não curtem conversas muito apimentadas, chamado de sexting, e 48% delas não estão interessadas em selfies dos rapazes.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA