Peso de mochilas preocupa pais de estudantes e ortopedistas

Academia Americana de Pediatria considera que o ideal é que a mochila tenha entre 10% e 20% do peso corporal do estudante

por Agência Brasil 01/02/2015 13:39

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Elio Rizzo/Esp. CB/D.A Press
As alças devem ser acolchoadas, reguláveis e com largura mínima de quatro centímetros na altura dos ombros (foto: Elio Rizzo/Esp. CB/D.A Press)
Livros, cadernos e apostilas enchem as mochilas dos estudantes, e o peso carregado por eles, diariamente, preocupa pais e especialistas. Usar o modelo adequado de mochila, carregá-la de forma correta e eliminar itens desnecessários são algumas das alternativas que podem amenizar o problema. Há escolas que têm adotado medidas como instalar armários para o aluno guardar o material.

A Academia Americana de Pediatria considera que o ideal é que a mochila tenha entre 10% e 20% do peso corporal do estudante. Há estudos que apontam que o ideal é que o peso da mochila não exceda 10% do peso corporal. Má postura, dores e problemas de locomoção são alguns dos problemas que o excesso de peso pode causar, de acordo com a cartilha feita em parceria pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) e o Proteste.

Ao escolher uma mochila, é importante que ela não pese mais que meio quilo quando vazia. O ideal é que seja de duas tiras, pois as de uma tira não distribui o peso uniformemente nos ombros. O estudante deve tensionar as tiras para que a mochila fique bem junto ao corpo e aproximadamente cinco centímetros acima da linha da cintura.

As alças devem ser acolchoadas, reguláveis e com largura mínima de quatro centímetros na altura dos ombros. Tiras estreitas podem causar compressão nos ombros e restringir a circulação. É interessante também concentrar os objetos mais pesados no centro da mochila e mais próximos das costas.

Em Brasília, o Colégio Marista desenvolveu durante três anos um projeto com vídeos e orientação dos professores para estimular o uso dos armários, locados pela escola, e da mochila de rodinhas, e fez a Blitz da Mochila. Na blitz, os professores conferiam na chegada dos estudantes quem estava com um modelo adequado e carregava o material de forma correta. Houve também balanças para pesar a mochila. Quem estava com tudo certo ganhava um adesivo atestando aprovação.

A partir do sexto e sétimo anos, os estudantes começam a achar que utilizar a mochila de rodinha é "mico", então, compram a mochila de alça, que pesa de sete a oito quilos com o material, e usam pendurada em um ombro só. Não tem como reduzir os livros, então compete às escolas um bom trabalho de conscientização com os meninos.

Compete também aos pais verificar, periodicamente, o material dos filhos para conferir se não estão carregando objetos desnecessários. Muitos estudantes carregam joguinhos, revistas, gibis e aumentam o peso. Se eles levarem para a escola apenas o necessário, certamente haverá redução do peso.

Também é preciso ter cuidado com o uso da mochila de rodinhas. A alça do carrinho deve estar a uma altura apropriada às costas retas ao puxá-la. A cartilha do Proteste e SBOT alerta que para que essa seja uma opção melhor, as escolas devem adotar rampas e elevadores para evitar que as crianças tenham que levantar a mochila nas escadas.

As discussões em torno do excesso de peso das mochilas de crianças e adolescentes resultaram em projeto de lei que tramita no Congresso Nacional, segundo o qual as mochilas devem ter, no máximo, 15% do peso do estudante.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA