Qual é a diferença entre protetor e bloqueador? Roupa com proteção solar funciona? Esclareça 8 dúvidas para não errar

Escolher o filtro solar adequado é fundamental para evitar queimaduras provocadas pelos raios solares

por Celina Aquino 27/01/2015 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Martin Bernetti/AFP-24/1/09
Deve-se aplicar o filtro solar de maneira adequada, sempre em quantidade generosa (foto: Martin Bernetti/AFP-24/1/09)
Spray, creme ou gel. FPS 4 ou 60. Afinal, qual protetor solar usar? É tão variada a oferta nas prateleiras que costumam surgir dúvidas na hora da escolha. “Para cada tipo de pele tem um filtro solar ideal”, resume o dermatologista Abdo Salomão. Ou seja, não existe desculpa para dispensar o produto, principalmente em dias de calor intenso. O sol em excesso provoca envelhecimento precoce, já que a radiação fragmenta as fibras de colágeno, que dão firmeza e elasticidade à pele. Indo além, a falta de proteção leva ao surgimento de manchas e outras alterações estéticas. Com o tempo, pode até ser responsável pelo temido câncer de pele.

Entre as informações contidas nas embalagens, destaque para a sigla FPS, que significa fator de proteção solar. Ela mede o grau de proteção contra os raios UVB, responsáveis pela queimadura, determinando por quanto tempo a pele permanece sem sofrer os efeitos nocivos do sol. Usando um produto com FPS 10, por exemplo, a pele demorará 10 vezes mais para ficar vermelha. “O FPS deve ser de, no mínimo, 30. Abaixo disso é insuficiente para barrar a radiação ultravioleta”, alerta Salomão. Já as siglas PPD ou IPD apontam a proteção contra os raios UVA. Para não confundir ainda mais, o dermatologista sugere procurar pelo aviso de amplo espectro, que indica que você estará totalmente protegido contra todos os tipos de radiação vindAs do sol.

Geralmente, a pele do rosto é mais oleosa que a do corpo, porque concentra um número maior de glândulas sebáceas. Por isso, Salomão recomenda comprar um produto diferente para cada uma delas. Os mais indicados para a face são protetores solares com toque seco, chamados de oil free (em inglês, livre de óleos), que depois de alguns minutos somem e não deixam a pele brilhante. Quem sofre com acne ainda tem a opção de usar um filtro solar em gel, principalmente à base de álcool, substância bactericida que ajuda ainda mais a pele oleosa. Já os produtos em forma de spray ou loção são mais utilizados em áreas do corpo com pelo, como a cabeça, pois a parte líquida evapora e permanecem os fatores de proteção físicos. “O próprio cabelo contém melanina, que funciona como protetor solar, mas quando ele está ralo tem que reforçar. A incidência solar no calvo é muito maior”, alerta o dermatologista. O alto da cabeça é o segundo lugar do corpo com mais casos de câncer de pele.

FÁCIL DE USAR
O farmacêutico Maurício Gaspari Pupo acredita ser importante escolher o protetor solar que ofereça uma sensação mais agradável à pele. “Tem que ser um produto fácil de espalhar e gostoso de ser aplicado. Se ficar grudando na roupa, por exemplo, a pessoa não usa. O sensorial faz uma grande diferença”, opina. O filtro também deve ser resistente à água, para que não seja removido facilmente na praia, piscina ou com transpiração excessiva. Além disso, é recomendado evitar aqueles que contenham fragrância e conservantes alergênicos (em especial o parabeno), responsáveis por 40% e 50% das alergias a cosméticos, respectivamente. Muitas pessoas deixam de usar por causa de uma reação alérgica.

Para que a pele fique inteiramente protegida, deve-se aplicar o filtro solar de maneira adequada, sempre em quantidade generosa. Não adianta nada comprar um produto com FPS 60 e passar uma camada tão fina que só restará FPS 10 na superfície. Pupo ensina a calcular 2mg para cada centímetro quadrado de pele, o que equivale a uma colher de chá bem cheia para o rosto e quatro colheres de sopa para o corpo de um adulto. “A única maneira de ter na pele o mesmo fator de proteção indicado no rótulo é usar a quantidade adequada, principalmente na criança, que não se lembra de queimadura.” O farmacêutico informa que os produtos com 12 horas de duração de fato não precisam ser reaplicados, mas a maioria dura apenas 1h30 sobre a pele. Logo, é fundamental repassar o filtro solar a cada duas horas. Em dias extremamente quentes, deve-se considerar um intervalo ainda menor para garantir a proteção.

Recentemente, chegaram ao mercado produtos que também protegem a pele contra a luz visível, que provoca um malefício semelhante ao UVA, incluindo câncer, envelhecimento precoce e manchas. O inimigo principal é a luz azul, considerada a mais perigosa, que está presente em todo lugar, como em ambientes iluminados com lâmpada fluorescente ou com a televisão ligada. Outra novidade é a proteção contra a radiação infravermelho, que também danifica a pele.

TIRE SUAS DÚVIDAS
A dermatologista Adriana Benito, da rede de clínicas Pró-Corpo Estética, responde a algumas das perguntas mais frequentes no consultório sobre protetor solar

Qual é a diferença entre protetor e bloqueador solar?
» O protetor solar tem componentes que absorvem os raios UVA e UVB e os transformam em luz visível, inofensiva para a pele. Já o bloqueador reflete a radiação UV e geralmente contém óxido de zinco ou dióxido de titânio. Quando aplicado, deixa a pele esbranquiçada e opaca, inibindo o bronzeado. O bloqueador solar costuma ser usado por pessoas muito claras e de pele sensível ou em áreas que sofreram cirurgias. Também é recomendado por dermatologistas para quem fez peeling, para impedir a penetração dos raios solares.

Protetor solar em maquiagem substituio uso do protetor convencional?
» Existem apresentações de protetores solares em base e batom que podem substituir o protetor comum, mas, para efetivamente proteger a pele, o produto precisa oferecer FPS e PPD adequados, o que na maioria das vezes não se observa. Também é importante utilizar a quantidade correta.

É verdade que, acima do FPS 30, todos os produtos têm o mesmo efeito?
» Não. O filtro solar com FPS 30 bloqueia a maior parte dos raios UV e o aumento do FPS realmente aumenta pouco esse percentual. A questão é que, usando um filtro solar com FPS 30, a pele levará 30 vezes mais tempo para ficar vermelha, enquanto com um filtro com FPS 60 o tempo será 60 vezes maior. Se o tempo para a pele ficar vermelha aumenta, significa que protege mais e melhor.

Existe diferença de protetor solar para pele clara e escura?
» Pessoas com pele negra necessitam de um protetor com FPS entre 6 e 15. Já quem tem pele morena deve optar por uma FPS entre 20 e 25 e a pele clara exige uma FPS acima de 30.

Vestir camiseta ou outras roupas substitui o uso do protetor solar?
» Peças escuras, embora mais quentes, protegem mais a pele do que roupas claras porque absorvem a radiação. Há disponíveis no mercado roupas com protetor solar. Se não puder comprá-las, prefira roupas feitas com poliamida. Mas, mesmo que esteja vestido, não abandone o protetor solar.

Existe protetor solar para o couro cabeludo?
» Sim. Além dos protetores solares capilares, também existem cremes para pentear com proteção solar, que não são difíceis de encontrar. É o método ideal para praia e piscina. Eles evitam danos ao cabelo e ao couro cabeludo. No dia a dia, cremes e leave-ins também são indicados. Algumas marcas de gel têm proteção solar. Existem também alguns hidratantes em spray, mais leves que os cremes.

Qual a diferença entre protetores em spray, creme e gel?

» Todos têm o mesmo princípio ativo, mas podem ter vantagens, dependendo do tipo de pele. Os cremes são indicados para quem tem pele ressecada, porque ajudam a hidratar, além de proteger. O gel é ideal para as peles oleosas, porque não deixam aspecto pegajoso nem a superfície cutânea gordurosa. A opção spray serve para economizar tempo de aplicação, sendo muito mais prática que loções e texturas de gel.

Quem tem alergia, o que deve fazer para se proteger do sol?

» Nada substitui por completo a ação do filtro solar. A melhor saída é descobrir a substância que causa alergia e encontrar um produto que não a contenha. Para isso, procure um especialista e mostre a ele os protetores que costuma utilizar. Assim, o médico pode analisá-los e indicar outros que sejam inofensivos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA