Campanha mundial quer acabar com preconceito a pessoas com hanseníase

Doença tem cura e diagnóstico precoce e tratamento previnem deformidades. Brasil ocupa o segundo lugar no mundo em casos de hanseníase

por Agência Brasil 27/01/2015 11:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução Internet - http://www.nippon-foundation.or.jp
"Pensar sobre a hanseníase é pensar sobre a humanidade", apelo global lançado no Japão quer acabar com o preconceito contra quem tem a doença (foto: Reprodução Internet - http://www.nippon-foundation.or.jp)
O Apelo Global 2015 para a Erradicação do Estigma e do Preconceito contra Pessoas Atingidas pela Hanseníase foi lançado hoje nesta terça-feira (27/01), em Tóquio, no Japão. A iniciativa, que chega à sua 10ª edição, foi organizada pela instituição japonesa The Nippon Foundation com o apoio do Conselho Internacional de Enfermagem e o objetivo é conscientizar as pessoas sobre a discriminação que pacientes ainda sofrem (acesse o hotsite da campanha).

“Nossa mensagem é clara: hanseníase pode ser curada. Remédios matam a bactéria. Diagnóstico precoce e tratamento previnem deformidades. Não há mais motivo para isolar as pessoas com a doença”, dizem as instituições em um comunicado.

“Faremos os esforços necessários para ajudar as pessoas que ainda estão em clínicas para viver mais confortavelmente e acabar com a discriminação contra a hanseníase”, disse o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que participou da cerimônia de lançamento.

Segundos dados da The Nippon Foundation e do Conselho Internacional de Enfermagem, todos os anos, mais de 200 mil novos casos são diagnosticados em todo o mundo. Apesar de a doença poder ser curada, pessoas com hanseníase e seus parentes continuam a sofrer discriminação afetando suas perspectivas de educação e emprego.

Assista ao recado de Dalai Lama (legendas em inglês):

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA