Picolé de leite materno é tendência para refrescar bebês nesse verão

O tetolé é fácil de fazer e ajuda a refrescar recém-nascidos durante a temporada de calor; veja como

por Gabriella Pacheco 19/01/2015 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arquivo Pessoal
Luiza, de cinco meses, é a 'garota propaganda' do tetolé. No instagram @sospediatra a fotinha dela já teve mais de 900 curtidas (foto: Arquivo Pessoal)
As altas temperaturas do verão são um desafio para todos, e com bebês não é diferente. Os recém nascidos também sofrem e precisam de atenção especial na estação. Uma dica que vira tendência nessa época é o tetolé, um picolé feito de leite materno.

“Ele normalmente vira moda no verão, mas pode ser feito durante o ano inteiro”, comenta a pediatra Vânia Gato, do SOSpediatra. Além de refrescar, ele também é indicado para aliviar a dor do crescimento dos dentes, uma vez que a baixa temperatura 'anestesia' a gengiva do bebê.

E não precisa ter medo, o tetolé não causa resfriados. “O que faz isso é vírus e bactérias, não sorvete ou picolés”, explica. Mas para tanto, alguns cuidados são fundamentais. “A coleta do leite deve ser feita como se fosse para estocar. Tudo tem que estar muito bem lavado, é aconselhável que a mãe esteja de máscara, em um ambiente calmo e tranquilo. O pote tem de estar esterilizado e deve ser, preferencialmente, de vidro”, recomenda.

O tetolé pode ser feito em forminhas de gelo, de picolé ou até na tampa da mamadeira ou chupeta. Independentemente de qual forma for usada, ela deve sempre ir ao freezer fechada, seja com tampa ou com papel filme. “É indicado também anotar a data em que ele foi coletado na forminha. O prazo de validade é de 15 dias”, alerta.

Depois disso, é hora da diversão. “Nesse calor minha filha se mostra bem feliz quando ofereço. Por ser o leitinho da mamãe e refrescante, ela adora”, conta a assistente de importação, Ellen Reis, mãe da Luiza, de cinco meses. “A primeira vez que experimentou, ela fez um pouco de careta. Ela nunca tinha sentido essa sensação de algo mais geladinho. Hoje quando mostro o tetolé, parece que ela já até conhece”, diz.


Vale lembrar que o tetolé não pode ser reaproveitado e não substitui a mamada. “O leite materno é extremamente perecível, então ele deve ser descartado após o uso. O tetolé é só uma diversão. O aleitamento deve continuar o mesmo”, pontua.

Cuidados

Seu bebê ainda não consegue falar, então lembre-se sempre que se o calor está te incomodando, ele sente isso também. Uma das dicas que pediatras dão para aliviar o desconforto é deixá-los com pouca roupa, peças frescas ou só de fralda.

Também é aconselhável que o ambiente seja fresco e ventilado. “As pessoas têm medo de deixar bebês em lugares com ar condicionado, mas ele pode ser usado sim, se em temperatura agradável, e tendo sempre o cuidado de hidratá-lo e pingar soro no nariz. O maior problema do ar condicionado é que ele resseca o ambiente. Óbvio que ele também tem que estar limpo”, afirma a pediatra da Sociedade Mineira de Pediatria, Lígia Kleim.

Banhos são sempre bem-vindos. A água pode estar um pouquinho mais fria que o habitual. Fora de casa, um borrifador de água ou pano molhado nas mãos, pés e nuca são uma boa dica para refrescar. Para bebês acima dos seis meses, outra opção de refresco é a água aromatizada com frutas.

A manutenção da hidratação deve ser atenção constante dos pais. “Deve-se ficar de olho no xixi. Se ele estiver muito concentrado é sinal de desidratação e uma médico deve ser consultado”, alerta Vânia Gato.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA