Gravidez ectópica é uma das principais causas de morte materna

Esse tipo de gestação é quando o feto se instala em outro local que não o útero, geralmente nas trompas

por Carolina Samorano 26/12/2014 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais
Pouco discutida e ainda um tanto quanto desconhecida entre mulheres, a gravidez ectópica — quando por algum motivo o feto se implanta fora da cavidade uterina — é responsável pela maior parte das mortes maternas nos Estados Unidos. No Brasil, segundo as estatísticas, também é uma das causas mais importantes de óbitos, sem falar dos casos em que há aborto espontâneo antes mesmo do diagnóstico.

Não se sabe exatamente o que leva a esse tipo de gestação. Em tese, qualquer mulher está sujeita. Alguns sintomas associados a fatores de risco, no entanto, ligam o sinal de alerta dos especialistas. “Existem vários fatores de risco. O principal é ter tido uma inflamação na trompa (anexite), que ficou mal curada e, consequentemente, defeituosa, dificultando a passagem do ovo. Então, ele se implanta ali. A mais comum hoje é a clamídia”, explica Roseane Mattar, presidente da Comissão de Gestação de Alto Risco da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). Além disso, contraceptivos hormonais com progesterona, como a pílula do dia seguinte, aumentam os riscos. “Na maioria das vezes, ela inibe a gravidez. Mas, quando falha, há risco de ser uma ectópica.”

Feito o diagnóstico, o tratamento precisa ser rápido. Segundo especialistas, em grande parte das vezes, a gravidez involui sozinha. Mas, sem o aborto espontâneo, interromper a gravidez, seja com intervenção cirúrgica, seja com tratamento medicamentoso, é questão de vida ou morte para a mãe — o risco de a gestação causar o rompimento das trompas e uma consequente hemorragia interna grave é grande. “Mesmo que não haja o aborto espontâneo, é difícil essa gestação ir para frente, principalmente nas trompas. Quando é uma gravidez abdominal, ela até pode vingar, mas, geralmente, o bebê não sobrevive porque ele acaba tendo muitas malformações, uma comum, inclusive, o impede de respirar. Por isso se propõe o tratamento. A gravidez ectópica é sempre de risco, uma coisa bem grave”, sublinha Roseane Mattar.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA