Estudo confirma presença de substâncias cancerígenas em cigarro eletrônico

Vapores absorvidos contêm formaldeído, composto também conhecido como formol, que é considerado cancerígeno

por AFP - Agence France-Presse 27/11/2014 10:34

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
likeasmoke.com/Reprodução Internet
Taxa de formaldeído não é constante, varia durante a experiência e aumenta particularmente em caso de superaquecimento do fio de resistência integrado (foto: likeasmoke.com/Reprodução Internet)
O vapor dos cigarros eletrônicos contém substâncias cancerígenas, em quantidades muito variáveis que podem superar as concentrações da fumaça do cigarro tradicional, segundo um estudo japonês divulgado nesta quinta-feira (27 de novembro).

De acordo com o documento sem conclusões definitivas, os vapores absorvidos geralmente contêm, entre outros, formaldeído, um composto também conhecido como formol, que é considerado cancerígeno, acroleína, glioxal (o ethanedial) e também metilglioxal.

"As taxas variam consideravelmente de uma marca para outro e, inclusive, dentro da mesma marca, de uma mostra para outra", destacaram os cientistas, que mediram as concentrações das diferentes substâncias em cinco marcas (não citadas) de cigarros eletrônicos.

"Em uma das marcas analisadas, a equipe de pesquisa encontrou um nível de formaldeído que chegou a 10 vezes mais que o registrado em um cigarro tradicional", explicou o cientista Naoki Kunugita, que coordenou o estudo.

No entanto, a taxa de formaldeído não é constante, "varia durante a experiência e aumenta particularmente em caso de superaquecimento do fio de resistência integrado", destacou.

Os testes foram realizados com uma máquina que, a cada ocasião, realiza uma série idêntica de 15 aspirações, em 10 oportunidades, com o mesmo cartucho, com pausas.

O estudo do Instituto Nacional de Saúde Pública foi entregue ao ministério japonês da Saúde, que questiona, assim como seus equivalentes em outros países, até que ponto é necessário regulamentar o uso dos cigarros eletrônicos sem nicotina que utilizam líquidos perfumados.

Os consumidores de cigarros eletrônicos no Japão são menos visíveis que os fumantes tradicionais e as lojas especializadas consideravelmente menos numerosas, mas a transição do tabaco para o vapor é um fenômeno crescente que provoca a preocupação das autoridades.

"Uma séria ameaça"
Em agosto passado, a Organização Mundial de Saúde (OMS) pediu aos governos que proibissem a venda de cigarros eletrônicos a menores de idade, alertando que eles se tratam de uma "séria ameaça" para os bebês que ainda não nasceram e para os jovens.

Apesar das poucas pesquisas sobre seus efeitos, a OMS disse que há provas suficientes "para alertar crianças e adolescentes, mulheres grávidas e mulheres em idade reprodutiva" sobre a utilização dos cigarros eletrônicos, devido "à exposição potencial para os fetos e os adolescentes da exposição à nicotina, com consequências de longo prazo para o desenvolvimento cerebral".

A OMS também afirmou que os cigarros eletrônicos devem ser proibidos nos espaços públicos fechados.

Há alguns meses, as autoridades sanitárias americanas afirmaram que o número de jovens que provaram os cigarros eletrônicos triplicou entre 2011 e 2013.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA