Começam testes com vacina da hepatite C em humanos

Primeiro experimento com humanos indica que o imunizante é seguro. Futura análise indicará a eficácia dele

por Bruna Sensêve 07/11/2014 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
A recente aprovação de medicamentos antivirais para a hepatite C pelas principais entidades de regulação sanitária do mundo oferece novas opções de tratamento, mas a lacuna de uma vacina efetiva para o combate de novas infecções se mantém aberta e é alvo de intensa pesquisa. Cientistas da Universidade de Oxford (EUA) anunciaram  o primeiro teste clínico em humanos do que pode ser o primeiro imunizante contra a doença que atinge 150 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). A estratégia foi bem-sucedida no teste de segurança e parte para a segunda etapa, que comprovará a efetividade da imunização em um número maior de indivíduos. Novos resultados são esperados para o próximo ano.

Publicado na revista científica Science Translational Medicine, o estudo é considerado o primeiro grande experimento de eficácia e segurança de uma vacina profilática contra o vírus da hepatite C. O imunizante desenvolvido pela equipe liderada por Eleanor Barnes induz uma resposta mais intensa das células T, essenciais para o controle viral. Estudos anteriores em roedores e humanos mostraram que essas células têm um papel crítico no controle da infecção.

“Essa é uma forma relativamente nova de desenvolver vacinas. Normalmente, as existentes induzem anticorpos de catapora ou de rubéola, por exemplo”, diz Barnes. Em uma série de patógenos, como o da hepatite C e o do HIV, porém, essa estratégia simplesmente não dá certo. O pesquisador explica que isso acontece porque os anticorpos funcionam ao ter como alvo a parte de fora de um vírus. Mas, para o HIV e a hepatite C, essa é uma região muito variável. A estratégia de células T consegue atingir uma parte do vírus que é mais conservada. “A forma como estamos fazendo isso é usando vetores de adenovírus que foram desativados geneticamente e, por isso, não podem se reproduzir.”

O adenovírus é o causador da gripe comum a qual a maior parte dos seres humanos foi exposta. A nova vacina tira um componente do adenovírus e insere nele parte do vírus da hepatite C. Um dos problemas nessa estratégia reconhecido pela equipe é justamente o fato de a maior parte das pessoas já ter tido contato com ele — ou seja, há uma imunidade natural do organismo contra o patógeno. Para resolver essa situação, os pesquisadores usaram adenovírus de chimpanzés. “A quantidade de células T derivadas dali foi ainda maior que na primeira vacina”, diz Barnes. Essa explosão imune é o diferencial da vacina. “Alcançamos uma resposta de milhares enquanto até então era visto apenas centenas.”

Tratamento caro
Para Barnes, mesmo com o surgimento de novas e mais efetivas medicações, a necessidade de uma vacina se mantém. “Muitas pessoas devem ter ouvido falar recentemente que as novas drogas são maravilhosas e estão mudando o campo, mas os problemas com elas é que são muito caras”, argumenta. Segundo o pesquisador, os preços variam entre 30 mil libras esterlinas, no Reino Unido, e US$ 18 mil nos Estados Unidos por paciente. Outro obstáculo a ser ultrapassado são as longas semanas de tratamento.

“Elas também não protegem contra a reinfecção e podem estar associadas, em alguns cenários, à resistência viral. A vacina, ao contrário, pode proteger o paciente com uma ou duas doses para o resto da vida”, compara. Segundo o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, quanto mais próxima a comunidade científica estiver da vacina, mais próximo estaremos da erradicação da doença. “Se hoje a gente pode falar em eliminação da hepatite A, é por causa da vacina que introduzimos em 2014, assim como podemos falar de eliminação da hepatite B devido a uma vacina introduzida há 17 anos.” Por ser uma doença silenciosa, o diagnóstico precoce e até mesmo a estimativa real de pacientes atingidos pela hepatite C são complicadores de uma política pública de combate.

Até este semestre, a indefinição de um perfil da hepatite C no Brasil era de grande angústia, pois a notificação da doença é muito precária. A enfermidade tem muitas fases e, do momento da contaminação até a manifestação clínica, a demora é de 30 anos em média. As chances de captar o paciente antes da manifestação clínica são pequenas. Muitas vezes, é descoberto o câncer hepático ou a cirrose sem que seja identificada a causa inicial de todo o problema. “Os dados apontam para pelo menos 1,4 milhão de pessoas infectadas no Brasil. Basicamente, eles nos trouxeram uma luz que a população-chave é aquela acima de 49 anos, na qual temos que intensificar o diagnóstico e os exames laboratoriais”, complementa Mesquita.

Metade da previsão
Diferentemente da estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), que calculou cerca de 3 milhões de pessoas infectadas com o vírus da hepatite C no Brasil, os últimos dados do Ministério da Saúde apontam para uma incidência real de metade desse número: entre 1,4 e 1,7 milhão de brasileiros infectados. É menos que o imaginado, mas ainda muito acima do aceitável. A quantidade de indivíduos soropositivos no país, é a metade disso: 720 mil.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA