Usar o peso do próprio corpo para se exercitar será a grande onda fitness do próximo ano

Em 2015, simplifique a malhação. Atividades ao ar livre e ioga também fazem parte da lista

por Bruna Sensêve 05/11/2014 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
André Violatti/CB/D.A Press
Atividades ao ar livre também fazem parte da lista (foto: André Violatti/CB/D.A Press)
Valdo Virgo/CB/D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: Valdo Virgo/CB/D.A Press)
Flexões, barras, pranchas, lunges e agachamentos. No próximo ano, os halteres e as caneleiras permanecerão no chão, e a malhação se parecerá muito mais com as acrobacias de ginastas em barras, argolas e traves. A principal tendência fitness eleita por quase 3.500 profissionais de saúde e bem-estar de diversos países, inclusive o Brasil, para 2015 é o treinamento de peso corporal — ou body weight training, em inglês. Feita pelo Colégio Americano de Medicina do Esporte, a pesquisa foi publicada na edição deste mês do ACSM’s Health & Fitness Journal e aponta o retorno de uma prática esportiva de execução simples e com resultados reais, com exercícios que podem ser realizados por qualquer pessoa, mesmo aquelas que não têm aptidões motoras, de força ou flexibilidade abrangente.

Esse tipo de treinamento vem do treino funcional, também presente no ranking dos 10 principais programas fitness para o próximo ano. Segundo o professor de educação física e personal trainer Rafael Albuquerque, ainda nessa linha e em crescente popularidade estão os grupos de street workout. “São exercícios voltados para atividades de calistenia feitos só com o peso corporal, como subir em barras e paralelas. Lembra muito os movimentos da ginástica artística”, detalha. Ele garante que a modalidade também é tendência no Brasil e lembra práticas como o pole-dance. “Muitas vezes, não é vista como atividade física, mas usa-se bastante força para as manobras e a dança recorrendo apenas ao peso corporal.”

A calistenia foi criada com o objetivo de promover a saúde e a aptidão física em pessoas que não são atletas. A ginástica de academia, localizada e aeróbica, pode ser vista como uma neta da calistenia, pois foi fundamentada nos movimentos mais populares da vovó esportiva. “Não é nenhuma surpresa ver o treinamento de peso corporal chegando ao primeiro lugar. Esses tipos de exercícios têm o benefício de exigir pouco ou nenhum equipamento e são incorporados em muitos programas de fitness que estão populares atualmente”, comenta o principal autor da pesquisa, Walter R. Thompson.

Ele conta que alguns dos entrevistados argumentam que a economia influencia o resultado do ranking, fazendo com que os programas de treinamento que exigem equipamentos caros ou instrução técnica sejam preteridos devido ao alto custo. “Pilates, ciclismo indoor, bola de estabilidade ou treino de equilíbrio (balance) não apareceram na lista das 20 maiores tendências, por exemplo”, enumera Thompson. Segundo ele, o resultado também apoia a teoria de que essas eram modas e não tendências. “A zumba, o ciclismo indoor e o pilates tiveram seu prazo útil”, sentencia.

Reinvenções
Na opinião de Yves Vanlandewijck, professor da Faculdade de Cinesiologia e Ciências da Reabilitação e diretor do programa da Câmara de Educação Erasmus Mundus em Atividade Física Adaptada, de Leuven, na Bélgica, algumas modalidades precisam ser reinventadas para sobreviver. A ioga — em quinto lugar no ranking — seria uma das poucas que têm essa propriedade e consegue se diferenciar em modalidades para chegar a todos os tipos de público e objetivos.

“Não me surpreende que o treinamento intervalado de alta intensidade foi ultrapassado pelo treinamento de peso corporal depois da pesquisa do ano passado. Houve muitos relatos acerca das taxas elevadas de lesões com exercícios de alta intensidade em comparação com os de intensidade moderada. Isso provavelmente desencoraja algumas pessoas.” Já a presença na lista dos programas de exercícios especializados para adultos mais velhos é explicada também pela aparente força e popularidade dos treinos funcionais. “Isso pode estar relacionado ao envelhecimento das populações. O treinamento funcional é muitas vezes usado com populações idosas para aumentar a força e a resistência.”


Desempenho e aparência

“É um pouco surpreendente que as três tendências de fitness mais fortes para 2015 pareçam se concentrar no desempenho e na aparência, considerando que escolhas de vida atualmente são uma forte aposta da saúde. As principais apostas podem ter como causa o fato de que cerca de 50% dos entrevistados tinham 34 anos de idade ou menos e, por esse motivo, podem ter mais interesse nesses dois quesitos. Essa avaliação também pode ter mais aplicação para alguns locais do mundo do que para outros.”


L. Jerome Brandon, professor da Universidade de State Georgia, nos Estados Unidos

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA