Pais incluem crianças em seus hobbies, estendem tempo de convivência com filhos e conquistam mais afeto

Longe de deixar atividades prazerosas de lado, adultos investem na aproximação dos pequenos com seus passatempos favoritos; aumento na cumplicidade é um dos ganhos desta decisão

por Paula Takahashi 12/10/2014 10:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Arquivo pessoal
O corretor de seguros Guilherme Heleno começou a apresentar a vida de jipeiro ao filho Bernardo, de 9 anos, desde que ele tinha um ano (foto: Arquivo pessoal)
A partir de agora, tudo vai mudar. Nada de viagens duas vezes por ano, os hobbies ficam em segundo plano, happy hour só em ocasiões especiais e nem pensar em “escapadinhas” nos fins de semana. Mudanças como essas parecem inerentes à vida dos pais e não é por acaso que logo vêm à cabeça dos casais que se propõem a aumentar a família. São, inclusive, fatores que afugentam muitos dessa nova fase do relacionamento. Mas será que precisa ser assim?

O corretor de seguros Guilherme Heleno Carvalho Soares, de 40 anos, garante que não. Pai do primogênito Bernardo, de 9, da Catarina, de 5, e do caçula Ricardo, de apenas dois meses, Guilherme não abandonou a vida de jipeiro – iniciada em 2000 – por nenhum dos filhos. Muito pelo contrário, incluiu-os nas suas aventuras pelas trilhas mineiras. “Nunca pensei em abandonar o jipe. Quando o Bernardo tinha apenas 1 ano, comecei a apresentar esse universo para ele. Devagar, como uma brincadeira”, lembra. O mesmo ocorreu com Catarina, e é destino certo para o pequeno Ricardo, que já tem até apelido no grupo. “Será o Vovôzinho II. Eu sou o Vovozão e o Bernardo, o Vovozinho”, conta Guilherme, aos risos.

A engenheira Cláudia Mendonça Castro, de 52, também não abriu mão de nada por Eduardo Castro Prates, de 13. Apenas adotou uma filosofia simples, mas efetiva. “Temos que fazer algo que seja bom para os dois. Posso até substituir uma coisa por outra, mas tem que coincidir com os nossos interesses e não apenas com os dele ou os meus”, ensina. Enquanto ele anda de skate, ela vai de patins. Na aula de culinária francesa, ele fica de olho nas receitas; já ela aperfeiçoa a língua que tanto ama. Na estação de esqui, ele se arrisca no snowboard e ela desce as rampas no tradicional esqui.

E se as viagens para a Europa ou países exóticos parecem ser projeto para quando os filhos saírem de casa, para a publicitária Patrícia Papp, de 38, não havia por que esperar. Há quatro anos, levou Pedro, hoje com 11, e Luíza, com 5, para a Tailândia e Dubai, nos Emirados Árabes. “Na primeira viagem com o Bernardo, quando ele tinha apenas três meses, o pediatra me falou uma coisa que mudou a minha percepção: ‘Onde você for vai ter crianças com as mesmas necessidades que seus filhos’. Foi uma mensagem muito libertadora”, lembra Patrícia. O ensinamento mostrou que se há criança em qualquer lugar do mundo, há atividades, infraestrutura e condições para Pedro e Luiza também. Basta mudar o olhar.

Quem se propôs a trazer os filhos para o seu mundo em vez de viver apenas no deles garante que há mais cumplicidade, companheirismo e solidez no relacionamento. Conquistas que são verdadeiros presentes para as crianças, e podem começar a ser compartilhadas a partir de hoje, uma data simbólica, o dia delas.

 

Tudo é compartilhado

Jair Amaral/EM/D.A Press
A engenheira Cláudia Mendonça concilia os interesses dela com os do filho, Eduardo, de 13 anos. Na aula de culinária francesa, ele fica de olho nas receitas e ela aperfeiçoa a língua que tanto ama (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Que mudanças são inevitáveis com a chegada dos filhos, ninguém ousa negar. A rotina é recheada de preocupações com alimentação, sono, horários, doenças, enfim, tudo que diz respeito a um ser completamente vulnerável e dependente. “Mas não é preciso abandonar completamente a vida, os gostos e as vontades para se dedicar às crianças. É preciso encontrar o equilíbrio”, afirma Maria Luiza Rocha de Andrade, psicóloga especialista em sexualidade e psicoterapeuta de criança. Passados os primeiros meses, o bebê deve, aos poucos, ser introduzido na rotina dos pais. “Colocar no dia a dia de forma gradativa e deixar que faça parte de maneira natural é um caminho”, aconselha a psicoterapeuta.

Claro que sem esquecer das demandas inerentes a cada uma das fases de vida do filho. Esse processo de adaptação pode ser mais fácil ou mais trabalhoso de acordo com a postura e disposição dos próprios pais. “Depende muito da maturidade desses adultos e da própria intimidade que têm um com o outro para que essa incorporação do filho na rotina familiar seja adequada. Quando a conjugalidade está sólida, isso fica mais fácil”, reconhece a psicóloga de família Denise Salim Paes. É preciso uma compatibilidade de ideias entre os dois e uma sintonia na forma como lidam com essas transformações.

O corretor de seguros Guilherme Heleno Carvalho Soares, de 40 anos, garante que sempre teve essa conexão com a mulher, a analista de sistemas Julianne Maluf, de 38, o que ajudou a levar os pequenos Bernardo, de 9, e Catarina Bornack Maluf Soares, de 5, para suas aventuras dentro do jipe. “Ela sempre me apoia em minhas ações e aventuras. Hoje, está um pouco restrita por conta do nosso filho mais novo, que está com dois meses. Mas é uma ótima zequinha”, brinca em referência ao nome dado aos passageiros do jipe. Com o suporte da companheira, que já o acompanhou muito pelas trilhas do estado, Guilherme vê os filhos crescendo ao seu lado e compartilhando sua grande paixão.

“Eles nunca foram empecilho para nada e sempre tive essa ideia de incluí-los no meu hobby”, conta. É por meio do jipe que ele conta ter construído um ambiente sadio e de proximidade com as crianças. “É um momento no qual consigo passar muitos valores para eles. E isso tornou a nossa convivência muito sólida. Há uma comunhão muito forte entre nós, e uma fidelidade e cumplicidade muito grandes”, garante. Assíduo passageiro, Bernardo vê com o pai as várias caras de Minas, conhece a história, o relevo, a fauna e a flora, e também a realidade das pessoas que o grupo de amigos ajuda em campanhas solidárias.

“Ele tem uma visão social muito interessante e vejo que está se tornando uma criança prestativa, que cede para ajudar o próximo”, conta Guilherme com orgulho. Para Bernardo, ele e o pai são melhores amigos e podem compartilhar tudo. Os ensinamentos que adquire no banco do passageiro certamente ficarão para a vida toda. “Uma lição que aprendi é que em grupo a gente consegue ajudar mais gente.” Catarina gosta mesmo é de ir para a casa do avô e do contato com a natureza. “Gosto de mato, dos bichinhos, das árvores”, enumera o garoto.

GANHA GANHA

O estreitamento dos laços entre os membros da família é o primeiro benefício desse tipo de atitude. “Cria-se uma intimidade e cumplicidade entre pais e filhos muito grande. As crianças também têm a oportunidade de perceber como os pais se comportam em determinadas situações e, inclusive, de descobrir que eles também falham”, afirma Maria Luiza Rocha.

Os integrantes da família passam a se conhecer mais profundamente por meio de uma interação social sadia e frequente, uma prática que vem se perdendo em meio à rotina atribulada de atividades. Eduardo Castro Prates, de 13, não é um estranho para a engenheira Cláudia Mendonça Castro, de 52. “Conseguimos conversar sobre tudo e não tenho surpresas com ele. Dou muita tranquilidade para que o Eduardo me conte as coisas”, garante a mãe.

O relacionamento aberto, fundado em pilares como honestidade e verdade, foi construído nessa rotina de compartilhamento e presença um na vida do outro. “Depois que ele nasceu, rodamos duas vezes a Europa”, conta. Outro ganho, principalmente para os pequenos, é a possibilidade de ver outros mundos, outras realidades, culturas e regiões. “É a chance de tirar esses meninos da frente dos meios eletrônicos e abrir outras possibilidades”, afirma a psicoterapeuta.

 

Planejamento e disposição

Arquivo Pessoal
As aventuras da publicitária Fabiana Nigol e do surfista Everaldo Teixeira com a filha Isabelle foram parar em um programa na TV (foto: Arquivo Pessoal)
 

O estranhamento e a curiosidade foram tão grandes que a saga da publicitária Patrícia Papp, de 38 anos, e do fotógrafo Nuno Papp, também de 38, com os pequenos Pedro, hoje com 11, e Luiza, de 5, na Tailândia virou até livro: Como viajar com seus filhos sem enlouquecer. A tarefa proposta pela obra soa como um grande desafio e, para a maioria dos pais, realmente é. “Quando voltei da viagem que fizemos para a Tailândia há quatro anos, todo mundo ficou muito curioso para saber como tínhamos feito com as duas crianças, uma com 7 e outra com 1 ano. Eu tinha um resumo de tudo”, lembra Patrícia. Ao compartilhar, ela mostrou aos pais que as barreiras podem ser transpostas com planejamento e disposição.

Pesquisar hotéis, alimentação, transporte e temperatura do destino deve fazer parte dos preparativos. “Informei-me sobre tudo para nos prepararmos e preparar as crianças. Como já chegamos sabendo de todos esses fatores e o que iríamos encontrar, pudemos aproveitar”, garante Patrícia. Lugares românticos como Paris, que parecem destino certo para os apaixonados, se transformaram em um verdadeiro playground. “Todos os lugares estão cheios de pais e filhos. Os restaurantes têm pratos para crianças e, depois que vamos juntos, nos damos conta de que todo destino é também propício para eles”, garante Patrícia.

E o trabalho que os filhos dão no destino? “É o mesmo que me dariam em casa. Continuo tendo que pensar no almoço, jantar e brincadeiras. A diferença é que estou em outro lugar, com menos estresse”, reconhece. O grande segredo, compartilhado não apenas pela publicitária e o marido como também pela engenheira Cláudia Mendonça Castro, de 52, e o filho Eduardo Castro Prates, de 13, é respeitar os desejos uns dos outros. “A viagem tem que ser legal para todos. Por isso, é fundamental ter um equilíbrio entre os programas. Gosto de museu e quero ir a uma exposição. Vou. Mas em compensação, sei que as crianças gostam de parquinho e incluo nas atividades”, explica Patrícia.

Cláudia vê nesse respeito o principal motivo para o sucesso na relação com o filho. “A gente consegue fazer de tudo, desde que sejamos capazes de entender que o ambiente tem que ser bom para os dois”, afirma. A forte empatia permitiu que a interação ocorresse naturalmente e de forma prazerosa. Eduardo reconhece que até prefere fazer as coisas com a mãe, contrariando o comportamento de muitos adolescentes na sua idade. “Gosto muito de fazer as coisas com ela e algo que percebo é que ela fala as coisas comigo do mesmo jeito que posso falar com ela. Todas as críticas que ela me faz, entendo como positivas e tento mudar”, conta sobre o relacionamento maduro que construíram.

O diálogo aberto é o primeiro passo para entender os anseios de um e outro e deve ser exercitado. “Os pais acham que dialogar é somente eles falarem, mas é preciso dar essa abertura. Saber o que o filho está buscando, pedir sua opinião para algum passeio, algum programa”, orienta Maria Luiza Rocha de Andrade, psicóloga especialista em sexualidade e psicoterapeuta de crianças. Ou seja, incluí-los nas decisões da família e mostrar o papel que exercem ali.

SEM FRUSTRAÇÃO Anular os desejos pessoais em prol dos filhos pode trazer consequências profundas no futuro da família. “Lá na frente, esse pai vai culpar o filho e, pior, de uma forma velada. E aquilo que se fala de forma velada aprisiona as pessoas”, afirma a psicóloga de família Denise Salim Paes. De alguma forma, os sacrifícios vividos em nome da paternidade ou maternidade podem vir a ser cobrados e, normalmente, isso ocorre de forma desproporcional. “Cria-se uma expectativa muito grande em relação à vida daquele filho que deve ser cumprida de qualquer forma”, explica a especialista.

Os pais que seguiram por esse caminho e garantem que não fazem qualquer tipo de exigência aos filhos, devem ter em mente que há sinais que são detectados pelos filhos e não são menos impactantes que as cobranças diretas. “A criança vê a mãe ou o pai mal, insatisfeitos, sem um projeto de vida. Quando não percebem esse cenário pela linguagem verbal, percebem pela emoção. Não adianta ficar em casa cuidando do filho se o que se quer mesmo é estudar”, afirma Denise Salim.


TRÊS PERGUNTAS PARA...
.Fabiana Nigol
,  de 37 anos, mãe de Isabelle Nalu, de 7, e mulher de Everaldo "Pato" Teixeira, de 40, protagonistas do programa Nalu pelo mundo

Ela é publicitária e ele, surfista. Viajar sempre fez parte da rotina de Fabiana e Pato, apelido de Everaldo, e não deixaria de ser com a chegada planejada de um filho. Hoje, Belinha é uma supercompanheira e topa qualquer parada. Suas aventuras com a família podem ser acompanhadas no programa Nalu pelo mundo, transmitido pelo GNT, que chega à nona temporada. Fabiana conta como incluiu a filha na rotina e como a capacidade de adaptação é muito maior para as crianças que para os pais.

Vocês pensaram, em algum momento, em mudar a rotina por conta da Isabelle ou sempre souberam que ela teria que entrar na rotina de vocês?
Desde que planejamos a vinda de um filho, sempre pensamos em adaptar a vida do bebê à nossa. Todos nos diziam que tudo iria mudar e que não iríamos mais viajar. Tínhamos em mente que seria mais trabalhoso, mas não impossível. E decidimos tentar. Estamos até hoje rodando o mundo.

Essa adaptação foi difícil?
Foi natural. Claro que tínhamos nossas inseguranças, mas a Isabelle sempre se adaptou muito bem ao nosso estilo de vida. Acho que, quanto mais cedo a família começa a viajar, mais chances o bebê tem de se adaptar rapidamente. Fizemos nossa primeira viagem quando ela tinha dois meses e meio. Viajamos de carro do Brasil para o Chile. Lembro que a pediatra disse que era melhor passar pela Cordilheira dos Andes de carro, subindo aos poucos, do que enfrentar um avião com pouso e decolagem bruscos, o que já foi uma mudança de planos para nós. E foi ótimo, nos deixou confiantes. Quando ela estava com um ano, fomos para a Indonésia e lá não é primeiro mundo. Comprei um fogãozinho, panelas e comprava os vegetais para fazer papinha no quarto. O que percebo é que a adaptação também depende do quanto a mãe está disposta a se adaptar. Eu sempre digo que as crianças se adaptam bem mais fácil do que nós, os pais.

Que benefícios tiveram com essa integração da Isabelle na rotina de vida de vocês?
Hoje com 7 anos, percebo que ela é uma criança muito carinhosa, solidária e prestativa. Gosta de viajar, de provar alimentos novos e de conversar com pessoas. Nós, pais, esperamos que ela seja uma pessoa boa, não melhor do que nenhuma outra.

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA