Paciente com suspeita de ebola chega ao Rio de Janeiro

Homem de 47 anos chegou ao Brasil no dia 19 de setembro. Ele estava internado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) II de Cascavel, no Paraná, e agora receberá tratamento no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, unidade da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

por Agência Estado 10/10/2014 07:57

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Tânia Rêgo/Agência Brasil
(foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Chegou ao Rio ao amanhecer desta sexta-feira, 10, o missionário de 47 anos suspeito de ter contraído o vírus ebola em viagem à Guiné, concluída na segunda quinzena de setembro. Com sintomas semelhantes ao da doença decorrente da infecção pelo vírus, o homem, que não teve o nome revelado, foi trazido de jatinho que pousou pouco depois das 6h30 na capital fluminense. Ele foi levado para o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, unidade da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), na zona norte carioca.

De acordo com nota do Ministério da Saúde, divulgada na noite desta quinta-feira, 9, o paciente foi mantido isolado em uma instituição de saúde no município de Cascavel (a 500 km de Curitiba), a Unidade de Pronto Atendimento Brasília II. O local foi esvaziado, e os pacientes transferidos para outros hospitais.

O missionário apresenta quadro de febre alta e hemorragia, segundo nota da Secretaria Estadual de Saúde. A Guiné é um dos três países que mais registraram casos de morte pela doença no continente africano.

A Secretaria de Saúde do Paraná divulgou, também por nota, que o paciente apresentou sintomas da doença que atinge a costa oeste da África, como febre alta e hemorragia. Como voltou da Guiné em 17 de setembro, o caso foi considerado suspeito de contaminação pelo vírus.

O pouso do jato da Força Aérea Brasileira (FAB) na Base Aérea do Galeão (Ilha do Governador) foi cercado por medidas de segurança e proteção. Na pista, esperavam o paciente uma ambulância do Corpo de Bombeiros e três profissionais de saúde, que usavam aventais e máscaras.

VÍDEOS RECOMENDADOS