É normal conviver com a dor? Veja quais são as dores mais comuns nas mulheres brasileiras

Pesquisa com 1000 mulheres de todas as regiões do país revela que 23% delas acreditam que devem conviver com a dor. Cólica menstrual e dor de cabeça lideram as reclamações

por Valéria Mendes Arte: Soraia Piva 09/10/2014 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Sanofi/Divulgação
Grande percentual das dores relatadas têm relação direta com o ciclo hormonal feminino, mas é preciso ficar atenta para não deixar que sintomas sejam negligenciados (foto: Sanofi/Divulgação)
Sentir dor não é normal, como demonstra o estudo encomendado pelo Grupo Sanofi ao Conectaí-IBOPE com mulheres brasileiras de todas as regiões do país. A pesquisa mostra que 75% delas deixam de cumprir obrigações e 58% deixam de fazer algo de que gostam quando estão com dor. A pergunta ‘Quais são as principais dores que você sente?’ revelou ainda que a cólica menstrual (76%) e a dor de cabeça (75%) despontam entre as principais causas dos incômodos femininos. No entanto, o que mais chamou a atenção da professora do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo (USP) e chefe da disciplina de Ginecologia Geral da UNIFESP, Marair Gracio Ferreira Sartori, é o fato de 23% das brasileiras acreditarem que é normal conviver com a dor. “Isso não está certo. A dor nunca deve ser parte da rotina, precisa ser tratada e combatida. É importante entender com profundidade quais são os principais males que atingem as mulheres e como eles afetam a rotina delas. Assim, é possível ajudá-las de forma mais efetiva durante as consultas médicas, indicando o tratamento mais eficaz”, afirma a especialista.

Arte: Soraia Piva
(foto: Arte: Soraia Piva)

 

Para Marair Gracio Ferreira Sartori, a principal conclusão do levantamento é mostrar que as mulheres são muito afetadas por dores crônicas. “Devemos alertá-las que elas não são obrigadas a conviver com a dor. Há várias alternativas eficazes de tratamento que devem ser buscadas”, reforça.

Cólica forte e dificuldade para engravidar podem ser endometriose

A especialista diz que grande percentual das dores relatadas têm relação direta com o ciclo hormonal feminino. “Nesse período, a queda brusca do estrógeno - responsável por controlar os níveis cerebrais de serotonina (que dá a sensação de bem-estar) - provoca a redução desse hormônio, que, por sua vez, causa o aumento da chamada substância P, que atua na vasodilatação”, detalha a médica. É justamente essa vasodilatação a causa da enxaqueca, mas também da cólica menstrual e dor nas costas. Para grande parte das mulheres, segundo Marair, o uso de anti-inflamatórios costuma ser bastante efetivo. “Mas as atividades físicas também ajudam a aliviar a dor, assim como uma dieta equilibrada”, observa.

SXC.hu
"Dor não é normal. Pode ser comum e frequente, mas não é normal. Toda dor deve ser investigada e tratada adequadamente" - Marair Gracio Ferreira Sartori (foto: SXC.hu)
A professora de Ginecologia e Obstetrícia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e presidente da Sociedade Brasileira de Climatério (SOBRAC), Maria Celeste Osorio Wender concorda que as mudanças nos níveis hormonais decorrentes do ciclo menstrual têm influência nas dores que as mulheres sentem. “Em muitos casos as dores de cabeça, cólica menstrual, enxaqueca e dor nas costas podem ocorrer ao mesmo tempo. O ritmo de vida agitado, a alimentação desequilibrada, o sedentarismo e o estresse também podem piorar os sintomas", diz.

Menopausa e vida sexual prazerosa não são antagonistas

O ser humano tem diferentes níveis de sensibilidade e de tolerância à dor. Conviver com esses incômodos, ou considerá-los normais, podem fazer com que as mulheres não se mantenham atentas às dores que não têm relação com o ciclo menstrual. “A primeira providência é procurar um médico para fazer o acompanhamento recomendado para cada tipo de dor já que é importante avaliar a presença de doenças que podem causar cólica, dor de cabeça ou dor lombar, por exemplo”, reforça a professora da USP e UNIFESP.

O estilo de vida é um fator externo que não deve ser desconsiderado. “Questões físicas, psicológicas, rotina estressante ou atribulada tem influência nas dores que as mulheres sentem”, afirma Marair Gracio Ferreira Sartori. Para ela, o desequilíbrio entre trabalho, as tarefas de casa, filhos, descanso e lazer é uma realidade em todas as classes econômicas e um grande desafio social. Ou seja, quanto mais estressante for o dia a dia da mulher, ou quanto mais ansiosa ela for, mais essas dores se manifestam.

Assassino silencioso: primeiro passo para diagnosticar câncer de ovário é lembrar que a doença existe

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA