'Um coração para Heloísa': morre bebê que esperava transplante de coração em SP

A cardiomiopatia hipertrófica causa um aumento no músculo cardíaco, dificultando a saída do sangue e forçando o bombeamento

por Agência Estado 15/09/2014 10:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
A garotinha Heloísa Aleixo dos Santos, de 4 meses, portadora de uma doença rara e que precisava de um novo coração para sobreviver, morreu na madrugada deste domingo, 14, no Instituto do Coração (Incor), em São Paulo. A menina de Pilar do Sul, região de Sorocaba, nasceu dia 5 de maio deste ano com cardiomiopatia hipertrófica e poderia se salvar apenas com um transplante, mas não conseguiu um doador. Os pais haviam lançado a campanha 'Um coração para Heloísa' na rede social Facebook para incentivar as doações de órgãos.


O corpo do bebê foi sepultado na tarde deste domingo no Cemitério Jardim das Acácias, em Pilar do Sul. Os pais de Heloísa, Lidiane e Erick dos Santos, vão continuar a campanha para que haja mais doadores de todo tipo de órgão.
Reprodução Facebook
(foto: Reprodução Facebook)

Desde o nascimento, o bebê permaneceu a maior parte da vida internado. A doença causa um aumento no músculo cardíaco, dificultando a saída do sangue e forçando o bombeamento. Ela precisava de um doador que fosse criança, com o corpo compatível. Como era preciso que o doador tivesse morte cerebral a busca dos pais por um coração para a filha chegou a causar polêmica na rede social.

A mãe explicou que expunha seu drama para conscientizar as pessoas sobre a importância de serem doadoras de órgãos e salvar vidas. O casal, que chegou a se mudar para São Paulo para acompanhar o tratamento de Heloísa, tem outra filha de cinco anos.

"Nossa Heloísa descansou nesta madrugada, dia 14. Agradecemos a todos pelas orações e apoio, continuemos em oração por nossa pequena", postou o casal na página da campanha "Um coração para Heloísa", na rede social. A página tem 22 mil seguidores.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA