Tumor do menino Ashya pode ser tratado com protonterapia

Terapia consiste em destruir as células cancerígenas irradiando-as com um feixe de prótons nas lesões e evitando os tecidos saudáveis

por AFP - Agence France-Presse 10/09/2014 14:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
O menino britânico Ashya King, portador de um tumor cerebral, poderá ser tratado no Proton Therapy Center (PTC) de Praga, uma vez que os testes mostraram que o câncer não está se expandindo, informaram fontes médicas. "Obtivemos a informação de que o tumor não se expande desde a operação de Ashya King na Inglaterra", afirmou nesta quarta-feira a chefe do PTC, Iva Tatounova, sem dar maiores detalhes.

"O conselho médico do hospital Praga-Motol confirmou a possibilidade de irradiação no PTC. Ao mesmo tempo, será aplicada quimioterapia", indicou, por sua parte, um comunicado do estabelecimento médico, baseando-se em uma série de exames realizadas neste centro. O comunicado não faz referência à propagação do tumor.

"Estamos otimistas e cruzamos os dedos por Ashya, mas ainda é muito cedo para dar um pronóstico", enfatizou, por outro lado, o dr. Martin Holcat, do Praga-Motol. A protonterapia, que não está disponível no Reino Unido, consiste em destruir as células cancerígenas irradiando-as com um feixe de prótons nas lesões e evitando os tecidos saudáveis.

Ashya King viajou para a República Tcheca após autorização dada pelo tribunal de Londres. Ele havia sido colocado na semana passada sob tutela da justiça britânica.

Os pais, Brett e Neghemeh King, consideram que o tratamento inicialmente previsto para o menino no hospital de Southampton (sul da Inglaterra) era muito agressivo e o tiraram de lá sem autorização. Para financiar o tratamento, os pais, Testemunhas de Jeová, foram para a Espanha para vender uma casa que possuíam no país.

A odisseia da família gerou um grande impacto na Grã-Bretanha, já que inicialmente pensou-se que se tratava de um sequestro. Os pais chegaram a ser presos na Espanha, mas, desfeito o engano, acabaram libertados.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA