Saiba os mitos e verdades sobre os benefícios do amendoim

Oleaginosa traz uma série de benefícios para a saúde, mas nutrólogo lembra que não existe alimento mágico

por Augusto Pio 20/08/2014 15:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
sxc.hu
Qualidade da proteína do amendoim assemelha-se à do leite. Alimento é rico em ferro, zinco, cobre, vitamina A, vitamina E e niacina (foto: sxc.hu)
Para muitos, o amendoim tem a capacidade de proporcionar uma série de benefícios, como proteger o coração, reduzir a gordura da região abdominal, retardar o processo de envelhecimento, atuar na formação de tecidos, participar do trabalho muscular, evitar cãibras e ajudar na prevenção do câncer, entre outros. O amendoim é uma planta da família Fabaceae, nativa da América do Sul (Bolívia ou Brasil), levada à Europa pelos espanhóis. A qualidade de sua proteína assemelha-se à do leite. Em sua composição química existem proteinas (26%), gorduras (47%), carboidratos (18,6%) e água (5,8%). Ele também é rico em ferro, zinco, cobre, vitamina A, vitamina E e niacina (vitamina).

Vanderli Marchiori, nutricionista da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), destaca que, entre inúmeros benefícios do amendoim, ele é rico em proteínas, fibras, antioxidantes e fitoquímicos, além de auxiliar no controle do peso, da gordura abdominal e dos níveis de açúcar no sangue. “Além disso, sua alta concentração de vitamina E faz com o que o amendoim exerça o papel de antioxidante, que pode diminuir a incidência do mal de Alzheimer. Estudo feito ao mesmo tempo nos EUA e nos Países Baixos, com quase 6 mil pessoas, mostrou que aquelas que consumiram regularmente o produto (puro ou em forma de manteiga) apresentaram 67% menos risco de desenvolver a doença.”

Ela garante que o amendoim é um alimento que auxilia no controle de colesterol, reduz os riscos de doenças cardiovasculares e também na prevenção de tumores. “Sua composição é rica em ácidos graxos insaturados – benéficos à saúde –, e fonte de proteína vegetal, fibra dietética, vitaminas, antioxidantes, minerais e fitoquímicos. Por isso, é grande aliado da nutrição humana. Cada 100 gramas de amendoim apresentam, em média, 450 calorias. Além de todas suas propriedades naturais, por ser fonte de vitamina E, o alimento é importante para a memória e eleva o nível de saciedade por até duas horas, e vitamina B, que é essencial ao sistema nervoso, auxilia na digestão e afasta o mau humor, ajudando na formação da serotonina, conhecida como hormônio do bem-estar.

Vanderli diz que o consumo recomendado de amendoim é de 30g por dia. “Quem está em processo de reeducação alimentar deve ingerir a semente preferencialmente em lanches intermediários. Assim, é possível garantir a saciedade por mais de duas horas, o que inibe a ingestão de lanches mais calóricos.” Com relação à prevenção de doenças, além de seu alto valor nutritivo, com perfil vitamínico e grande quantidade de proteínas vegetais – de 25% a 30% de sua composição – o amendoim é rico também em fitoesteróis. “Trata-se de um tipo de gordura com estrutura semelhante ao colesterol, mas que, ao contrário desse, tem origem vegetal e não é produzida pelo corpo. Presente em óleos vegetais e frutos oleaginosos, ela é reconhecida desde os anos 1950 por sua capacidade de baixar os níveis de colesterol ruim (LDL) do sangue”, esclarece Vanderli.

Arquivo Pessoal
Vanderli Marchiori, nutricionista (foto: Arquivo Pessoal )
“Não bastasse essa virtude singular, pesquisas mostram que os fitoesteróis têm efeito anticancerígeno, com atuação no organismo em diferentes frentes: inibindo a proliferação celular, estimulando a morte de tumores e modificando alguns dos hormônios que levam ao crescimento desses. Estudo publicado no The Journal of Nutrition em 2008 revelou que um grupo de pessoas que consumiu amendoins diariamente apresentou 33% menos incidência de tumores”, ressalta a nutricionista.

NECESSIDADE
Enio Cardillo, médico nutrólogo, membro da Academia Mineira de Medicina e professor emérito da UFMG, garante que não há necessidade de comer amendoim. “Os esquimós não comem amendoim e vivem muito bem. Não existe alimento mágico. Amendoim não previne contra qualquer tipo de doença. Lembre-se de que amendoim é uma oleaginosa e, como tal, tem uma densidade calórica muito elevada. Portanto, se comer muito há aumento do aporte de energia, que pode provocar um balanço energético positivo e resulta em aumento do depósito de gordura corporal. Não há uma recomendação para ingestão diária de amendoim.”

Cardillo alerta para o fato de existir uma toxina, a aflatoxina, que é contaminante comum do amendoim. “Não se deve comprar amendoim ou qualquer outro produto que tenha uma camada de fungo (bolor) – Aspergillus flavus – que produz essa toxina, que pode provocar câncer do fígado. Esse fungo é ligeiramente esverdeado. Ao se comprar amendoim, recomenda-se examinar o fundo do pacote. Se houver um pó no fundo, isso pode ser um indício da presença desse bolor no alimento. O amendoim pode ser consumido em qualquer idade.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA