EUA vão testar vacina contra o Ebola

As primeiras tentativas de desenvolver uma vacina contra a febre hemorrágica começaram pouco depois da descoberta do ebola, em 1976, mas até agora não houve avanço

por Correio Braziliense 02/08/2014 14:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
STRINGER/AFP PHOTO
Liberianos leem orientações para evitar a infecção pelo ebola (foto: STRINGER/AFP PHOTO)
Virologistas americanos iniciam no próximo mês testes em humanos de uma vacina experimental contra o ebola. Se for bem-sucedida, será usada até 2015 para imunizar os trabalhadores de saúde que atuam em áreas de risco, como o enfrentamento da epidemia na África Ocidental. “Estamos começando a discutir alguns acordos com empresas farmacêuticas para acelerar (as pesquisas)”, disse Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas.

As primeiras tentativas de desenvolver uma vacina contra a febre hemorrágica começaram pouco depois da descoberta do ebola, em 1976, mas até agora não houve avanço. Segundo especialistas, tudo porque não se conseguiu convencer as companhias farmacêuticas a investir na imunização.

“Com surtos esporádicos, que afetam normalmente um pequeno número de pessoas na África Central, não existe realmente um mercado comercial (para uma vacina)”, escreveram Andrea Marzi e Heinz Feldmann, do instituto de virologia NIAID, em artigo científico publicado em abril. A vacina em desenvolvimento já foi testada em macacos e teve resultados considerados promissores.

Transferência

Nesta sexta-feira (1º), o Departamento de Estado americano informou que dois americanos infectados com o ebola serão encaminhados de volta aos Estados Unidos para tratamento. Kent Brantly e Nancy Writebol, ambos integrantes da organização de caridade Samaritan’s Purse, contraíram o vírus na Libéria, serão tratados em estrito isolamento nos próximos dias.

Arte: CB/D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e veja o gráfico completo (foto: Arte: CB/D.A Press)
“Todas as precauções estão sendo tomadas para transferir os pacientes de forma segura e protegida, para fornecer cuidados críticos no itinerário em uma aeronave não comercial e para manter estrito isolamento em sua chegada aos Estados Unidos”, declarou à Agência France-Presse de Notícias (AFP) Marie Harf, vice-porta-voz do Departamento de Estado americano. Harf também ressaltou que a medida foi tomada em prol da “segurança e proteção dos cidadãos americanos”, segundo a porta-voz, esta seria a maior preocupação do governo.

Brantly e Writebol foram infectados quando trabalhavam em missão na Monróvia, capital da Libéria, socorrendo vítimas do ebola. A organização Samaritan’s Purse informou que o estado dos americanos é grave, mas estável. De acordo com a AFP, um porta-voz do Pentágono informou que o avião que transportará os dois americanos não será uma aeronave militar e terá como destino o aeroporto de Dobbins, no estado de Géorgia (EUA). Do aeroporto eles deverão seguir para o Hospital da Universidade de Emory, onde será realizado o tratamento.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA