Ilustradora mineira ganha o mundo com mensagens que explicitam o controle sobre a mulher

'Desconstruir uma situação banalizada de opressão nunca é fácil. Não é de uma hora pra outra, com uma única discussão na internet, que isso muda. Mas muda', diz Carol Rossetti. Trabalho foi traduzido para o inglês, espanhol, russo, alemão e italiano

por Letícia Orlandi 25/07/2014 08:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Carol Rossetti / carolrossettidesign
(foto: Carol Rossetti / carolrossettidesign)
Carol Rossetti / carolrossettidesign
A série 'Mulheres' começou em abril deste ano. Já foi traduzida do português para cinco idiomas e ganhou destaque internacional: sentimentos que refletem a identidade feminina em diversas realidades (foto: Carol Rossetti / carolrossettidesign)
Você já criticou alguma mulher porque ela está acima do peso considerado ideal? Viu os comentários que fizeram sobre aquela atriz que já passou dos 70 e não se envergonha de ir à praia de biquíni? Já questionou uma amiga mais alta por ela usar salto? Posturas aparentemente inocentes e sem grandes consequências - mas que representam formas sutis de controle sobre o corpo e o comportamento feminino - inspiraram a designer e ilustradora belo-horizontina Carolina Rossetti a criar a série 'Mulheres'.


O trabalho mescla tanto os temas referentes aos supostos códigos de vestimenta e beleza quanto as discussões sobre a violência de gênero e estupro. Carol aborda também o assédio na rua, o racismo e o preconceito relativo à identidade sexual, entre outros (veja exemplos na galeria).

Algumas imagens apontam, de forma bem objetiva, como essas regras começam já na infância - a identificação do que é 'de menino' ou 'de menina', por exemplo.

Com a repercussão positiva, algumas peças foram traduzidas para o inglês, espanhol, alemão, russo e italiano, ganhando referências também em sites internacionais.

Carol explicou ao Saúde Plena que passou pela fase clássica de 'criança que gosta de desenhar', mas com uma diferença: manteve esse foco na adolescência e vida adulta. Talentosa, formou-se designer quando já trabalhava como ilustradora.

A decisão de retratar fatos rotineiros vividos pelas mulheres foi natural, vinda do cotidiano - não houve influência de um episódio específico. “Comecei essa série em abril deste ano, mas não imaginava que teria essa repercussão. Eu queria simplesmente praticar e aperfeiçoar minha técnica com lápis de cor. Resolvi fazer isso escrevendo mensagens positivas, mais direcionadas aos meus amigos e parentes que acompanhavam a página”, revela, de maneira despretensiosa.

Arquivo Pessoal
Carol Rossetti: 'sou muito privilegiada. Consegui me dar conta disso e fazer o que eu posso pra mudar a situação. Outras pessoas também podem' (foto: Arquivo Pessoal)
Saiba mais sobre o trabalho da artista mineira:

-Você considera sua mensagem feminista?
Sim, minhas mensagens têm muito a ver com o feminismo. Mas deve-se ressaltar que o feminismo é um movimento muito plural e diversificado, com várias correntes e formas diferentes de ativismo. Eu me identifico com uma forma bem abrangente do feminismo, que não foque apenas na questão do gênero, mas também discuta o racismo, a representação do ser humano na mídia, as demandas LGBT. E que inclua as mulheres trans e com deficiência.

Escolhi a figura feminina por identificação e representação. Como disse, começou como um projeto extremamente pessoal. Eu quis desenhar mulheres porque eu gosto, e acho confortável. Mas o projeto foi crescendo e hoje acho que é um espaço considerável de representação feminina, e pretendo manter isso.


-Qual a sua expectativa em relação à série?
As mensagens que venho recebendo são incríveis e me fazem sentir que o trabalho já valeu a pena, só de ter conseguido fazer diferença na vida de algumas pessoas. Foi algo que jamais imaginei que fosse acontecer, quando desenhei a primeira. A repercussão tem sido realmente incrível. Muito inesperado, muito bacana e um pouco assustador. Tenho o sonho de lançar um livro e criar uma galeria virtual para divulgar meu trabalho. Espero conseguir logo, logo!

-Você acha que desconstruir o machismo e o preconceito é muito difícil?
Desconstruir uma situação banalizada de opressão nunca é fácil. Isso se aplica não só ao machismo, mas também ao racismo e à homofobia. É algo bem complicado por envolver um conceito muito específico – o privilégio. É preciso muita humildade para reconhecer isso na gente mesmo.

Carol Rossetti / carolrossettidesign
Imagens mostram que o controle sobre os papéis que a mulher pode exercer começam ainda na infância (foto: Carol Rossetti / carolrossettidesign)
O feminismo joga na cara de homens o tempo todo que eles são privilegiados num sistema opressivo. A primeira reação é SEMPRE defensiva. Mas eu acredito (e podem me chamar de idealista, otimista ou sonhadora) que, na medida em que a pessoa vai tendo mais contato com as questões feministas, ela tende a repensar seus conceitos.

Não é de uma hora pra outra, com uma única discussão na internet que isso muda. Mas muda. Comigo mudou. Claro que, na minha posição não-privilegiada no machismo, enquanto mulher, isso foi mais fácil. Mas foi difícil reconhecer, imediatamente, meus privilégios em outras questões - sou branca, classe média, cisgênero, sem nenhuma deficiência física e há 7 anos em uma relação monogâmica heterossexual.

Eu sou muito privilegiada, e consegui me dar conta disso e fazer o que eu posso pra mudar a situação. Outras pessoas também podem.

Carol Rossetti / carolrossettidesign
Clique para ver a galeria de fotos com mais imagens da série Mulheres, de Carol Rossetti (foto: Carol Rossetti / carolrossettidesign)

VÍDEOS RECOMENDADOS