Mineira publica livro com dicas de pratos sem glúten a partir de um mix de farinhas

Publicação traz receitas de massas, tortas e bolos para quem não pode ingerir a proteína do trigo ou simplesmente quer eliminá-la da dieta

por Augusto Pio 18/07/2014 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arquivo Pessoal
"São receitas testadas e de fácil preparo. Ensino detalhadamente cada uma, de uma maneira bem simples" - Denise Godinho, escritora (foto: Arquivo Pessoal)
Apaixonada por gastronomia, a mineira Denise Godinho lança o livro Sabor sem glúten, lançado pela Editora Alaúde, com receitas exclusivas, passadas de mãe para filho. “Esse trabalho é o resultado de uma coletânea de receitas sem glúten desenvolvidas com muito amor para meu filho, João Victor, que hoje está com 22 anos. Ele ainda não conseguiu se curar, mas convive muito bem com a alergia e à base de pratos variados e deliciosos. Consegui comprovar que, na culinária, tudo é possível, desde que haja amor, persistência e criatividade. Diante do resultado alcançado com as receitas, resolvi compartilhar esse material com todos aqueles que sofrem de doença celíaca, que têm intolerância ao glúten ou mesmo para aquelas pessoas que optam por uma alimentação sem ele.”

O livro traz receitas de massas, tortas e bolos para quem não pode ingerir a proteína do trigo ou simplesmente quer eliminá-la da dieta. Denise conta que, na década de 1990, o filho João Victor recebera um diagnóstico de alergia ao glúten. “Embora os exames laboratoriais mostrassem uma alergia alta ao glúten, o processo só se desencadeava quando ele praticava atividades físicas ou estava emocionalmente instável. Foram anos de graves episódios, com edemas de glote (fechamento da garganta), sendo necessária a administração de adrenalina e hidrocortisona. A alergia se manifestou aos 2 anos, em forma de urticárias gigantes. Ele tinha crise alérgica toda vez que comia alimentos que continham glúten, ou seja, tudo que era feito com trigo, como bolos, pães e pizza, entre outros. Depois que tiramos todo o glúten da dieta do João Victor os sintomas sumiram e ele passou a ter uma vida mais normal.”

Alaude/Reprodução do livro
(foto: Alaude/Reprodução do livro)
A autora lembra que, na época, havia poucas alternativas de ingredientes para substituir a farinha de trigo e o glúten e ainda menos opções de alimentos prontos que não contivessem a proteína. “Assim, movida pelo amor a meu filho e pela paixão pela culinária, resolvi criar minhas próprias receitas.” Depois de uma longa pesquisa, Denise conseguiu desenvolver diversas receitas que todos da família podem experimentar, sem mesmo perceber a diferença no sabor e na textura. Tudo isso graças ao mix de farinhas que ela criou e que pode ser usado para preparar bolos, tortas, massas, amanteigados e outros tipos de guloseimas. Receitas tradicionais, como panqueca, bolo de chocolate, pão de queijo, sequilhos, empadinhas e coxinhas, pães de mel, petit gateau e torta de frango fazem parte do cardápio.

TESTES
Ela lembra que tudo foi feito com muitos erros e acertos. “Testava diferentes receitas, estudava muito e tinha força de vontade. Nunca desanimei quando uma receita não dava certo. Essa derrota servia de desafio para melhorar até conseguir a fórmula certa.” Ela conta hoje com mais de 100 receitas. “Ensino as massas básicas, sugestões de recheios e coberturas e tudo para variar bastante o cardápio sem glúten no dia a dia da pessoa alérgica. São receitas testadas e de fácil preparo. Ensino detalhadamente cada uma, de uma maneira bem simples.”

Denise não para de desenvolver receitas. “Acrescento farinhas alternativas a elas, como linhaça, quinoa, farinha de maçã, farinha de beterraba e de banana verde, entre outras. Tenho um crítico muito bom em casa, o próprio João Victor, pois ele testa e aprova todas as receitas. E hoje, com a internet, pode-se comprar todos os ingredientes das farinhas. São féculas de batata, farinha de arroz, polvilho. Já encontramos alguns produtos industrializados sem glúten no mercado, porém, apenas em grandes centros. Daí a importância de colocar no livro como ensinar a preparar os vários tipos de farinha. Dessa maneira, em qualquer lugar do país as pessoas podem preparar o próprio alimento em casa”, garante.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA