Frequência cardíaca indica infecção grave em bebê

Sinal pode ajudar a diagnosticar o risco de desenvolver enterocolite necrosante (NEC), uma condição inflamatória grave que leva à morte

por Correio Braziliense 15/07/2014 14:31

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
sxc.hu
A NEC provoca a destruição da parede intestinal e a falência de órgãos vitais. O mal afeta de 6% a 10% dos prematuros nas primeiras duas semanas de vida (foto: sxc.hu)
Medir a variabilidade da frequência cardíaca pode identificar prematuros em risco de desenvolver enterocolite necrosante (NEC), uma condição inflamatória grave que leva à morte. Esse é o resultado de um estudo divulgado nesta semana pela Escola de Medicina de State, nos Estados Unidos, em artigo na Neurogastroenterology & Motility.

A NEC provoca a destruição da parede intestinal e a falência de órgãos vitais. O mal afeta de 6% a 10% dos prematuros nas primeiras duas semanas de vida. “Está diagnosticada por uma combinação de testes de laboratório e de radiologia, geralmente feita quando a doença já é significativa”, disse Kim Doheny, diretor de pesquisa clínica na medicina neonatal e professor assistente de pediatria. “A doença avança tão rapidamente e os sintomas se desenvolvem de repente. Um biomarcador não invasivo que permite a detecção precoce de pacientes de risco é necessário como uma questão de urgência.”

Os pesquisadores estudaram 70 crianças nascidas entre 28 e 35 semanas de gestação nos primeiros cinco a oito dias de vida. Os bebês eram estáveis, sem nenhum sinal de doença. Os estudiosos mediram, então, a variabilidade da frequência cardíaca nas crianças para testar se a medição do componente pode ser usada como uma maneira de prever o risco NEC de uma criança antes do início da doença.

A frequência cardíaca varia nos intervalos entre as batidas, e os colaboradores para essa flutuação são medidos por meio de análise matemática. Um desses colaboradores é o sistema nervoso parassimpático — o sistema que controla as respostas digestivas e regula os órgãos durante o repouso — representado pela medição de distribuição de energia de alta frequência.

Das 70 crianças estudadas, nove que mais tarde desenvolveram a NEC tinham alta frequência na variabilidade da frequência cardíaca diminuída, sugerindo redução da atividade do sistema nervoso parassimpático. De todas as crianças com a variabilidade da frequência cardíaca de alta frequência diminuída, 50% desenvolveram a doença.

Em contraste, 98% das pessoas com um valor de alta frequência maior, não. “Isso mostra que a medição da variabilidade de alta frequência durante essa janela crítica inicial de desenvolvimento pós-natal tem valor para a identificação de riscos NEC, num momento em que os sintomas não são evidentes e intervenções para melhorar a atividade do sistema nervoso parassimpático podem ser feitas”, disse o pesquisador Alberto R. Travagli, professor de ciências neurais e comportamentais. “Esste método relativamente simples, econômico e não invasivo dá oportunidade de monitorar bebês em risco mais de perto e testar a eficácia dos tratamentos emergentes.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA