O que dizer às crianças após a eliminação do Brasil na Copa do Mundo?

Especialista explica a importância de ajudar meninos e meninas a nomearem o que estão sentindo

por Valéria Mendes 09/07/2014 12:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press
Pais precisam oferecer aos filhos a expectativa da esperança (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Não importa a idade, é difícil poupar as crianças dos humores que envolvem uma Copa do Mundo, ainda mais quando a seleção veste a camisa em solo brasileiro. Incentivadas a compartilhar do espírito de torcedor que vai desde os preparativos para o jogo, a aprender um trecho do hino nacional ou a gritar Brasil em cada gol visto pela televisão até uma ida ao estádio, os pequenos também precisam elaborar o sabor amargo de um resultado negativo. Mas calma: não é toda criança que compreende o resultado de 7 a 1 para Alemanha como o maior vexame da história do Mundial. O recomendado não é tentar explicar todo o cenário aos pequenos, mas acolher o sentimento deles dentro daquilo que manifestam. Uma criança entre 3 e 4 anos não percebe a derrota como motivo de vergonha ou humilhação. Para os mais velhos, a partir de 9 ou 10, o impacto da eliminação pode ser mais claro e, nesse caso, as repercussões na televisão, com imagens de crianças chorando, podem contribuir negativamente para o sofrimento.

“A criança se preparou para torcer e vibrar. De repente, se vê frustrada porque não pode festejar. O importante é que ela entenda que o jogo pode levar a isso mesmo. A frustração que elas sentem é maior que a do adulto porque elas não têm condição de entender, por exemplo, qual time tem mais chance de vencer. A criança cria uma expectativa muito grande e tem certeza que quem vai ganhar é a equipe para quem ela torce. Para as maiores, além da eliminação, precisam lidar com a desconstrução da imagem de que o futebol brasileiro não é tão bom assim”, explica a terapeuta familiar e diretora da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp), Quézia Bombonatto. Para a especialista, o que é essencial é que os cuidadores ajudem meninos a meninos a ressignificarem o placar negativo. “Os pais precisam oferecer aos filhos a expectativa da esperança, não podem encerrar a questão em si, devem aproveitar o momento para mostrar que agora é importante lutar para o terceiro lugar ou que outras Copas virão e que podem ser vencidas. As crianças não devem se ver numa situação de imobilização, mas entenderem que da próxima vez pode ser diferente e que num jogo estamos sujeitos a ganhar ou perder”, completa.

AFP PHOTO / YASUYOSHI CHIBA
Não ofereça algo material no lugar da derrota (foto: AFP PHOTO / YASUYOSHI CHIBA )
Trocas materiais
Quézia Bombonatto é categórica ao afirmar não ser favorável às trocas materiais. “Aquilo que é ruim vou transformar numa coisa boa?”, questiona. Para ela, é positivo, por exemplo, convidar a criança para deixar aquele ambiente e falar de outras coisas. “Os pais podem levar os filhos a um parque, uma praça, ou oferecer uma atividade para que a criança não fique remoendo a derrota e possa se divertir. Assim, elas serão ajudadas a perceber que não é uma tragédia e que a vida continua. Dar uma coisa material é ensinar que emoções podem ser compradas”, pontua.

Criança "sem esportiva"
As crianças são muito egocentradas e, segundo Bombonatto, é por que não têm muita vivência e ainda não acumularam experiências. “Para o adulto é mais fácil administrar perdas e tristezas por que já viveu outros momentos de frustração e sobreviveu. Para a criança é mais difícil, cada frustração tem um sentido diferente que dá a ela uma sensação de vazio da qual não sabe como sair. É uma boa oportunidade para os pais ajudarem seus filhos a elaborarem as perdas”, acredita.

Meu pai está chorando, minha mãe está triste
Para as crianças menores, entre 2 e 3 anos, a tristeza dos pais, avós ou cuidadores é o grande desafio a ser elaborado. “Essa criança está vendo o pai e a mãe tristes, às vezes vivencia até brigas e não conseguem entender o que está acontecendo. Nesses casos, é importantíssimo explicar que não tem nada a ver com ela. ‘Estamos tristes porque o jogo deu errado, o nosso time perdeu’ é algo que pode ser dito, sempre mostrando que um jogo tem dois lados. Os adultos não devem ficar se martirizando porque não é justo com as crianças. Perdemos, mas podemos brincar juntos agora”, sugere a terapeuta familiar.

A diretora da ABPp diz ainda que os pais devem deixar o lugar do adulto que está elaborando sua vergonha e frustração e lembrar que têm uma criança e que isso é muito mais importante que um resultado de futebol. “As crianças se assustam, vêem os pais tristes e não entendem que têm relação com a derrota”, observa.

Ajude seu filho a nomear o que sente

“Só sabemos o que sentimos quando nomeamos o sentimento”, alerta Quézia Bombonatto. Por isso, é muito importante que a família conduza a criança a dar um nome para a sensação. “Os pais podem dar algumas pistas, mas não dar a resposta. Você está triste por que viu o papai ou mamãe chorar? Está preocupado? Está triste por que o Brasil perdeu? A família deve ir caminhando com a criança sem colocar para ela o motivo, apenas auxiliando”, assinala.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA