Você já comprou algum produto erótico? Saiba por onde começar

Pesquisa revela que 83% dos brasileiros nunca consumiram artigo erótico

por Valéria Mendes 07/07/2014 15:01

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Apenas 17% dos brasileiros recorrem a produtos eróticos para melhorar a qualidade do sexo. A informação é de uma pesquisa nacional de uma marca de preservativos divulgada este ano (saiba mais). No entanto, levantamento da Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual (Abeme) mostra que homens e mulheres afirmam que a atividade sexual é essencial para a felicidade individual e o do casal. Daria para concluir que brasileiros e brasileiras estão satisfeitos com a vida sexual que têm, certo? Pelo contrário: outro dado revelado pela Durex Global Sex Survey afirma que 51% dos homens e 56% das mulheres estão infelizes. Presidente da Abeme, Paula Aguiar diz que é justamente para os casais que têm uma relação estável que esses produtos são mais relevantes. “Produtos eróticos são importantes acessórios para apimentar relacionamentos, principalmente os estáveis. Eles servem para tirar o casal da rotina, para se reconectar, para comemorar datas especiais e ajudar a conhecer a intimidade do outro”, diz.

SXC.hu/Banco de Imagens
Mulheres brasileiras representam 70% dos frequentadores de lojas de artigos eróticos (foto: SXC.hu/Banco de Imagens)
Dentro dessa perspectiva, as mulheres brasileiras dão um banho nos homens já que representam 70% dos frequentadores de lojas de artigos eróticos. A maioria delas (43,2%) tem entre 18 e 25 anos; 36,3% têm entre 26 a 35 anos e 20,5% mais de 35. ”Apesar de os homens estarem mais atentos às necessidades femininas, ainda são elas as grandes cuidadoras da relação”, avalia Aguiar.

Por onde começar
O lubrificante é um bom exemplo para entender o tanto que o consumo de produtos eróticos ainda é tabu no país. Apesar de indicado inclusive por médicos, no Brasil a venda é muito inferior se comparada a de outros países, segundo a presidente da Abeme. “O mercado brasileiro tem à disposição mais de 8 mil itens de produtos eróticos. O lubrificante, por exemplo, melhora a experiência da penetração e é uma boa maneira de começar”, indica. Outro produto que ela sugere aos iniciantes é o gel comestível. “São quarenta sabores disponíveis no país e pode ajudar no sexo oral”. O anel peniano é o vibrador mais vendido por aqui. “É fácil de usar, é simples, barato e serve para proporcionar sensação tanto para o homem quanto para a mulher”, afirma.

Se, por um lado, o brasileiro ainda pode ser considerado um pouco travado para diversificar as experiências sexuais, por outro, mudanças têm acontecido. Ano passado, foi inaugurada a primeira loja para casais cristãos evangélicos. A Sexshop Gospel, entretanto, não vende alguns artigos que considera incompatível com a doutrina compartilhada pelos fiéis como artigos para homossexuais. Em 2013, também surgiu a primeira testadora brasileira de produtos eróticos, Mariana Blac. “No site Sexônico, a profissional relata a experiência com determinado produto com o objetivo de auxiliar consumidores”, explica Aguiar.

Brincadeiras na cama

Os jogos eróticos são uma alternativa divertida para os casais experimentarem algumas novidades no sexo. Eles também são vistos como uma maneira de ajudar pessoas mais tímidas a se soltarem e revelarem suas fantasias. Já testou algum? Seguindo a premissa de que o sexo é a brincadeira do adulto, assista ao vídeo e veja cinco dicas para se divertir com seu parceiro ou parceira:



Arte: Soraia Piva
Produtos eróticos mais vendidos no Brasil. FONTE: Abeme (foto: Arte: Soraia Piva)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA